quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

Votos de Bom Ano Novo...

... a todos os amigos que por aqui passarem, com desejos de que sejam muito felizes!


Imagem: Desenho de Luís Diferr, "Anula", estudo II.

Fim de ano em Lisboa com chuva


Fotografia de Pérola de Cultura no Parque Eduardo VII, Lisboa, 31-12-2009

Happy New Year!



Pérola de Cultura deseja a todos leitores, amigos e colaboradores deste Blogue um Feliz Ano de 2010!

"Eu sei fazer" ?


Lembram-se de um post que eu escrevi aqui quando a ministra Isabel Alçada, recentemente empossada, deu uma entrevista na RTP1 à Judite de Sousa e disse "Eu sei fazer"?

Apetece dizer-lhe agora, ao fim de quase três meses: "Ai, sim, então mostre lá!"

O meu colega Paulo Prudêncio do Blogue "Correntes" diz num comentário a esse post: "Gosto de te ver optimista".
Olha, amigo, acabou-se-me o optimismo.
Acho que os professores foram eleitos o bezerro para o sacrifício.

É o primeiro-ministro a mandar, é o ministro das Finanças a cortar e é a Isabel Alçada a fazer figura triste no meio deles todos, sem qualquer capacidade decisória.

O que existia era muito mau.
O que querem impor agora continua a ser muito mau.
Onde está a liberdade que afirmava possuir?
Se sabe fazer porque não faz?

Chegámos ao fim do ano com uma mão cheia de nada e outra de coisa nenhuma.
E azia muita, mesmo sem ter comido bolo-rei.

quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

Paulo Guinote na "Opinião Pública" - a cruzada de sempre


Paulo Guinote e o seu umbigo lá foram hoje mais uma vez à televisão. Ontem na TVI24 e hoje na SIC Notícias lá esteve a defender a classe e com classe.

Nem perante os desmandos dos reformados, auxiliares de acção educativa e avozinhas ressabiadas ao ataque, ele perdeu a compostura. Limitando-se a sorrir levemente, sem nunca se notar no seu semblante qualquer alteração do bom humor e fair-play que o caracterizam, o Paulo desmontou, uma após outra, aquilo que considero as calúnias com que uma certa opinião pública se habituou a mimosear os professores.

Desde o advento de Jorge Pedreira, Valter Lemos e Maria de Lurdes Rodrigues, que, por mais de uma vez injuriaram e ofenderam os professores com insultos ou insinuações pouco abonatórias, que todo e qualquer cidadão, mesmo nada sabendo de educação, se diz "conhecedor no terreno" do trabalho dos docentes e SABE que "eles não querem ser avaliados" e “só querem é bagunça!”!

Continuo, apesar do tempo, a sentir-me chocada com a injustiça de algumas mentiras, tais como: que nunca quereremos avaliação nenhuma e que deixamos as crianças sem aulas para irmos para as ruas fazer manifestações... quais arruaceiros, para não dizer Hooligans, como nos chamou o Sr. Emídio Rangel, que acabou (e bem!) arguido por difamação (haja Deus!).

Não vou aqui repetir a argumentação do Paulo Guinote para rebater isto, assim como as questões que melhor salientou. Esse trabalho já está feito (e bem); poderão lê-lo no ProfBlog, que transcreve tudo o que de fundamental foi dito.

Quero apenas sublinhar duas coisas:
- A primeira: que lamento que muitos cidadãos continuem a entender que os professores são um bando de malandros que querem ganhar muito sem nada fazer (incluindo não querer ser avaliados, o que seria coerente com a sua incompetência), mesmo tendo em vista que educam e ensinam os seus filhos e netos;

- A segunda: que me congratulo com a existência de professores que não se importam de oferecer o peito às balas, e que, além de eloquentes, são corajosos e bem preparados para desmascarar as mentiras e calúnias sistemáticas com que a classe, lamentavelmente, continua a defrontar-se ainda hoje e passados quatro anos.

