terça-feira, 30 de novembro de 2010

A NASA pode ter descoberto vida extra-terrestre


A sonda Cassini encontrou vestígios de oxigénio e dióxido de carbono, dois elementos fundamentais na constituição da vida, na atmosfera do satélite RHEA, uma das "luas" de Saturno.

Esta pode ser uma etapa fundamental da pesquisa da existência de formas de vida fora do planeta Terra, um sonho perseguido pelos cientistas desde a chegada do Homem à Lua em Julho de 1969.

Leia aqui a notícia.

Uma hipótese semelhante já tinha sido referida aqui.

Bloggers noruegueses em visita a Lisboa


Leiam as impressões sobre Lisboa de DianeCA no Blogue Metamorphoses e de RennyBA no Blogue Terella.

Salários dos funcionários públicos portugueses vão ser os mais penalizados da União Europeia


Não me espanta. Em breve seremos os campeões da pobreza na União Europeia.

Ler aqui.

Umbigo faz 5 cinco anos - parabéns!

A Educação do Meu Umbigo - um Blogue de um amigo, onde também me sinto em casa.

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

O cérebro das mulheres é mais activo que o dos homens

"A descoberta foi feita por acaso, quando uma investigadora canadiana estudava doentes de esquizofrenia."


Leia aqui.

Quem disse que os noruegueses são frios?


A minha participação no Oslo Blog Gathering em Agosto de 2010 foi retribuída com uma visita dos seus promotores e principais anfitriões Renny e Diane Amundsen a Lisboa no passado fim de semana.
A visita deixou-me orgulhosa e foi um prazer para mim receber colegas bloggers tão interessados na cultura portuguesa.
Fiz as honras da casa como me foi possível, umas vezes acompanhando-os, outras vezes sugerindo itinerários e visitas. Disseram-me que na Noruega quase nada se aprende e pouco se sabe sobre Portugal, excepto que lhes compra bacalhau.
Afinal há muita coisa para ver e desfrutar, desde a paisagem natural, até aos monumentos, testemunhos da História, passando pelos hábitos, a gastronomia e mesmo o fado.
Para Renny e Diane, foi uma aventura descobrir Lisboa, e sentir a sua atmosfera foi uma experiência única.


Fotos (c)Pérola de Cultura

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Aquilo que irrita a Ana é o que me irrita a mim

Neste momento há duas atitudes em relação à greve que me estão a irritar. Uma é esta nova forma de estar contra mas.., ou seja, "eu sou a favor da greve mas não faço". De tão egocêntrica (porque hoje estou em grave na adjectivação), nem me apetece comentá-la. A segunda é um argumento-chavão que surge sempre nestas alturas e que é geralmente utilizado por quem não faz greves e a quem falta alguma cultura política e que é "Eles não querem é trabalhar".
Pergunto eu: qual é a pessoa que trabalha e que vai fazer greve, descontando UM DIA de ordenado, para poder simplesmente ficar sem fazer nada? Até porque quem diz que "eles não querem é trabalhar" são os mesmos que dizem "eles não fazem nada". Então, mais vale continuar a não fazer nada no local de trabalho pois pelo menos sempre se recebe o ordenado, não?

Agora quanto aos professores: nenhum professor no seu perfeito juízo faz greve por fazer, até porque a lei confere-nos o direito de pedir um dia de férias por mês e sai-nos bem mais barato.... Há quem não faça greve por convicção (poucos e eu já fui uma delas), há quem não faça por oportunismo (muitos, pois não querem perder um dia de ordenado, se a escola fechar têm uma borla sem custos, esperam que a luta dos outros depois lhes traga alguns benefícios também...), por indiferença e conformismo (demasiados, na minha modesta opinião). E ainda há os baldas (que continuam a existir) e que NUNCA tomam nenhuma atitude tão extrema como fazer uma greve, até porque convém-lhes não chamar a atenção enquanto vão passando "por entre os pingos da chuva").

A minha decisão de fazer greve custou-me "horrores", "engoli paletes de sapos", porque estou francamente farta dos sindicatos e de como subordinam as "lutas" às suas agendas políticas, porque não tem sentido nenhum convocar uma greve para depois da aprovação do orçamento, porque fico verde só de pensar no dinheiro que o estado vai pôr ao bolso à minha pala. Mas decidi que faço greve porque não há-de ser por mim que o virá a ouvir dizer que afinal as pessoas até concordam e aceitam estas políticas, porque quero que para os meus alunos e para os EEs fique bem patente a minha discordância e revolta com esta situação e porque quero continuar a andar de cabeça bem erguida sem ter contribuído com um pingo que seja para abalizar esta cambada de "Dantas" que se apoderou do país.

Ana Mendes da Silva, professora

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Porquê fazer greve


"Entre as k-7′ mais repetidas contra as greves está o clássico “não querem é trabalhar“. Faz parte do álbum ”A minha política é o trabalho“, música habitual com que se dança a lógica do deixar a política aos outros, e cada um que trate da sua vidinha.

A política não é dos políticos, é nossa. É monopólio dos que vivem da política, para os seus negócios, os seus favorecimentos, as suas aldrabices, porque deixamos.

Fazer greve é muito mais que um direito. Não é um acto de preguiça, quem faz greve (e todos, sindicalizados ou não, a podem fazer) prescinde de um dia de salário para falar. Para dizer que chega, que estamos fartos dos roubos, dos bancos que mandam na economia e aumentam os seus lucros, das grandes empresas que fogem dos impostos, dos que à custa do trabalho alheio acumulam fortunas.

