terça-feira, 27 de setembro de 2011

Raio de equinócio de outono


Nunca lidei bem com o outono. Nem no tempo em que ainda se escrevia com maiúscula.
O outono é a estação do ano em que todas as maleitas, escapando disfarçadas sob a alegria do verão, se manifestam agora com toda a sua crueldade.

Desta vez, na própria manhãzinha do equinócio de setembro, ainda antes do raiar do dia, apercebi-me de uma dor brutal num joelho, que, contra tudo o que seria conveniente e oportuno, se recusa a cooperar com os meus deveres profissionais e necessidades pessoais.

Como se de dobradiça de porta velha se tratasse, daquelas enferrujadas por muitas chuvas, o dito entrou em greve e faz questão de infernizar os meus dias, como se eu fosse algum faquir, daqueles que estão habituados a conviver com a dor e fazem dela sua companheira de eleição.

Só que a minha vocação não é essa e estou aqui que nem posso, de revolta e tristeza.
Literalmente emplastrada, aqui me quedo parada, vendo os dias murchar e escurecer. 

Nos intervalos deste miserável retiro forçado tenho interessantes encontros privados com médicos bem parecidos e da minha idade, de bata branca, a minha tão branca quanto a deles.

Em gabinetes à média-luz e com voz suave, enquanto mordisco os lábios antes mesmo de me tocarem, sugerem: "vamos então tirar as calças?"
E, continuando naquele doce sussurro: "então, vamos lá deitar aqui?"
E por fim: "está confortável?"
E eu a tudo que sim, claro.

A história não evolui como vocês têm a tendência de imaginar, mas com um grito que se me escapa furtivo e me deixa os olhos marejados de lágrimas.
E eles: "ah, pois! É aqui!". 
E eu "|!"#$%&/()=?»"!!!!!

Aos amigos (ou nem por isso) que frequentam este Blogue, lanço uma pergunta. Digam-me, por favor: se envelhecer é uma arte, onde se pode encontrar a sua beleza???

Ilustração Emmy Cicierega, The Art of Animation

domingo, 25 de setembro de 2011

Week-end tube - tema do "Eixo do Mal"



O tema musical com que o programa encerra. Gentilmente enviado por Luís Pedro Nunes.

Contradições na Arábia Saudita


O rei da Arábia Saudita concedeu o direito de voto às mulheres. Parece que também poderão candidatar-se às eleições municipais. Esta medida só peca por tardia umas boas décadas. Mas antes tarde que nunca. O que não compreendo é para que serve o direito de votar e eleger mulheres para as autarquias, se continua a existir a proibição de trabalhar, viajar, conduzir ou serem operadas sem a autorização do marido.
Não se entendem cargos os públicos como trabalho? Pois não, apenas é atribuido às mulheres um papel num conselho consultivo. 
Os direitos humanos na Arábia Saudita estão ainda muito longe do desejável, enquanto as mulheres forem encaradas como seres inferiores, propriedade de pai ou marido, subalternas e escravas. Os direitos à participação política irão certamente refletir essa desigualdade que subsiste.

Ler aqui a notícia.

Cesária Évora em estado grave


A "diva dos pés descalços", conhecida entre os seus amigos de Cabo Verde como "Cize" está, infelizmente, numa situação que inspira muita preocupação, internada num hospital de Paris, após ter sofrido dois AVCs durante a última semana.

No seu site oficial existe a lista dos concertos cancelados e outras informações sobre os últimos passos da carreira da cantora. O seu último álbum é de duetos e saiu em 2010; prevê-se que o próximo, "Nha Sentimento" saia a 26 de outubro.
Oxalá a Cize ainda possa assistir a essa saída. Fico a torcer pelas suas melhoras.

sábado, 24 de setembro de 2011

As barracas maiores da ADD ainda estão debaixo dos panos

(c) Pérola de Cultura, Alqueva, 2011 

A respeito da ADD, estou firmemente persuadida de que as dores de cabeça maiores porventura ainda estão para chegar, quando nas escolas, por mais que se tape, hão-de (forçosamente!) destapar-se as assimetrias, as injustiças e os absurdos nas classificações, só possíveis num modelo que não acautela situações de oportunismo.

Cá para nós, que ninguém nos ouve, hoje mesmo fiquei a saber que, numa escola bem conhecida neste país, e que tem professores efetivamente muito competentes, há um professor que é uma "nódoa", segundo parece rezar a fama generalizada entre os alunos.