É graças a Bloggers como o Paulo e outros colegas, a líderes de Movimentos Independentes e a certos Deputados, como por exemplo, a Ana Drago, que tem sido possível fazer ouvir a nossa voz e, apesar de tudo, fazer com que alguns sectores da sociedade já vão começando a reconhecer o nosso trabalho e as nossas razões de outra forma.

Estou convencida de que a informação e a troca de experiências e testemunhos na Blogosfera acabam por ter eco na Comunicação Social tradicional e constituir-se também como força de pressão sobre as próprias estruturas sindicais.
Há que ter a coragem de continuar esta que eu chamo já uma verdadeira cruzada.
Assim o cansaço e o desânimo não nos derrubem.


Imagem: Paulo Guinote na SIC Notícias hoje no meu televisor.

terça-feira, 29 de dezembro de 2009

"Epifania esta noite na 5 de Outubro"?


A menos que haja alguma "epifania esta noite na 5 de Outubro", segundo a expressão de Paulo Guinote, tudo leva a crer que será muito difícil sair algum acordo assinado entre os Sindicatos e o Ministério da Educação.

Na TVI 24 há pouco em directo com Mário Nogueira da Fenprof e João Dias da Silva, Paulo Guinote fez questão de sublinhar a importância que tem o esclarecimento cabal junto da opinião pública das dificuldades pelas quais os professores estão a passar em termos de carreira e, sobretudo, em termos de estrangulamento salarial, salientando que, nas Escolas, todos, à excepção dos Directores e Coordenadores de Departamento, desenvolvem exactamente as mesmas funções: "um professor do 10º escalão não manda um do 3º ir tirar fotocópias ou os dos escalões inferiores irem para a caserna".

Evidentemente, esta ironia refere-se à desastrada comparação que Maria de Lurdes Rodrigues fez da carreira dos professores com os quartéis, tentando equiparar os titulares aos generais. Paulo Guinote foi claro quanto aos prejuízos que advirão da aplicação deste novo Estatuto, dizendo que mais parece que o Secretário de Estado da Educação "é um testa de ferro do Ministério das Finanças".

Mário Nogueira fez questão de lembrar que, caso não saia amanhã com um acordo assinado, vai propor às outras forças sindicais uma reunião para, em conjunto, pensar formas de luta que passem pela auscultação da classe docente.

Por último, não posso deixar de referir a posição de "fé" no resultado da reunião de amanhã demonstrada por João Dias da Silva, que, disposto a fazer cedências no que se refere à duração da carreira, ainda acredita poder sair da 5 de Outubro com um acordo assinado.

Movimentos de Professores consideram a proposta do Ministério da Educação inaceitável


Para ler aqui.

Os movimentos apelam aos sindicatos que não assinem o acordo, por ele ser excessivamente lesivo dos interesses dos docentes e na prática ficar colado ao da época de Maria de Lurdes Rodrigues.

Trata-se de uma corrida contra o tempo, já que amanhã é a última sessão negocial e o tempo é curto para tomar decisões.

Aguarda-se às 22 horas na TVI 24 as intervenções de Paulo Guinote do Blogue A Educação do Meu Umbigo, Mário Nogueira da Fenprof e João Dias da Silva da FNE.

Também Ramiro Marques do ProfBlog tem vindo ao longo do dia a postar análises sobre o Documento do ME.

ADD e ECD - Still The Same

Cantar para não chorar... ou ao mesmo tempo que choro!

"Still the same" - 1978 - Bob Seger




Toda a ilusão que cheguei a ter em modelos mais racionais de ADD e ECD se desmoronou ao ler a proposta que o ME ontem apresentou aos Sindicatos.

A esperança criada pelo benefício da dúvida dado a Isabel Alçada neste início de mandato, desvanece-se agora por completo.