Quando fazemos greve ao menos eles reparam numa coisa: fazemos falta. É com o nosso trabalho que eles ganham a vida. Vamos deixá-los engarrafados, sem almoço, sem as ruas limpas, sem o “muito obrigado senhor doutor” com que lhes alimentamos a vaidade. Vamos fazer-lhes a vida negra, nem que seja só num dia. É pouco, mas é melhor que nada."

Publicado em 23-11-2010 por João José Cardoso em AVENTAR

Inconstitucionalidade da redução salarial

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

A felicidade é um estado imaginário

Ilustração de Richard Câmara
«Você é feliz?

Não, não perguntei se você está feliz, perguntei se é. A diferença não é pequena e não é apenas semântica. A maioria das pessoas dá pouca importância à felicidade. Estamos todos mais preocupados com coisas menores, como a alegria, por exemplo. A humanidade deseja-se alegre, o ser humano tem uma infinita vocação para se tornar numa hiena bêbada.
Um poeta já disse: a felicidade é um estado imaginário. Leio com frequência posts no Facebook de gente que se diz feliz e a desejar a felicidade dos outros. Não me leve a mal, nada tenho contra isso. Apenas me pergunto: é possível ser normal e feliz ao mesmo tempo? Ou será verdade que só os loucos são felizes?
A questão da felicidade é mais ou menos nova para a nossa civilização. Até há pouco tempo, estávamos mais preocupados em encontrar batatas para comer, viver até aos 30 e não ser queimados pela Inquisição.
Agora, com a vida estendida pela medicina, é que temos tempo para reflectir sobre coisas como a felicidade. Ou se a luz se apaga quando fechamos a porta do frigorífico. Adiante.

Preocupado com o tema, fui conversar com o meu tio Olavo. O velho, ajudado pela sua infinita colecção de achismos e citações, deu-me as seguintes respostas:

"Tio Olavo, o que é a felicidade?"

"Felicidade é ter uma família grande, amorosa, cuidadosa, que se preocupa consigo e está bem unida, só que em outra cidade."

"Só isso?"

"Bem, a felicidade está nas pequenas coisas: um pequeno iate, um pequeno Rolex, uma pequena mansão, uma pequena fortuna..."

"É uma questão de dinheiro, portanto."

"Para falar a verdade, nem tanto. Devo admitir que há coisas mais importantes na vida do que ter um pouco de dinheiro. Ter muito dinheiro, por exemplo."

"A idade traz a felicidade?"

"Às vezes. A felicidade é, no fundo, uma questão de ter boa saúde e péssima memória."

"Teve uma vida feliz?"

"Acho que sim. Se eu tivesse de viver a minha vida outra vez, cometeria os mesmos erros, só que mais cedo. Aliás, não leve a vida tão a sério: ela não é permanente."

"Que conselhos daria para quem deseja uma vida mais feliz?"

"Escreva diariamente o seu próprio horóscopo. Pare de se achar o centro do universo. Principalmente porque, quando você morrer, o sucesso do seu funeral vai depender apenas do tempo que fizer. Diariamente, sorria e diga ''olá'' a pelo menos cinco estranhos que encontrar na rua. Esqueça todos os rancores, perdoe todos os inimigos. Se conseguir fazer isso, diga-me como."»

Edson Athayde, publicado em 20-11-2010 no Jornal i

Escrever à mão ou no teclado? Eis a questão


  

Debate-se aqui essa questão. Há medicos que defendem o abandono do uso dos computadores.

De colegas professoras do primeiro ciclo do ensino básico ouvi muitas queixas sobre o computador Magalhães na sala de aula, cujo uso quase em exclusivo, a breve prazo se traduz numa grande dificuldade em ensinar as crianças a escrever à mão. Acredito que se ganhe facilmente dependência do teclado, até porque, com a luz radiante que emite, as cores, as barras e as janelas, convenhamos, que para uma criança, se pode tornar muito mais apelativo do que uma simples página de caderno.

Confesso que desde sempre senti fascínio pelos cadernos, livros e revistas e ainda hoje retiro grande prazer da escrita à mão, infelizmente cada vez menos frequente. A brancura imaculada de um caderno, o seu cheiro e o seu toque, a maciez da caneta que faz nascer a escrita, construída pelo movimento da mão em sucessivos arabescos, são algo que nada substitui.
As conexões intectuais da escrita manual não são entrecortadas pela busca sucessiva das letras no teclado e tudo parece ganhar uma textura mais uniforme.

Porém, não poderia abandonar a escrita no computador. Nada como ele nos permite tantas correcções em tempo mínimo, a substituição de páginas ou documentos por inteiro, ou a inserção de excertos, imagens ou hiperligações. Concordo, contudo, que se evite o seu uso excessivo pelas crianças, antes de estas obterem um bom domínio da escrita manual e conseguirem estruturar uma caligarfia própria. Ainda continuo a sofrer muito com a correcção das provas escritas dos alunos cuja escrita é de difícil decifração e manifesta uma ausência quase total de treino de caligrafia.

domingo, 21 de novembro de 2010

Fim de fim de semana (sem whisky)



Não é extraordinário que um grupo de rock como os Doors, se ponha a tocar música de Kurt Weil?