E ai, meu Deus, os alunos!!!! Eles, neste tipo de coisas são terríveis, têm olhos de lince, e, sobretudo aos melhores de entre os melhores, não escapam os muitos e repetidos atentados pedagógicos de alguns, felizmente uma escassa minoria de docentes.

Vai daí, que, para espanto geral, o dito professor vai ter Excelente ou Muito Bom na sua avaliação de desempenho. Para isso teve o cuidado de atempadamente negociar com os alunos uma colaboração e comportamento irrepreensíveis, em troca de notas altíssimas, para que nas duas aulas assitidas que pediu, tudo corresse de forma "espetacular"! E assim foi: um espetáculo, nunca antes presenciado pelos alunos. "As duas únicas aulas decentes em dois anos", disseram os alunos, que são os nossos melhores avaliadores.

O professor avaliador, de outra área disciplinar, ficou literalmente "maravilhado" e não tem dúvidas sobre a menção a atribuir, que prometeu, será "a mais alta possível"! Ora bem, passada a conveniente encenação, tudo voltou à mediocridade habitual naquelas aulas.

O saldo é que a criatura, entre saltos e flic-flacs à retaguarda, lá conseguiu passar a brilhantina nos olhos do avaliador, esteta de expressões plásticas e não de trampolins, que vai afinfar-lhe com a menção de mérito. O dito cujo será assim glorificado por duas aulitas, e continuará no seu cinzento exercício de um mister que visivelmente não aprecia, com notas que o catapultam para um pódio superior aos comuns mortais!

Os bons professores continuarão a ser bons professores, mesmo sem menções de mérito, a estar em todas as reuniões, a preparar as suas aulas cuidadosamente e a manter uma boa relação com os alunos. Diz-me a experiência de várias décadas de ensino que só pela competência e pela dedicação os professores são merecedores do respeito e admiração dos alunos. Sempre assim foi e sempre assim será. Independentemente de qualquer sistema de avaliação de desempenho, só esses ficam na sua lembrança de forma positiva e indelével.

Os professores que todos os dias se esfalfam a trabalhar, não só nas aulas, como em casa, para ensinar os seus alunos a aprender com prazer e satisfação, e com os quais têm, efetivamente, uma relação pedagógica, muito provavelmente não andam a correr atrás de notas, mas vão ser por elas injustiçados. Numa qualquer escola perto de si.

Os buracos da ADD


Os diretores das escolas parecem não ter quem os avalie. Criou-se um vazio de poder, ou quê?
As trapalhadas somam e seguem, num processo que já nasceu mal e mesmo já defunto, ainda continua a dar barraca.

Ler aqui a notícia.

Nem Teresa Caeiro consegue acabar-lhe com os delírios?!

                                                                                                                                                         "Mas sabe-se o que aconteceu: a tentativa de impor a avaliação aos professores, esbarrou contra 300.000 nas ruas de Lisboa, toda a imprensa e toda a oposição."

Do Expresso, citado aqui.

O caso é bem mais grave do que poderia supor-se, quando a mentira, ao invés de esporádica, se torna em prática compulsiva.

Aventuras de Fred

(c) João Amaral

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Outono do nosso descontentamento

Foto (c)Pérola de Cultura, Centro Champallimaud, Lisboa 

Chega o equinócio de setembro em que o dia é igual à noite. E com ele aquela sensação angustiante de começo do fim dos dias soalheiros e compridos, o ar ligeiro, pouca roupa no corpo e sandálias (ou quase nada) nos pés. Com ele a aproximação das nuvens cinzentas e das bátegas fustigantes do outono, os ventos uivantes, prenúncio de tempestade.
O outono, que este ano precede um Natal emagrecido e frugal. Um tempo de recolhimento que já se anuncia. Em que o corpo renuncia aos prazeres estivais e se cobre, púdico, mas contrariado. É a antecâmara da longa travessia do inverno...
E o meu grande descontentamento.

O equinócio terá lugar na sexta feira, dia 23, logo após as 9 horas da manhã.

Viegas emagrece Cultura

                                                          
O Secretário de Estado da Cultura Francisco José Viegas entrou bem no espírito do tempo: tal como na Educação, aqui também se alinha nos mega-agrupamentos para poupar no orçamento. O setor da Cultura parece assim conseguir arrecadar 2,6 milhões.