A proposta é mais do mesmo, com outras, ligeiras, tonalidades em relação ao anterior.
Porventura, em alguns aspectos, ainda será mais perverso, dando azo a situações de grande constrangimento entre os docentes. Continua a avaliação por pares e cria-se a figura do relator e nem este nem o Coordenador/Avaliador são eleitos pelos seus colegas professores. As aulas assistidas e a entrega de Objectivos Individuais são facultativas. Há quotas e três patamares com "numerus clausus".

Enfim... é de prever que se instale a grande confusão e (mais) guerras surdas nas escolas.

Ao ler o documento ontem só me deu a sensação de mais uma maçã envenenada e mais anos de luta desgastante, porque os professores estão cada vez mais cansados.

Numa perspectiva mais racional do que a minha, leiam aqui a análise do colega Mário Carneiro.

Proposta de novo modelo de Avaliação e ECD


Depois de ler o Documento na diagonal, a sensação é de perigo de intoxicação!
Descarregue aqui o documento completo em PDF.

Défice de Atenção e Hiperactividade


A desordem chamada "Défice de Atenção" afecta alguns dos alunos que tenho este ano e anda associada à Hiperactividade; pode ainda aparecer concomitantemente com a Dislexia, outra perturbação cada vez mais frequentemente diagnosticada entre os nossos jovens alunos.

Neste contexto tem cabimento a publicação de um importante trabalho de uma das colaboradoras deste Blogue, a Becas, que se dedica ao estudo desta e de outras patologias no âmbito dos seus estudos de Neurobiologia do Comportamento.

Uma vez que o texto é extenso, vou dividi-lo em partes e irei publicando um capítulo de cada vez. Começaremos com as definições e os sintomas, mais adiante a Becas prometeu enviar-nos as formas de tratamento.

Penso que pode ser útil e interessante para os professores, mesmo aqueles que não se movem na área da Psicologia.


Desordem de Défice de Atenção e Hiperactividade

"A Desordem de Défice de Atenção e Hiperactividade sendo, muitas vezes, confundida com dificuldades de aprendizagem e com perturbações emocionais é, no entanto, referida de forma diferente como distúrbio ou como desordem. Trata-se de um distúrbio neurológico que se caracteriza pelo inadequado desenvolvimento das capacidades de atenção, pela impulsividade e pela hiperactividade. Proveniente da tradução literal do inglês Attention Deficit Hyperactivity Desorder (ADHD) ou, ainda Perturbação Hiperactiva por Défice de Atenção (PHDA) esta Desordem é caracterizada pela Associação Americana de Psiquiatria (APA) como um padrão persistente de falta de atenção e/ou impulsividade e hiperactividade, com uma intensidade mais ou menos grave e frequente que o observado habitualmente em sujeitos com semelhantes níveis de desenvolvimento.

Durante bastante tempo, a hiperactividade era considerada por muitos autores como sendo a característica da DDA mais marcante. No entanto, compreendeu-se que, provavelmente, existem diferentes tipos de DDA, Algumas pessoas com DDA são excepcionalmente hiperactivas e impulsivas, outras são mais notoriamente afectadas por estados de desatenção e outras, ainda, apresentam uma combinação dos três traços. Existem, portanto, diferentes tipos de desordem de atenção que estão descritas na Fourth Edition of the Diagnostic and Satistical Manual for Mental Disorders (DSM – IV) e de acordo com a American Psychiatric Association existem três tipos de DDA, a saber: a Desordem por Défice de Atenção/Hiperactividade, tipo predominantemente caracterizado pela desatenção; a Desordem por Défice de Atenção/Hiperactividade, tipo predominantemente caracterizado por Hiperactividade-Impulsividade e a Desordem por Défice de Atenção/Hiperactividade, tipo misto.

O tipo que se caracteriza pela predominância da hiperactividade - impulsividade e o tipo que apresenta uma combinação dos diferentes traços representam a maior parte das crianças com desordem de atenção/hiperactividade. O tipo que se caracteriza pela predominância de estados de desatenção e não apresenta sinais de impulsividade ou de hiperactividade seria de um terço de todas as crianças com Desordem por Défice de Atenção.