A inteligência dos números


Olhando para a página de edição deste Blogue, constatei com um misto de estupefacção e curiosidade que já publiquei 1500 posts, muitos deles com textos originais, em 21 meses. Além disso, reparei que tenho 111 seguidores.

Podem ser estabelecidas as seguintes relações numéricas:

- 1500 é divisível por 3 ( 1+1+1 - 111 seguidores ), o resultado é 500, que é igual a 5x100, sendo 5 o número de dedos da mão e 100 igual a 10 (a base do sistema decimal) ao quadrado.

- o número de visitas de páginas específicas é 55222. Assim: 55 é 5 vezes 11 e 222 é 2 vezes 111!

- 21 (meses) também é divisível por 3; o resultado é 7, um número primo e símbolo da Deusa Minerva, aquela que não tinha pais nem filhos, pois o número sete não depende de nenhum produto, nem gera nenhum número dentro da "tetraktys da década" de Pitágoras.

- e enfim, 1500 foi o ano em Pedro Álvares Cabral chegou ao Brasil, país de onde vem o maior número de seguidores do Blogue!

E agora, digam-me lá que não há coincidências do arco da velha!

Cenas dos CEF


Escola manda turma inteira reflectir em casa

"Estudantes alegam ter sido suspensos sem processo disciplinar pela escola da Levada.
A direcção da escola diz que tomou a medida na sequência de um mais um episódio de "instabilidade".

Uma turma de 18 alunos foi mandada para casa "reflectir sobre o seu comportamento", segundo a directora da Escola Básica e Secundária Dr. Ângelo Augusto da Silva, ou "suspensa sem processo disciplinar", de acordo com a versão dos estudantes.

Eram cerca das 10h30 de ontem quando uma professora do Conselho Executivo da Escola, acompanhada pelo director de turma, e mandou a turma parar a aula do Curso de Educação e Formação em Assistente Administrativo, que está inserido no ensino alternativo e dá equivalência ao 9º se concluído com aproveitamento.

Aos alunos, que estavam a fazer uma ficha de trabalho, foi ordenado que colocassem os cartões de estudante sobre a mesa. Depois da recolha e contagem destes, foram mandados sair da sala e acompanhados até ao portão de entrada do estabelecimento de ensino. "Não estava a acontecer nada de anormal", disse uma aluna, reconhecendo que o ambiente na sala de aula "já foi pior noutras situações".

"Estão suspensos. Voltem na segunda-feira para uma reunião de turma, onde vamos decidir se este curso vai continuar", terá dito, segundo a mesma aluna, o membro do Conselho Executivo (CE) que mandou parar a aula. Os alunos ouvidos pelo DN mostram-se preocupados com este cenário, dado que não querem ser obrigados a começar o 8.º ano de novo.

"Não foram expulsos nem suspensos", assegurou-nos, depois de confrontada com esta situação, Maria Gorete da Silva, presidente do CE. "Foram mandados para casa reflectir", esclareceu, justificando que a decisão está prevista no regulamento escolar e foi tomada com base na "instabilidade que estavam a manifestar" na sala de aula. Ironicamente, na aula seguinte, a turma ia ter um teste no âmbito da disciplina Cidadania e Mundo Actual.

Maria Gorete da Silva declinou entrar em pormenor sobre os comportamentos que motivaram a medida porque, sublinhou, "são assuntos internos da escola". Contudo, quando instada a comentar o descontentamento de alguns alunos, e respectivos encarregados de educação, por a medida ter feito com que os 'justos pagassem pelos pecadores', a responsável foi lacónica na resposta: "Não, eles alinham todos".

"Esta turma tem um elenco de luxo em termos de professores mas eles criaram uma má relação com os professores todos", acrescentou, observando que a medida tinha de ser tomada porque ainda "estamos no primeiro período" e é preciso "fazer cumprir desde já os regulamentos e objectivos do curso."

DN – 20/10/10

Aluno leva facada à porta da escola


Violência na Secundária Seomara da Costa Primo.
"Rapaz de 17 anos foi atacado por colegas à saída das aulas. Cercado por um grupo de dez jovens e pontapeado, acabou esfaqueado nas costas."

Correio da Manhã, 20.11.10

Que segurança temos e têm os nossos filhos e alunos?
A Direcção não comenta e lá dentro, ninguem comenta, têm medo de falar.
Isto realmente está irreconhecível, a vida na escola tal como a vivemos há muitos anos.
Isto já ultrapassa o bulying, já é criminalidade.
E quem cala consente!

(Recebido por e-mail de pessoa identificada)

sábado, 20 de novembro de 2010

Bento XVI fez uma pirueta com o preservativo

(Cartoon de António)