Ler a notícia aqui.

Gilles Chaillet e Júlio Resende despedem-se do mundo


Gilles Chaillet, um dos maiores autores de Banda Desenhada contemporâneos, faleceu em França no dia 14, com apenas 65 anos. O desenhador, que era referência para muitos, foi cremado ontem e a sua memória honrada por aqueles que com ele privaram.
Pode saber mais sobre este autor e a sua obra aqui.



Por cá, foi o pintor Júlio Resende, do Porto, que partiu, aos 93 anos. Recorde-o aqui.

domingo, 18 de setembro de 2011

"Meia noite em Paris", nova obra prima de Woody Allen



A viagem no tempo que eu gostaria de fazer. Absolutamente imperdível!

Week-end tube - Amy Winehouse em dueto

No dia em que faria 28 anos o mundo conheceu aquela que foi a última gravação de estúdio de Amy Winehouse. Esta gravação de um dueto com Tony Bennett é surpreendente. Fiquei impressionada com a tremenda semelhança que a sua voz aqui evidencia com Aretha Franklin.

A polémica questão da autonomia das escolas

Jornal de Notícias, 17-09-2011 (clique para ampliar)

A autonomia como valor tomada no seu sentido estrito não é uma coisa má nem perigosa. Só se torna perigosa se se fizer dela um mau uso. É como a liberdade, a qual mal usada se torna em tirania sobre o próximo. A autonomia mal usada, por exemplo, por alguém desonesto ou autoritário, pode dar lugar a situações de abuso de poder e toda a espécie de favoritismos e compadrios. A autonomia das escolas, se por um lado faz falta para agilizar alguns aspectos, por outro, é perigosa. Portanto, do meu ponto de vista, só em doses homeopáticas!

quinta-feira, 15 de setembro de 2011

Kepler 16


Até agora, sistemas bi-estelares só nos filmes de ficção científica de George Lucas ou Steven Spielberg.
Mas nunca se pode garantir que a realidade um dia não se chega ao pé da ficção, tornando-a verosímil.

Leia a notícia aqui.

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

O racismo nas suas diversas facetas


Foi eleita uma estudante de raça negra como Miss Universo. Deve ser coisa rara, mas aconteceu em S. Paulo. Leila Lopes, que é angolana, viu-se poucas horas depois da sua coroação como a mulher mais bela do mundo, enxovalhada por insultos mimosos, como por exemplo que, como é igual aos macacos, podem convidá-la para o papel de filha do King Kong! Lamentável!

Ler aqui a notícia e ver aqui a fotogaleria.

Povo culto



"Os povos serão cultos na medida em que entre eles crescer o número dos que se negam a aceitar qualquer benefício dos que podem; dos que se mantêm sempre vigilantes em defesa dos oprimidos não porque tenham este ou aquele credo político, mas por isso mesmo, porque são oprimidos e neles se quebram as leis da Humanidade e da razão; dos que se levantam, sinceros e corajosos, ante as ordens injustas, não também porque saem de um dos campos em luta, mas por serem injustas; dos que acima de tudo defendem o direito de pensar e de ser digno."

Agostinho da Silva, in 'Diário de Alcestes'


Daqui.

Ricardo Silva da APEDE: na mouche

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

7 maravilhas da gastronomia portuguesa


Estes pratos tradicionais da culinária nacional foram eleitos pelo voto directo de quase um milhão de portugueses. Alguns eram previsíveis, mas outros houve, que eu esperava que fossem escolhidos, como o bacalhau, que ficaram de fora. Eis aqui a lista dos eleitos:

"Alheira de Mirandela, queijo Serra da Estrela, caldo verde, arroz de marisco, sardinha assada, leitão da Bairrada, pastel de Belém - são estas, de acordo com uma votação popular, as sete maravilhas da gastronomia portuguesa".