Para que um indivíduo se qualifique para diagnóstico, deve apresentar (antes dos sete anos de idade) os sintomas da desatenção, de hiperactividade ou impulsividade descritos no DSM-IV. A interferência dos sintomas tem de se fazer sentir em dois ou três contextos, isto é, na escola, em casa ou noutra circunstância, assim como devem existir provas do funcionamento social, académico ou ocupacional. Além disso, convém sublinhar que os sintomas não devem resultar de uma outra desordem do foro psiquiátrico."


Texto de Becas

domingo, 27 de dezembro de 2009

Exposição de Alberto Korda 2












Esta exposição de 200 fotografias de Alberto Korda está patente em Lisboa na Cordoaria Nacional (Galeria Torreão Nascente) até 31 de Janeiro de 2010.

O fotógrafo "oficial" da revolução cubana, amigo e companheiro de Che Guevara, Fidel Castro, Camilo Cienfuegos e outros tantos revolucionários a quem acompanhou, tem agora uma parte da sua obra exposta ao olhar dos lisboetas, com entrada gratuita.

Acrescento que este fotógrafo privou também com intelectuais franceses ligados ao Maio de 68, tendo fotografado, por exemplo, Jean-Paul Sartre e Simone de Beauvoir.

Korda morreu em Paris em 2001, depois de ter sido absurdamente espoliado da maior parte dos seus arquivos pelas autoridades cubanas nos anos subsequentes à revolução.

A exposição está dividida em quatro partes: os líderes, o povo, as mulheres e a fotografia submarina.



Fotos de Pérola de Cultura na Cordoaria Nacional, 26-12-2009

As agruras do S. Nicolau


O Pai Natal não é mais do que a figura inspirada no S. Nicolau, ou Santa Klaus, como se chama lá pela terra dele, na Lapónia.

O imaginário popular atribui ao Pai Natal a tarefa hercúlea de entregar os presentes às crianças todas numa única noite, o que à luz da Física, seria impossível.

Porém, no reino dos mitos, todas as fantasias são possíveis. E o Santa Klaus até é uma figura tão simpática, que não nos apetece vê-lo desaparecer do imaginário das nossas crianças...

Este é um texto humorístico, anónimo, que circula na Internet:


"Na Terra, há cerca de dois mil milhões de crianças (por criança, entende-se todo o indivíduo com menos de 18 anos). Contudo, como o Pai Natal não vai visitar as crianças muçulmanas, hindus, judias ou budistas (salvo eventualmente no Japão), o volume de trabalho para a noite de Natal fica eventualmente reduzido a 15% do total, ou seja, a 378 milhões. Contando uma média de 3,5 crianças por casa, temos 108 milhões de casas. O Pai Natal dispõe de cerca de 31 horas de trabalho na noite de Natal, devido à existência de diferentes fusos horários e à rotação da Terra, admitindo a hipótese de que viaja de Leste para Oeste, o que, de resto, parece lógico.

Tal equivale a 967,7 visitas por segundo, o que significa que para cada lar cristão com uma criança bem comportada pelo menos, o Pai Natal dispõe de cerca de um milésimo de segundo para estacionar o trenó, sair, descer pela chaminé, encher as meias com as prendas, distribuir o resto dos presentes junto ao pinheiro, provar as guloseimas que lhe deixam, voltar a subir a chaminé, saltar para o trenó e dirigir-se para a casa seguinte.

Supondo que essas 108 milhões de paragens se distribuem uniformemente à superfície da Terra (hipótese que sabemos falsa, mas que aceitamos como primeira aproximação), teremos que contar com cerca de 1,4 km por trajecto, o que significa uma viagem total de mais de 150 milhões de quilómetros, sem contar com os desvios para reabastecimento ou fazer chichi.