Ratzinger finalmente acordou? É inacreditável!
Estava eu a tentar digerir as últimas sobre a Cimeira da NATO, eis que sou surpreendida com a notícia (confirmada em dois canais e mais num jornal) de que o Papa Bento XVI aceitou finalmente o uso do preservativo.
Contrariamente a tudo o que tinha vindo a afirmar até agora, assim como os antecessores da sua Igreja, para quem o único método contraceptivo admitido até hoje era a abstinência, Bento XVI declara a um jornalista alemão que "se for para controlar a propagação da infecção pelo virus da SIDA, sim", é legítimo usar o preservativo. Mas vai mais longe ao referir que "esse pode ser um passo em frente para se viver uma sexualidade mais humana"!
Por este andar, ainda vai acabar por reconhecer a necessidade de acabar com a obrigatoriedade do celibato dos padres.
É caso para até eu dizer: haja Deus! Antes tarde do que nunca...
O que não se sabe é qual irá ser a reacção dos sectores mais conservadores do Vaticano (o ex-Cardeal Joseph Ratzinger, hoje Papa, pertencia à ala mais retrógrada), a estas declarações, ainda por cima no dia de hoje, em que foram entronizados 24 novos cardeais...
Não será isto bom demais para ser verdade?
O Vaticano esclarece as possíveis dúvidas quanto ao sentido das afirmações do Papa aqui.
D. Januário Torgal Ferreira, bispo das Forças Armadas disse à Lusa que "rejubilou" com esta notícia e que os católicos há muito tomaram esta medida por uma questão de responsabilidade ética.

Dia Mundial da Criança


A UNESCO definiu o dia 20 de Novembro, embora em Portugal seja costume assinalar a 1 de Junho.

O sorriso da inconsciência...


... ou talvez da incapacidade para delinear reais soluções para a Paz.
Não consigo compreender como é que a Guerra pode ser uma solução de Paz.
Argumentam-me com as bombas de Hiroshima e Nagasaki, que "foram a forma de acabar com a II Guerra", etc. Ok, posso até compreender, o que não é igual a aceitar esse facto como "solução". 
Mas, caramba, nada é igual e já passaram mais de 60 anos! Hitler já não existe e os talibans são outra tropa, com outro ideário e outras componentes. A taxa de analfabetismo no Afeganistão é enorme, as mulheres têm menos direitos do que o cão ou a cabra e o estado é dominado pelo Islão.
É prolongando a estadia das tropas da NATO no Afeganistão, e até aumentando os seus contingentes que se vai consegui uma solução para a Paz? Se os próprios cidadãos do país não se entenderem e nada fizerem para a construção de um regime democrático intra-muros, são os de fora que lho conseguem impor pela força de uma ocupação prolongada? Não me parece, mas deve ser incapacidade minha para compreender os senhores do mundo e a sua intelligenzia

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Frei Fernando Ventura em discurso ácido

"Continuamos a ser os limpadores do mundo. Acordem senhores! Estamos numa barraca com submarino à porta!"

Passageiros clandestinos


É o caso dos não grevistas que beneficiam da luta dos outros sem perderem o salário

(Há) "um grupo, não negligenciável, de cidadãos, que se arrogam no direito de assobiar para o lado, como se nada de importante se estivesse a passar. Esse grupo de cidadãos é o exemplo típico do que o economista Macur Olson caracterizou como "passageiro clandestino" na sua obra "The Logic Of Collective Action". "

Ler no Diário de Notícias 16-11-2010 - por Marília Azevêdo

Exames de Filosofia podem ser repostos

"A disciplina de Filosofia deverá voltar a integrar, já no próximo ano lectivo, o lote de exames obrigatórios para a conclusão do ensino secundário. Esta foi a garantia que o Ministério da Educação deu à Sociedade Portuguesa de Filosofia, indicou ao PÚBLICO o seu presidente, Ricardo Santos." 

(Na imagem: representação de Hypatia de Alexandria dando uma aula no filme "Ágora")

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Mercúrio no bigode de Tycho Brahe


Após 400 anos a hipótese de envenenamento do astrónomo dinarmarquês ganha nova consistência. A descoberta de mercúrio no seu bigode há 20 anos relança a polémica sobre os responsáveis da sua morte.
(Ler a notícia aqui.)

Recordo que o mesmo metal pesado foi a presumível causa de loucura de Isaac Newton, físico inglês da mesma época. Físicos, químicos, astrónomos, ou alquimistas?

O pénis de Marte e a mão de Vénus


Apesar das restrições orçamentais para a conservação do património artístico, Berlusconi mandou fazer um restauro que custou 70 mil euros: é que se tratava de repor o pénis de Marte e a mão de Vénus no conjunto escultórico em homenagem a Marco Aurélio e a sua mulher Faustina (imperador entre 161 e 180 d.C.).
Crise sim, mas mãos e pénis à parte dela!

(Ler a notícia aqui.)

O golpe militar de Pinochet teve o apoio dos EUA


Milhares de documentos existentes em Santiago do Chile parecem não deixar margem para dúvidas.
(Ler a notícia aqui).

Agora, a poucas horas da chegada a Lisboa dos senhores da guerra, convém reflectir sobre o papel que efectivamente os EUA têm tido no sentido da Paz e da Democracia no mundo.

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

ADD - é este um modelo simples, claro e sério?

Foto: (c)Pérola de Cultura

Acerca da simplicidade de um modelo de avaliação e da seriedade da sua concretização

"Começando por um resumo: o novo modelo de avaliação do desempenho docente é composto por 39 indicadores que, segundo o Ministério da Educação, traduzem a operacionalização do desempenho docente em evidências. Esses 39 indicadores reportam-se a 11 domínios que, por sua vez, são a operacionalização, em planos mais restritos, das 4 dimensões caracterizadoras da actuação profissional do docente. Os 39 indicadores referem-se a 5 níveis. Cada um destes níveis tem múltiplos descritores — no total, são 72.