Já se sabe que qualquer escolha pode ser contestada. Não se percebe muito bem porque aparece o queijo da Serra da Estrela nas entradas, já que é habitualmente servido no fim da refeição; porque se aceitou a candidatura do pastel de Belém em vez do pastel de nata. Enfim, também não me parece bem eleger dois produtos da mesma categoria (entradas) e deixar de fora os pratos de caça.
As candidaturas deveriam obedecer a uma receita "genuína e integrante dos valores tradicionais portugueses e com mais de cinquenta anos de história".

domingo, 11 de setembro de 2011

O 11 de setembro de Allende





Após o horror das imagens das torres do World Trade Center e restantes atentados de 11 setembro de 2001, quase nos esquecemos do outro 11 de setembro: quando em 1973 as tropas de Pinochet derrubaram por golpe de Estado o regime democrático de Salvador Allende, prendendo, matando e torturando milhares de democratas e anti-fascistas do Chile. Entre as vítimas conta-se o inesquecível cantor Vitor Jara.

A queda do colosso



Muitas são as dúvidas que se levantam sobre como é que as duas torres do World Trade Center, estruturas fenomenais de aço, betão e vidro se puderam "pulverizar" de modo a cair em apenas 10 segundos. Testemunhos de sobreviventes falam em explosões nos andares de baixo, coisa que nenhuma investigação conseguiu apurar.
Sou por princípio contra todas as teorias que tentam culpar os próprios EUA pelos atentados, por achá-las absurdas; mas que a incompreensível pressa de a cidade se desfazer do todos os destroços, enviando-os para o exterior dá que pensar, dá...

11 de Setembro, dia de luto


Para que a memória do mundo ocidental não se apague, convém recordar que houve cerca de 3000 pessoas mortas em poucas horas nos EUA a 11 de Setembro de 2001.

Matar pessoas só porque sim? Em nome de uma qualquer jihad, porque eram do ocidente, "infiéis", habitantes de um país inimigo de um certo islão fundamentalista. Daí o terror, a afirmação de força perante o poder, outrora tido por invulnerável, do gigante americano.

Hoje, passados 10 anos revivo as imagens daquele dia com um nó na garganta e lembro-me da angústia que senti, misturada com incredulidade, perante aquele crime hediondo, que foi afinal, contra toda a  humanidade.  

Se o respeito pela vida não for um valor fundamental na construção da cidadania, todos os outros se tornarão vazios de significado, venham de onde vierem.

Este Blogue faz hoje um dia de luto pelas vítimas dos brutais atentados terroristas sobre o World Trade Center de NY e o Pentágono, que fizeram ainda despenhar um avião na Pensylvania cheio de cidadãos inocentes.

Ler notícia e ver fotos aqui.
Grafismo de Mimi Lenox

sábado, 10 de setembro de 2011

Fumo branco no Ministério da Educação


O ministro Nuno Crato, após quase 15 horas de negociações com os sindicatos, não parecia dar sinais de cansaço, antes de satisfação. Chegou a um entendimento com sete das treze representações sindicais, a saber, a FNE e a Pró-Ordem, entre outras, acerca da avaliação docente. A Fenprof ficou fora do acordo, pelas razões divulgadas por Mário Nogueira nos últimos dias, nomeadamente a manutenção das quotas e das cinco menções classificativas, além dos os efeitos da avaliação nos concursos. 
Finda a fase da negociação, vai proceder-se à regulamentação de um novo modelo de ADD.
Não sendo radicalmente diferente do modelo anterior, introduz contudo alguns aspectos que me parecem relevantes e que não devem ser menosprezados, como a dilatação dos ciclos avaliativos e a obrigatoriedade de o avaliador ser do mesmo grupo disciplinar do avaliado.
Com mais tempo elaborarei um comentário crítico mais detalhado sobre este novo modelo.

Ler aqui a notícia.

quarta-feira, 7 de setembro de 2011

10 anos sobre o 11 de Setembro de 2001


O horror que os americanos viveram e o que o mundo presenciou naquele dia não se pode varrer da memória. Aquele atentado à humanidade ficou conhecido no mundo de língua inglesa como 9/11, que eles dizem "nine-eleven".

Vi incrédula e em directo o ataque do segundo avião às torres do World Trade Center em New York e não queria acreditar que fosse real. Paulo Camacho na SIC estava igualmente estupefacto e dos canais de televisão norte-americanos confirmava-se a notícia "trata-se de um atentado e não de um acidente"! Pudera, um acidente não teria uma réplica idêntica minutos após o embate do primeiro avião.