O trenó do Pai Natal desloca-se pois à velocidade de 1170 km/s (3000 vezes a velocidade do som). A título de comparação, o veículo mais rápido fabricado pelo homem, a sonda Ulisses, não vai além dos 49 km/s e uma rena média consegue correr quando muito a 27 km/h. A carga útil do trenó constitui igualmente um elemento interessante. Supondo que cada criança apenas recebe o equivalente a uma caixa de Legos média (cerca de um quilo), o trenó suporta mais de 500 mil toneladas, sem contar com o peso do Pai Natal. Em terra, uma rena convencional não consegue puxar mais de 150 kg. Mesmo supondo que a famosa "rena voadora" tem um desempenho dez vezes superior, o Pai Natal não consegue cumprir a sua missão com 8 ou 9 animais; precisará de 360 000, o que vem aumentar a carga útil em mais 54 000 toneladas, abstraindo já do peso do trenó, o que corresponde a sete vezes o peso do Príncipe Alberto (o barco, não o monarca). 600 000 toneladas a viajar a 1170 km/s produzem uma enorme resistência do ar, a qual provoca um aquecimento das renas, tal como um engenho espacial ao entrar na atmosfera terrestre. As duas renas da frente absorveriam cada uma a energia de 14 300 milhões de joules por segundo. Em resumo, entrariam quase instantaneamente em combustão, pondo perigosamente em risco as duas renas seguintes. O rebanho de renas vaporizar-se-ia completamente em 4,26 milésimos de segundo, isto é, o tempo exactamente necessário ao Pai Natal para chegar à quinta casa.

Tal, porém, não é o pior. O Pai Natal, passando fulgurantemente da velocidade instantânea nula a 1170 km/s num milésimo de segundo, ficaria sujeito a uma aceleração tremenda. Um Pai Natal de 125 quilogramas (que seria ridiculamente magro) ver-se-ia esmagado contra o fundo do trenó por uma força de 2157 507,5 quilogramas-força, o que lhe reduziria instantaneamente os ossos e os órgãos a uma pequena massa pastosa.

Isto é: se o Pai Natal existiu, já morreu!"


Como o Natal se transformou num grande negócio, não conviria nada aos finlandeses que o Pai Natal desaparecesse. Para dar mais credibilidade à figura até se criou uma casa próxima da cidade de Rovaniemi, onde o dito mora, com endereço postal e também e-mail.

Santa Claus
FIN-96930 Arctic Circle
Rovaniemi - Finlândia
http://www.santaclausoffice.fi


Quem quiser estudar a vida de S. Nicolau (bispo turco) pode ir à Wikipédia.

Ah, já agora: as renas são veados de grande porte e não voam!
Aqui o site do Pai Natal, com vídeos e tudo.


sexta-feira, 25 de dezembro de 2009

As faces da figura controversa de Jesus Cristo







Não sendo eu especialista em questões teológicas e muito pouco crente, não me atrevo muito a opinar sobre o significado de Cristo no mundo contemporâneo.

É para mim uma figura controversa, e, mesmo para os religiosos, o seu perfil como pessoa do mundo antigo está longe de ser consensual.

Contudo, não pude ficar indiferente a um artigo do último número da Visão, onde se questiona várias personalidades da vida política portuguesa sobre se Cristo seria de esquerda ou de direita, se vivesse hoje.

À inutilidade da pergunta, estranhamente, não se junta o espanto dos entrevistados, como seria de esperar.

Pessoas como o Padre Carreira das Neves, Maria José Nogueira Pinto, José Manuel Pureza ou Maria do Rosário Carneiro, apressam-se a afirmar coisas tais como que "Cristo seria de esquerda, pois andava com os desclassificados e marginalizados", "protegia os mais desfavorecidos", "defendia as minorias", "foi morto pelos que estavam no poder", "pôs-se sempre ao lado da transformação", "defendia que somos todos filhos de Deus, logo, iguais", ou "seria a favor do casamento dos homossexuais"!

Foi imenso o meu espanto ao ler estas opiniões, porquanto me lembro de ter aprendido na catequese a partir da leitura de passagens dos Evangelhos, que Cristo terá dito que seria impossível um rico entrar no reino dos céus e era contra o divórcio...!