A contabilidade final é: 4 dimensões, 11 domínios, 5 níveis, 39 indicadores, 72 descritores.
Além destas dimensões, destes domínios, destes níveis, destes indicadores e destes descritores, existem ainda os documentos operacionalizadores que cada escola produz para operacionalizar a operacionalização que o Ministério da Educação diz ser feita pelos 39 indicadores. O número e a variedade destes documentos varia de escola para escola.

Por fim, ainda faz parte deste modelo, o relatório de auto-avaliação. Este relatório divide-se em 6 partes, uma das quais subdivide-se em mais duas. Neste relatório, elaborado de dois em dois anos, o docente tem de realizar um auto-diagnóstico relativamente a cada um dos quatro domínios de avaliação; tem de fazer uma descrição da actividade profissional desenvolvida; tem de revelar o contributo que deu para a prossecução dos objectivos e metas da escola; tem de fazer uma análise pessoal e um balanço do trabalho que desenvolveu em função dos padrões definidos pelo Ministério da Educação e em função dos objectivos e metas do projecto educativo da escola; tem de mostrar que fez formação contínua e, finalmente, tem de identificar, fundamentadamente, as suas necessidades de formação para o seu desenvolvimento profissional.

Acrescenta-se que, relativamente à revelação que o professor tem de fazer acerca do contributo que deu para a prossecução dos objectivos e metas da escola, tem de apresentar evidências para cada um dos domínios de avaliação. Como existem 4 domínios e como para cada domínio podem ser apresentadas 4 evidências, o professor poderá/deverá apresentar 44 evidências.

E o que é uma evidência? Uma evidência é o seguinte conjunto de elementos: a identificação da actividade ou tarefa realizada, o enquadramento dessa actividade ou tarefa no projecto educativo e no plano anual e plurianual de escola, a identificação dos destinatários dessa actividade ou tarefa, a explicação do processo de desenvolvimento dessa actividade ou tarefa, a indicação das metodologias utilizadas nessa actividade ou tarefa, a explicação das estratégias seguidas nessa actividade ou tarefa, a apresentação dos resultados obtidos nessa actividade ou tarefa e a sua apreciação e, se for caso disso, diz o Ministério da Educação, deve ser incluído o respectivo grau de cumprimento dessa actividade ou tarefa, face aos objectivos individuais apresentados.

Genericamente, sem descer à análise do conteúdo de cada uma das 4 dimensões, de cada um dos 11 domínios, de cada um dos 5 níveis, de cada um dos 39 indicadores e de cada um dos 72 descritores, este é o modelo, considerado pelo Ministério da Educação, simples e claro para a avaliação do desempenho dos professores.

Vem a propósito lembrar que para levar à prática este modelo de avaliação não houve qualquer formação. 99% dos professores que vão ser avaliadores não receberam nenhuma preparação séria, não tiveram nenhuma formação de média ou de longa duração que os capacitasse minimamente para o exercício das funções que vão desempenhar. Significa isto que, para além de se persistir num modelo de avaliação inoperacional — pela sua objectiva desadequação, pelo seu irrealismo, pela sua burocratização — é improvisadamente que se parte para a sua concretização. Brinca-se com o profissionalismo de milhares de docentes, brinca-se com as implicações que uma avaliação mal feita e amadoristicamente realizada tem na vida dos professores.

A leviandade domina e a farsa continua em andamento."

Publicado por Mário Carneiro in O Estado da Educação e do Resto

Ainda há por aí na esfera docente quem tenha dúvidas acerca do inferno que este processo vai em breve constituir naquilo que deveria ser a vida normal dentro das Escolas? 

Nova biblioteca de Alexandria

Este é o novo complexo cultural da Biblioteca de Alexandria, no Egipto, de autoria dos mesmos arquitectos da Opera House de Oslo.

terça-feira, 16 de novembro de 2010

De faca na liga...

Emídio Rangel condenado por chamar "hooligans" aos professores?


«Eles aí estão, em estágio. Faz-me lembrar os hooligans quando há uma disputa futebolística em causa. Chegam pela manhã em autocarros vindos de todo o país, alugados pelo Partido Comunista. Confesso que tenho vergonha destes pseudo professores, que trabalham pouco, ensinam menos, não aceitam avaliações e transformam-se em soldados do Partido Comunista, para todo o serviço», escreveu, sob o título “Hooligans em Lisboa” , o jornalista Emídio Rangel.

"O TIC de Coimbra entendeu tratar-se de «um discurso manifestamente desproporcional, lesando a honra e consideração dos assistentes». «De facto, para opinar sobre a manifestação, não podia o arguido ofender os assistentes da forma como o fez. Entende-se que, neste caso, pretendeu-se desconsiderar, humilhar e rebaixar os professores que integravam a manifestação em causa. Entende o tribunal que as expressões em causa ultrapassam os limites do direito de expressão, sendo ofensivas da honra e consideração dos assistentes», lê-se no despacho de pronúncia.

(...) «Deve o arguido ser pronunciado por dois crimes, mas de difamação, tal como vem acusado pelos assistentes e não de injúrias, como consta da acusação do Ministério Público, uma vez que as expressões em causa não foram dirigidas directamente aos assistentes, mas a terceiros através da comunicação social. E por terem sido divulgadas desta forma e ainda pelo facto dos assistentes serem docentes, encontram-se os crimes agravados nos termos constantes das acusações», concretiza a pronúncia."

Leia a notícia completa aqui.