Aquilo que parecia inacreditável desfilou diante dos meus olhos nos minutos e horas seguintes como um dos maiores horrores da história: pessoas a atirar-se de arranha-céus para o vazio e duas torres de aço, vidro e betão a despenhar-se como castelos de cartas! Centenas de bombeiros e socorristas pouco puderam fazer perante a magnitude do ataque. Quando a poeira finalmente começou a assentar e permitiu que se contassem os corpos carbonizados, entre mortos e desaparecidos, as vítimas foram quase 3000 pessoas, o que é inédito num atentado urbano.

A Al Qaeda de má memória reuniu durante meses ou anos o capital e os meios necessários para a preparação dos pilotos e, increditavelmente, as comunicações a respeito destes meticulosos planos, escaparam aos serviços secretos norte-americanos. O mundo aprendia com estupor que afinal o gigante era vulnerável e a inteligenzia do país mais poderoso do mundo não estava suficientemente atenta.

Se o perigo soviético, inimigo tradicional dos EUA havia passado depois do desanuviamento introduzido pela perestroyka de Mikhail Gorbachov, a partir de agora seriam as organizações fundamentalistas islâmicas a concentrar as atenções da prevenção contra o terrorismo urbano.

Eu costumava ter medo da ETA e do IRA; a partir dos atentados ao World Trade Center em NY, ao comboio de Madrid e ao Metro de Londres, as bombas daqueles movimentos parecem coisa pouca.

Voltei a sentir um frio no estômago há pouco mais de um mês com o atentado de Oslo e cheguei a escrever neste Blogue que a mortandade devia ser coisa da Al Qaeda. Mas o terrorismo ali tinha outro rosto, o de um jovem com cara de anjo, pseudo-neo-templário de extrema-direita, que queria "limpar" a Europa do multiculturalismo...  E dessa história ainda nos faltam muitos dados; mas é certo que a Noruega ainda não se refez, não só do choque, como da impreparação que se evidencou na falta de resposta atempada da polícia aos movimentos do assassino, que acabou por liquidar cerca de 80 pessoas em poucas horas. 

Uma coisa sinto como certa: depois do 11 de Setembro o mundo nunca mais foi o mesmo. Passaram 10 anos. A Mimi Lenox convida-nos aqui a recordar este 10º aniversário de um dos maiores ataques à humanidade. A Pérola de Cultura associa-se ao assinalar deste momento.

Grafismo: (c) Luís Diferr a partir de template de Mimi Lenox

ADD - proposta em nova versão

A terceira versão do modelo de avaliação de desempenho docente foi ontem entregue aos sindicatos e vai dar origem a uma nova ronda negocial. No essencial nada se alterou: as quotas mantêm-se, as cinco menções de classificação também e serão os diretores a avaliar os professores dos últimos escalões.
Para ler aqui.
Já há quem lhe chame Simplex 3. Porque efectivamente nada de profundamente diferente foi introduzido no regime de avaliação dos docentes.
A mim apetece-me evocar a velha máxima da "primavera marcelista" Evolução na Continuidade. Lembram-se?
Era algo que parecia que tinha mudado, mas não tinha...
Ou como diz o colega Mário Carneiro, esta pretensamente nova ADD é "pano velho". Leia aqui.

segunda-feira, 5 de setembro de 2011

Freddie Mercury faria hoje 65 anos. Recordemo-lo.



O Google homenageia-o desta forma.

Aqui está um post de homenagem a este nome incontornável da música pop anglo-saxónica.

Angola e a nova oligarquia



A onda de repressão que se abateu em Angola sobre uma manifestação contra o regime de José Eduardo dos Santos não é coisa que me surpreenda.
A polícia carregou sobre os manifestantes, à boa maneira das ditaduras e fez presos e feridos em número indeterminado, pois nestas coisas nunca se sabe ao certo os números verdadeiros, mas foram dezenas. Noticia-se aqui que vão ser objecto de um julgamento sumário e calcula-se qual a pena. Não sei se existe pena de morte em Angola, como quando à maneira estalinista se eliminava fisicamente os opositores ao regime para dissuadir futuras dissidências.


Pouco sei de Angola, mas o pouco que sei atemoriza-me. Por isso mesmo, espero o pior destes julgamentos sumários contra opositores ao regime. Se for como em Cuba, poderão acabar presos durante anos. Se for como na China poderão nunca mais ver a luz do dia.


O regime de Eduardo dos Santos, sua família e núcleos adjacentes formaram uma nova oligarquia de poder e privilégios aberrantes, com recursos e fortunas incalculáveis. Surgem informações em certa imprensa credível de que as festas dessa nova burguesia instalada chegam a custar centenas  de milhares de euros, enquanto a população pobre anda descalça pelas ruas e procura comida nos caixotes do lixo.