Seria assim a sua tão famosa "tolerância"?

Não sei como é que estas personalidades podem ser tão positivas sobre o pensamento de um homem controverso que nasceu há mais de 2000 anos, que, tal como Sócrates, parece que nada escreveu, já que tudo é (re)contado pelos apóstolos, sabe-se lá se bastante deturpado segundo as conveniências, e depois, milhentas vezes traduzido, adaptado, cortado e truncado ao longo dos tempos.

A acrescer a isto existem, de facto, as dificuldades hermenêuticas inerentes às diferenças das várias línguas, a começar pelo Hebraico, e a subordinação das traduções aos interesses das várias religiões de raiz cristã, porventura cada uma mais longinquamente posicionada do que a outra em relação às (hipoteticamente) "verdadeiras" intenções do seu inspirador!

A personalidade de Cristo tem sido retratada ao longo dos tempos das mais diversas formas: desde o maior dos santos milagreiros, que curava leprosos só de lhes pôr a mão em cima, transformava a água em vinho e multiplicava os pães, punha cegos a ver e paralíticos a andar, até, mais recentemente no século XX, como um quase marginal errante que fazia parte de um bando que tomava mescalina, como nas óperas-rock dos anos 70.

Logo, a pergunta se Cristo hoje seria de esquerda ou de direita, não faz qualquer sentido, na medida em que essas categorias não existiam no seu tempo e não se pode compreender nem um filósofo nem um profeta fora do seu tempo e do seu contexto histórico.

As Boas Festas do Aeroporto de Lisboa



Cortesia do Miguel Loureiro.

So this is Christmas



So this is Christmas
And what have you done
Another year over
And a new one just begun

And so this is Christmas
I hope you have fun
The near and the dear ones
The old and the young

A very merry Christmas
And a happy New Year
Let's hope it's a good one
Without any fear

And so this is Christmas
For weak and for strong
For rich and the poor ones
The world is so wrong

And so happy Christmas
For black and for white
For yellow and red ones
Let's stop all the fight

A very merry Christmas
And a happy New Year
Let's hope it's a good one
Without any fear

And so this is Christmas
And what have we done
Another year over
A new one just begun

And so this is Christmas
We hope you have fun
The near and the dear one
The old and the young

A very merry Christmas
And a happy New Year
Let's hope it's a good one
Without any fear

So this is Christmas
And what have you done
Another year over
And a new one just begun

Autoria: John Lennon

quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

Feliz Natal na Blogosfera


O Jorge, editor do Fliscorno fez esta linda árvore de Natal colectiva que congrega um grupo alargado de Blogues, em nome dos quais se deseja a todos os que circulam por estas páginas umas Boas Festas.

Eu agradeço, reconhecida, a iniciativa e associo-me a estes votos, estendendo-os ao Ano Novo, que, espero, seja bem melhor do que este.

Se espreitarem com atenção, vêem a Pérola de Cultura nos ramos de baixo da árvore do lado direito.

Ao Jorge envio um abraço muito especial pelo carinho demonstrado.


(Clique na imagem para ampliar)

O afecto é o melhor dos presentes

Hannah e Martin no Teatro Aberto



"O Teatro Aberto, em Lisboa, apresenta (...) o encontro entre Hannah Arendt e Martin Heidegger, dois pensadores alemães cuja vida e obra são indissociáveis da tumultuosa história europeia do século XX.

Num tempo de catástrofes políticas, morais e humanas, um homem e uma mulher procuram encontrar um lugar para o amor, para o conhecimento e para si próprios. Eles são Hannah Arendt, filósofa judia, e Martin Heidegger, filósofo alemão convertido ao nazismo. A história dos seus encontros e desencontros conta-se na peça Hannah e Martin, que se estreia amanhã, pelas 21.30 no Teatro Aberto, em Lisboa.