Na altura em que a crónica difamatória saiu no Correio da Manhã fiquei pouco menos que possessa e mandei a notícia para tudo quanto era sítio, incluindo os Sindicatos.
Finalmente, quem acabou por processar Rangel foram dois professores do ensino básico e secundário, sócios do Sindicato dos Professores da Região Centro.
Às vezes ainda se faz justiça. Este há muito que andava a pedi-las. Finalmente, haja um pouco de decoro e sejam punidos os boçais deste calibre.

sábado, 13 de novembro de 2010

Fenprof recorre ao tribunal alegando ilegalidades na avaliação


Notícia no SOL.

Tacci desenha a Pearl


O amigo e colega Tacci, do Blogue "Portugal, caramba!" fez a gentileza de me enviar a aguarela que aqui reproduzo, que, do meu ponto de vista, é lindíssima!
A Pearl em conversações com a Mafalda, ("com a devida vénia ao Quino", diz o Tacci), certamente ouvindo os seus sábios conselhos, é uma ideia que se conjuga na perfeição com a linha um tanto irreverente deste Blogue.

Da ideia do João Amaral de juntar a visão da Musa da Pérola de Cultura imaginada por vários artistas do pincel, têm surgido coisas verdadeiramente surpreendentes.
Depois das magníficas colaborações destes colegas bloggers, estas páginas nunca mais serão a mesma coisa.
Obrigada, Tacci! Um abraço.
A Mafalda vai adorar e a Pearl também!

Birmânia imita a China na falta de respeito pelos direitos humanos?


"A opositora do regime birmanês e Prémio Nobel da Paz Aung San Suu Kyi foi libertada este sábado após sete anos de prisão domiciliária, anunciou um responsável birmanês (...).
Nos últimos 21 anos, Aung San Suu Kyi esteve presa 17 anos, sem acesso ao exterior, sem telefone, televisão e Internet e sem poder receber visitas."

In TSF Notícias

As mesmas causas nas mesmas condições produzem fenómenos idênticos.
Devo ter assimilado este principio quando ainda estudava Física. Penso que ele se pode aplicar também à Filosofia Política, ao Direito e à Jurisprudência.

Quero eu dizer:
- se na China ainda recentemente ouvimos dizer que o Prémio Nobel deste ano está preso por associação a um movimento que exigiu a democracia naquele país;
- se a sua mulher está em prisão domiciliária, sem contactos e sem visitas;
- se muitos cidadãos chineses, democratas e activistas pela Paz estão presos, desaparecidos ou refugiados;
- se a ex-prisioneira birmanesa, agora libertada, também ela Prémio Nobel da Paz, vai continuar a ser vigiada e a ter os seus movimentos controlados, então de que serve a sua libertação? Qual o seu real significado?

Pouco conheço sobre a Birmânia, mas para já, a falta de democracia e respeito pelos direitos humanos parece uma evidência. Tristemente parecida com a China.

Da APEDE


Por que vale a pena lutar contra o actual modelo de avaliação dos professores

"No seguimento do “post” anterior, importa sublinhar que o actual modelo de avaliação do desempenho docente representa a porta maior por onde penetraram nas escolas as formas de regulação empresarial do trabalho.
É ver a fixação obsessiva de metas, de objectivos, de resultados, de percentagens a atingir.
É ver as fichas e as grelhas, sempre surreais, que o Ministério da Educação, e os seus mais zelosos cães-de-fila no interior das escolas, continuam a despejar sobre os professores.
É ver como todos estes novos dispositivos de controlo e de opressão acrescentam stress à já stressante vida profissional dos professores.
É ver o impacto que tudo isso está a ter no relacionamento, cada vez mais azedo e competitivo, entre colegas, lançados uns contra os outros numa lógica do «salve-se quem puder», reduzidos ao cálculo individualista de defesa dos seus lugares.
É ver como isto reintroduz hierarquias e assimetrias espúrias entre trabalhadores de uma mesma profissão.
É ver como tudo isso torna os professores mais exauridos e infelizes no exercício do seu trabalho.
Será que isto não chega para se restabelecer a luta contra este modelo de avaliação?"

Publicado por APEDE em 13/11/2010

Week-end tube - Gwyneth Paltrow


Isto de dormir com Chris Martin não poderia deixar de trazer consequências, para além daquelas que já se conhecem, (Apple e Moses, na imagem).

Se dos romances tórridos e bem conhecidos com Brad Pitt e Ben Affleck parece não ter restado grande coisa para além das mágoas, com Chris Martin, Gwyneth parece ter não só encontrado a felicidade, como também desabrochado enquanto artista de múltiplos talentos.

Ao protagonizar um filme onde interpreta uma cantora country, Country Strong, Gwyneth Paltrow canta e bem. Eu diria que para mulher do vocalista dos Coldplay, está completamente à altura de partilhar um palco com ele.
 
Leia mais aqui.

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Blogoteca


Pedro Domingues, jovem aluno de Artes, vê assim a Pearl.
Em vez de um computador, a imagem da Blogger ficará para sempre colada aos livros. 
O seu cenário eleito parece ser uma biblioteca, com as cores da República e o pôr-do-sol a espreitar tímido.
Como o sorriso deste excelente e inesquescível aluno, hoje amigo, e colaborador deste Blogue.
No futuro, este artista será também arquitecto. (E ainda colaborador deste Blogue... espero!)
Obrigada, Pedro, a imagem é encantadora. Acho que a Pearl irá certamente rever-se nela. 