A mesma população que sofre de SIDA e outras doenças contagiosas e se abastece de comprimidos avulsos que são objecto de especulação no mercado negro. Isto ao mesmo tempo que as famílias abastadas se empanturram de Möet & Chandon nas festas, e de lagostas nos restaurantes de luxo.


As "misses" deste novo modelo de oligarquia angolana, lindíssimas e sofisticadas morenas, chegam a vir a Lisboa de avião só para vir ao cabeleireiro ou gastar pequenas fortunas em vestidos de luxo nas Amoreiras. Outras madames há, que vêm à capital portuguesa fazer um aborto ou comprar jóias e voltam à tardinha para casa. Os misteres com pretensões a sheiks das Arábias preferem vir cá adquirir uns Rolexes reluzentes ou um carro de super-luxo e mandá-lo de avião para casa!


É escandaloso e aberrante num país onde a maioria é paupérrima; e sobretudo, porque isto tudo é praticado à sombra de um sistema que se instalou há 30 anos como democrático e socialista!


Luanda, neste momento a cidade mais cara do mundo, tem mansões a custar rendas astronómicas e a alimentação chega a ser mais cara do que em Tókio. Não admira pois que o povo ande esfomeado e se revolte.


Sabe-se que entre os manifestantes presos havia estudantes e outros jovens cujas famílias desconhecem para onde eles foram levados.  Neste momento um movimento de intelectuais e professores, alguns deles da universidade, denunciam este abuso de autoridade e temem pela sorte dos prisioneiros. E eu acho que não é para menos.

Blogging for Peace


Posso explicar a coisa mais ou menos assim: Mimi Lenox é uma blogger americana que há um par de anos teve a ideia de criar uma corrente entre bloggers de todo o mundo a favor da Paz. O movimento cresceu e ganhou adeptos. De tal modo que em muitos países hoje em dia há centenas de bloggers a assinalar um dia em cada ano para em conjunto formar uma corrente e postar mensagens pela Paz mundial em simultâneo.


A Mimi encarrega-se de fazer o modelo dos templates para o evento. Cada blogger, se assim o desejar, pode ir buscar aqui o grafismo que for do seu agrado e personalizá-lo de acordo com os temas, nome, cores ou palavras do seu Blogue. Também podem ir aqui ver as 100 razões para se ser um blogger que luta pela Paz.


A Pérola de Cultura, como sempre, associa-se a este movimento e no ano passado enviou a sua tarjeta personalizada para engrossar este movimento, tendo passado a ficar inscrita com o número 1997, conforme podem ver aqui ao lado.


O dia escolhido em 2011 será 4 de Novembro. Junte-se a nós pela Paz mundial!

sábado, 3 de setembro de 2011

O Acordo Ortográfico entra em vigor. Com ou sem acordo.


Aqui temos um Blogue muito prático e útil, de António Pereira, professor na Escola Secundária Ferreira Dias, Cacém, exclusivamente dedicado ao novo Acordo Ortográfico.
Com ou sem concordância, a nova grafia vai mesmo ser implementada, a partir de agora nas escolas e a partir de janeiro nos organismos oficiais.
Fica a sugestão da consulta frequente deste Blogue, que tem links para para um conversor e remete para vários guias, a partir dos quais poderemos tirar dúvidas.

Imagem: grafismo de P.D. "Os Pescadores de Pérolas".

sexta-feira, 2 de setembro de 2011

Estou mais ou menos assim


Anestesiada...
Chegada de férias encontro o país a arder em fogo lento, com pesadas medidas e agravamento do desemprego entre os professores, além de um clima que ameaça conflitualidade neste início de ano lectivo (perdão, letivo)!
O que se pode fazer senão dormir, desejar até mesmo hibernar, já que para voltar para as férias seria preciso fazer mais um ano de poupanças trabalhando muito...
Deixem-me dormir o fim de semana todo e por favor não me peçam que não feche o Blogue.
Se acordar, logo vejo se consigo aguentar o tranco, levantar a cabeça e voltar a escrever o que me vai na alma, e que, por certo, não será bom.

(Pintura: Flaming June by Fredrick Lord Leighton, 1830-1896)

Ano lectivo começa em descalabro para muitos