Kate Fodor, jornalista norte- -americana, é a autora desta obra, que João Lourenço e Vera San Payo de Lemos trazem agora para os palcos portugueses.

Esta "é uma peça sobre a memória e o perdão", diz João Lourenço, o encenador, confesso admirador do pensamento e da figura de Hannah Arendt.

O eixo da obra dramatúrgica é o encontro de Arendt, então uma jovem estudante judia, com Heidegger, já um dos mais reputados pensadores europeus, no período entre as duas Guerras.

O fascínio que ambos sentiam um pelo outro acabou por se transformar numa relação profunda que o afastamento geográfico, político e moral não destruiu. E, não obstante a ligação de Heidegger ao partido nazi e a partida da Hannah para os Estados Unidos para fugir aos campos de concentração, foi ela que, depois da II Guerra, o ajudou a refazer a carreira.

São de Arendt as memórias que, ao longo de duas horas, desfilam pelo palco dando a ver fragmentos da relação com Martin Heidegger e, em simultâneo, momentos da história da Europa, desde a subida de Hitler ao poder até aos julgamentos de Nuremberga."


Pode saber mais aqui.

Imagens:
1. Rui Mendes e Ana Padrão
2. Hannah Arendt e Martin Heidegger

quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

Presentes de Natal para os meus leitores 3


Foto enviada pelo meu amigo Nuresico, que partilho convosco, com desejos de Feliz Natal e Bom Ano de 2010.

Foto: Pormenor da pintura (séc. XIX) do tecto do Teatrinho do Palácio Burnay (sede do TUT - Grupo de Teatro da Universidade Técnica de Lisboa)

(Clique sobre a imagem para ampliar)

Presentes de Natal para os meus leitores 2


Deixo hoje uma oferta concebida para esta época por um dos colaboradores habituais deste Blogue, Luís Diferr, que deseja Feliz Natal e Bom Ano Novo a todos os leitores e amigos.

(Clique sobre a imagem para ampliar)

Desenho "Anula" de Luís Diferr - estudo

Presentes de Natal para os meus leitores



Pergaminhos de mérito?


Chamada para tomar conhecimento da minha Avaliação de Desempenho, assinei três vias com os resultados da dita e fiquei a saber que tive um Muito Bom que é Bom, porque não pode ser Muito Bom, em virtude de não ter pedido aulas assistidas.

Confusos? Certamente!
Os que não forem professores não vão conseguir perceber nada disto.
Deixem lá, isto não é mesmo para perceber!

Resposta a Maria de Ibiza

domingo, 20 de dezembro de 2009

sábado, 19 de dezembro de 2009

Duetos de respeito 6



Hoje da responsabilidade da Carmela.

Dedicado aos colegas professores que estão hoje nas Escolas a trabalhar

Coro dos Escravos Hebreus - "Nabucco" - Verdi

COP 15 - o acordo possível







Barack Obama anunciou ontem à noite na Cimeira de Copenhaga a assinatura de um acordo entre os EUA, a China, a Índia, o Brasil e a África do Sul para a protecção climática, com vista à redução de 2 graus centígrados na temperatura do planeta.

O presidente dos EUA disse tratar-se de um conjunto de medidas significativas e sem precedentes, mas ainda insuficientes.

"Pela primeira vez na história, as grandes economias estão a trabalhar contra as alterações climáticas", disse Obama em conferência de imprensa em Copenhaga.

Veja aqui o vídeo.


A próxima conferência mundial sobre o clima será no México já em 2010, anunciou Nicolas Sarkozy.

Notícia desenvolvida no Público.

(Post actualizado às 11:16)

sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

Copenhaga entre o fogo e o gelo







Depois dos tumultuosos incidentes decorrentes das manifestações em Copenhaga, a Cimeira dos líderes mundiais sobre o clima parece não ver um final feliz.