Este desenho vai assim juntar-se à galeria de imagens da Pearl, a Musa deste Blogue, que conta já com as criações de João Amaral, José Ruy e Ema .

Professores ameaçam entupir tribunais


"Fenprof criou departamento só para preparar acções, do Constitucional a providências cautelares. Blogue A Educação do meu Umbigo revelou parecer de Garcia Pereira."

Leia aqui.

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Pearl da Em@


A amiga e blogger Ema, pintora e poetisa, acaba de criar uma Pearl especial para a Pérola de Cultura.
Esta foi a terceira forma como a Musa da Pérola de Cultura foi imaginada pelos meus amigos artistas.
A sua Pearl é uma versão mística: fada, musa, ou deusa, ela emana luz, poder e a magia da Natureza. 
Visitem o seu Blogue, Em@, a Preto e Branco ou a Cores e deliciem-se com as suas criações.
Obrigada, Em@. Beijo grande do coração. E uma festa no meu afilhado Misty, o teu gato sagrado.

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Ministério da Educação continua sem esclarecer muitos aspectos da avaliação dos professores


Foto: (c)Pérola de Cultura

"A implementação do modelo de avaliação dos docentes está a gerar grandes confusões nas escolas. Para além da inadequação e complexidade do modelo, bem como do seu carácter não formativo – que lhe retira ainda mais sentido com o anunciado congelamento das progressões na carreira – acresce a falta de orientações claras quanto a procedimentos a adoptar pelos professores. Por exemplo:

Avaliação de coordenadores e relatores

A FENPROF solicitou informação ao ME sobre se os coordenadores de departamento e relatores podiam requerer observação de aulas, visto que a legislação admite a sua dispensa, mas a isso estão obrigados no acesso ao 5º escalão e dela necessitam para eventual dispensa de vagas no acesso ao 7º.

O ME respondeu que, embora dispensados, nada os impedia de requererem a observação de aulas.
Confrontado com um óbvio “conflito de interesses” por, ao requerem observação de aulas, os docentes avaliadores ficarem sujeitos às mesmas quotas dos seus avaliados, o ME apenas referiu que seria publicada legislação para resolver tal problema. Essa legislação ainda não existe, desconhecendo-se qualquer projecto nesse sentido.

Outra questão colocada foi a da legitimidade de um docente com funções de avaliador (relator ou coordenador), sendo avaliado negativamente na observação de aulas, poder e ser competente para observar e avaliar as aulas de outros colegas. Sobre isso, o ME apenas referiu que é diferente ser avaliado de ser avaliador, admitindo, implicitamente, que um mau professor pode ser um óptimo avaliador dos seus colegas.

Progressão de docentes, aos 3º, 5º e 7º escalões, até 31 de Dezembro de 2010

Já em relação à progressão de docentes até 31 de Dezembro de 2010, o ME admite, em resposta dada a directores de escolas, que o acesso aos 3º, 5º e 7º escalões poderá fazer-se através do processo de “apreciação intercalar”. Só que, ninguém sabe porque não se esclarece:

1º- Se a observação de aulas exigida para acesso aos 3º e 5º escalões é a do biénio 2007/2009 ou a que o docente requereu para o biénio em curso e, nesse caso, se termina em Dezembro de 2010 ou se prolonga até Agosto 2011.

2º- Já em relação ao acesso aos 5º e 7º escalões, tendo de se sujeitar a vagas os docentes avaliados de Bom, o ME não esclareceu se essas decorrem das classificações atribuídas em 2009 ou das que serão atribuídas em 2011, logo não se sabe quais as vagas, quantas e obtidas com que critérios.

Nomeação de Relatores

Segundo a lei, os relatores deverão ser do grupo de recrutamento dos avaliados. Só que, em muitas escolas, tal não é possível por não haver professores do quadro no 4º escalão ou, excepcionalmente, no 3º. De acordo com informação interna enviada às escolas, em 26 de Julho, p.p., deverão as escolas propor como fazer! Ou seja, na impossibilidade de ser cumprida a lei, o ME remete para as escolas a decisão o que muitas não estão a aceitar fazer e outras aproveitam para agir de forma absolutamente arbitrária.

São questões destas que, entre muitas outras, continuam por esclarecer e estão a criar uma crescente insatisfação nos docentes, fruto de não obterem resposta às suas dúvidas, pois as escolas apesar de tentarem saber, pelas DRE’s, qual o procedimento adequado não obtêm qualquer resposta. Desse silêncio, poderão resultar prejuízos efectivos para os docentes em avaliação e progressão na carreira.

Não tarda está o 1º período lectivo terminado e o ME, completamente “às aranhas”, continua sem saber o que fazer ou, se sabe, sem informar as escolas. É neste quadro tão confuso que a FENPROF entende que este modelo de avaliação deverá ser imediatamente substituído, sob pena de, não só não cumprir os objectivos a que se propõe, como de constituir uma nova e grave dificuldade que se coloca às escolas e ao seu normal funcionamento."

O Secretariado Nacional da FENPROF

A Pérola de Cultura vista por José Ruy


Inspirada pela dica que o João Amaral deixou aqui, lancei o desafio a outros desenhadores amigos para imaginarem a Musa da Pérola de Cultura.
O amigo José Ruy, pessoa de rara sensibilidade e imaginação, pegou na imagem da Pearl feita pelo João e fez esta pequena maravilha, que generosamente me enviou e me deixa encantada.
Obrigada José Ruy, mestre de todos nós, a sua imagem de marca ficará, tal como a do João, para sempre como página dourada deste Blogue.