No dia do seu início escrevi aqui sobre as previsíveis dificuldades de um entendimento entre os países envolvidos para a formulação de um protocolo que os comprometa a reduzir os efeitos nocivos sobre a atmosfera e que vigorará após os Acordos de Kyoto, que expiram em 2012.

Após onze dias de conversações e a seguir a uma noite inteira de tentativas de acordo, alguns chefes de Estado como Nicolas Sarkozy e Lula da Silva manifestaram hoje a sua descrença na possibilidade de esta Cimeira terminar com um Documento satisfatório assinado.

Depois de muita gente ter estado de olhos postos na COP 15 com a expectativa de que os maiores decisores do mundo pudessem entender-se sobre a prevenção dos desastres climáticos e a protecção da qualidade de vida que decorre da preservação do ambiente, a desilusão parece ser hoje a pedra de toque em Copenhaga.

Haminetu Haidar regressou a casa


"A activista sarauí Aminatu Haidar já regressou a casa, a El Ayoun, no Sara Ocidental, de onde o regime marroquino a expulsou há um mês. Partiu de Lanzarote, nas Canárias, às 22h23 locais, num avião médico disponibilizado pelo Governo espanhol onde, finalmente, põe termo a 32 dias consecutivos de greve de fome."

Notícia no Público.

Governo aprova casamento homossexual

"O Governo aprovou hoje alterações ao Código Civil que permitem o casamento entre pessoas do mesmo sexo, mas que excluem "clara e explicitamente" a possibilidade das mesmas se reflectirem em matéria de adopção."

A ler no Expresso.

Enfim se começa a vislumbrar um bocadinho menos de preconceito contra as minorias sexuais. Um sinal de que Portugal tem de se aproximar dos países europeus mais desenvolvidos.

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

Bonita música para um dia de anos



Obrigada, Pai!

Dão-me licença para hibernar?

É que me dou mal com o frio e detesto a época natalícia com o seu consumismo exacerbado.

Sendo hoje o meu dia de aniversário, calhava mesmo bem apanhar um avião para um país mais quentinho e voltar só depois do dia de Ano Novo...

Mas ainda me vão ver a preencher muita papelada e dar resposta - contrariada - a muita bur(r)ocratice!

Se procurarem muito bem, talvez consigam encontrar-me por baixo de vários quilos de lã.

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

Fé, Razão e Renascimento


"Fé inabalável é somente aquela que pode encarar a razão, face a face, em todas as épocas da humanidade".

"Nascer, morrer, renascer ainda e progredir sempre, tal é a lei".


Allan Kardec (1803 - 1869)

terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Obama - Nobel da Paz 2


O presidente Obama em Oslo na gala de entrega do Prémio Nobel da Paz deu mostras de um sentido de humor pouco usual nos chefes de Estado.

Tradicionalmente na Noruega, sempre que há um brinde há um discurso a acompanhá-lo e aqui a situação impunha que Obama respondesse a Thorbjorn Jagland, do Comité Nobel.

“You gave a brilliant speech. I was almost convinced that I deserved award!”, disse Obama levando ao riso todos os convidados do Grand Hotel.

Quando um jornalista norueguês perguntou a Obama como iria ele usar o Prémio Nobel, respondeu-lhe:


- "It’s a big surprise to get the prize. I have no doubt that others might have deserved it more. My task is to continue on a line that is important for the United States and a line that will ensure peace in the world: by fighting against nuclear weapons, combat climate change, creating stability in Afghanistan and the fight against terrorism. My goal is not to win a popularity contest or get a prize."

Oxalá!

Imagem: Obama e Michelle à janela do Grand Hotel em Oslo.

Proposta da APEDE para um novo modelo de Avaliação de professores


A APEDE, Associação de Professores e Educadores em Defesa do Ensino elaborou cuidadosamente uma proposta de alteração do modelo de Avaliação e do Estatuto da Carreira Docente.

O Documento acentua a vertente essencialmente formativa da Avaliação, a necessidade de uma carreira única e a dignificação profissional.

O texto completo da Proposta pode ser lido na íntegra aqui.