Chocolate raro e caro como o caviar

  
Dentro de 20 anos, o chocolate, um produto relativamente acessível e generalizado hoje, poderá tornar-se raro e caro, como o caviar, dada a diminuição da produção do cacau em África e o seu elevado consumo.

O chocolate e todos os produtos à base de cacau, pelas suas características energéticas, anti-depressivas e estimulantes, entrou rapidamente nos hábitos alimentares dos europeus, alguns dos quais já são dele tão dependentes como do café.

Há que falar também de toda a simbologia social associada aos chocolates, com toda a carga afectiva e social de um presente verdadeiramente mimoso. Para uma saída glamorosa, um Natal ou aniversário, uma conquista em perspectiva, ou simplesmente para agradecer um convite para jantar em casa de alguém, lá vão os chocolatinhos, cada um mais elaborado do que o outro.

As marcas oriundas da indústria Suiça ou dos processos mais artesanais das chocolateries francesas e belgas tradicionais, competem entre si pela melhor ganache, praliné ou os bombons aromatizados com finos licores e embalagens de sonho! 

Poderemos passar bem sem chocolate? Sim, se tivermos ainda o café, mas não é a mesma coisa!

Leia a notícia aqui.


A escola de hoje - Maria João Lopo de Carvalho

(Clique para ampliar e leia)

Enviado por: O Que Não Sabe Pensar

terça-feira, 9 de novembro de 2010

Espuma do teu mar

A domesticação da sociedade ou as subjectividades obedientes


(Clique sobre a imagem para ampliar)

...esta foi a técnica que Bush utilizou para iniciar uma guerra. Tantas vezes disse que existiam armas de destruição massiva que a opinião global acabou por aceitar a invasão de um pais pela força, como o fazíamos há 500 anos. Está provado que, após uma insistente afirmação de uma mentira, esta passa a ser a verdade (explicado no livro "1984" de George Orwell). Estou convencido que os governos do Sócrates utilizaram deliberadamente esta estratégica.

Convém recordar, a propósito deste artigo de José Gil, o comentário publicado aqui.

O Que Não Sabe Pensar

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Prémio

O amigo e colega Donatien Alphonse François ofereceu-me gentilmente este prémio. Já o tinha, mas manda a boa educação que o agradeça publicamente e o repasse a outros Blogues, o que é tarefa mais demorada. Ficará para melhor ocasião.
Um abraço reconhecido ao Donatien.



Os raios X têm 115 anos





"X-rays were first discovered in 1895 when, during experiments with electric currents passed through a vacuum tube, Wilhelm Conrad Röntgen noted that a nearby fluorescent screen glowed when the current was being passed. When the current was switched off the screen stopped glowing. He attributed this effect to previously unknown rays which, X being the symbol for an unknown quantity, he called X-rays."


Hypatia de Alexandria

A última filósofa da era Helenística foi brutalmente assassinada pelos cristãos de Alexandria. Barbaridade!



Blue Moon



Isto é a falta da luz do luar. Sem a Lua a brilhar no céu sinto-me às escuras...

E, a pedido...

domingo, 7 de novembro de 2010

A Pérola de Cultura tem finalmente uma Musa


É da autoria do desenhador e amigo João Amaral e chama-se Pearl.
Foi-me dada como um presente personalizado neste último fim-de-semana do Festival de Banda Desenhada da Amadora e será a partir de agora o rosto oficial da Pérola de Cultura.

Foi assim que o João imaginou a Blogger: morena, de formas redondas, visivelmente intelectual, a julgar pelo livro volumoso, e míope. 
Quanto à franja, bom, essa faz lembrar a Valentina do Guido Crepax. Mas essa, de intelectual não tinha muito, os atributos eram outros... lembram-se?

A Pearl, verão, vai ainda revelar muitas coisas da sua vida e sonhos neste Blogue. Wait and see...
Obrigada João, pelo contributo que deste ao Blogue, criando a imagem da sua Musa!

Week-end tube



Façam a leitura que se impõe


Rank WordPress.com Score Author Topic

1 citizenwells.wordpress.com 206361 Citizen Wells Legal/Current Events

2 riverdaughter.wordpress.com 171672 RD Politics/Current Events

3 rebloggingns.wordpress.com 166652 Reblogging Staff Pop Culture/Gay Issues

4 aculturedleftfoot.wordpress.com 166082 Yogi’s Warrior Arsenal Football Club (Soccer)

5 educar.wordpress.com 137065 Paulo Guinote


Tchim, Tchim, à nossa, parece que, afinal, os professores portugueses ainda estão vivos!
Só é preciso que não deixem de existir alguns que não temem ir para os cornos do boi dizer umas quantas verdades oportunas...

sábado, 6 de novembro de 2010

Rostos da manifestação












Fotos: (c)Pérola de Cultura

Professores ‘dominam’ manifestação

"Os professores foram o grupo mais numeroso na manifestação da Frente Comum dos Sindicatos da Administração Pública, que juntou ontem, em Lisboa, cerca de 100 mil pessoas (segundo os sindicatos), entre as quais se fizeram notar os reformados, médicos, enfermeiros e polícias, contra as medidas de austeridade do Governo."

Correio da Manhã