quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Aniversário de Mark Twain


Mark Twain (1835-1910), escritor americano nascido no Missouri, foi o criador das mais célebres histórias juvenis de todos os tempos, os incontornáveis romances 
AS AVENTURAS DE TOM SAWYER E AS avENTURAS DE HUCKLEBERRY FINN.


"The Adventures of Huckleberry Finn{1884} is one of Mark Twain's most popular novels. Set about two decades before the Civil War, the tale considers what happens when the demands of society conflict with the bonds of friendship. After running away, young Huck meets Jim, an escaped slave, and together they embark on an epic raft voyage down the Mississippi River. The river becomes a symbol of both freedom and destruction as the two friends must grapple with the moral issues of slavery, cruelty, and loyalty."

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Agonia


"A luta dos professores" é um magnífico texto de Luís Costa que vale a pena ler.
Partilho da sua visão, embora não o saiba expressar com o seu talento literário.
Hoje a luta é pela estrita sobrevida de uma carreira ceifada, contra o desespero das expectativas aniquiladas. Um dia após o outro, os rostos estão mais cansados e o horizonte mais vazio. Uma classe profissional em lenta agonia. Sob o olhar indiferente das inteligências que tudo decidem.

domingo, 27 de novembro de 2011

A história do fado em 10 minutos


Vídeo daqui.

Fado, património imaterial da humanidade


Hoje pelo fim da manhã, já noite em Bali, a UNESCO declarou o Fado como Património Imaterial da Humanidade.
Este reconhecimento era esperado, dada a qualidade da candidatura portuguesa, mas havia sérios concorrentes, que no meu entender, poderiam de algum modo "ensombrar" o Fado de Lisboa, como por exemplo, os Mariachi do México, cuja apresentação era muito forte.
Mariza foi a escolhida para representar o Fado, mas foi a voz de Amália que soou no telemóvel de António Costa na sala de reuniões após o anúncio da decisão.
Haja uma boa notícia para este país de vez em quando.
Parabéns a todos os trabalhadores do Fado e àqueles que nunca o deixaram morrer enquanto fenómeno cultural.

Ler a notícia aqui.

sábado, 26 de novembro de 2011

Apanhar a onda


"Nas conversas mais fundas não falo de pessoas - das suas pequenezes, do que fazem neste assunto ou no outro, na maneira como sorriem, irritam ou enternecem. As pessoas e as notícias que nos atropelam trazem-nos ressentimento e nunca clarividência. Um dia, na idade dos balanços, talvez consiga desviar-me do ruído e apanhar uma onda gigante onde vivem as ideias e a imensidão do mundo. Aí, onde não se discute o dia de amanhã, tudo fará sentido."

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

31.679 maçanetas de portas danificadas em 2010


Ao longo do ano de 2010, 31.679 mulheres caíram e bateram em cheio com a cara na maçaneta da porta. Não, foi no lavatório! Não, escorregaram no passeio! Aliás, caíram do escadote quando penduravam o cortinado. Não, não, minto: foi quando penduravam um quadro na parede do escritório...


... BASTA !!!

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

A propósito da greve de amanhã

Grafismo de (c) Luís Diferr

"Nada é impossível de mudar.Desconfiai do mais trivial, na aparência singelo. E examinai, sobretudo, o que parece habitual. Suplicamos expressamente: não aceiteis o que é de hábito como coisa natural, pois em tempo de desordem sangrenta, de confusão organizada, de arbitrariedade consciente, de humanidade desumanizada, nada deve parecer natural, nada deve parecer impossível de mudar."
Bertolt Brecht

A cabana de Heidegger


Texto e foto de Alexandre Guerra, ainda a propósito do Dia Internacional da Filosofia.
Para ser lido aqui.

terça-feira, 22 de novembro de 2011

Festival Temps d'images encerra hoje


Na Cinemateca de Lisboa terá lugar hoje a última sessão deste Festival, com o filme "Morrer como um homem" de João Pedro Rodrigues, às 21,30 na sala Félix Rodrigues. Este realizador estará presente na sessão.
Para aqueles que vivem na região do Porto, sugerimos o Café Filosófico referido no post abaixo.

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

sábado, 19 de novembro de 2011

Livros de bronze numa Gruta da Jordânia


Numa gruta de Saham, Jordânia, localizada numa colina com vista para o Mar da Galileia, foram encontrados 70 livros do século I da era cristã que, segundo as primeiras avaliações, contêm as mais antigas representações do catolicismo.


Os livros têm a peculiaridade de serem gravados em folhas de bronze presas por anéis metálicos. O tamanho das folhas vai de 7,62 x 50,8 cms a 25,4 x 20,32 cms. Em média, cada livro tem entre oito e nove páginas, com imagens na frente e no verso. Segundo o jornal britânico Daily Mail, 70 códices de bronze foram encontrados entre os anos 2005 e 2007 e as peças estão a ser avaliadas por peritos na Inglaterra e na Suíça.

A cova fica a menos de 160 km de Qumran, a zona onde se encontraram os rolos do Mar Morto, uma das maiores evidências da historicidade do Evangelho, informou a agência ACI Digital.


Importantes documentos do mesmo período já haviam sido encontrados na mesma região. 
No local ter-se-iam refugiado, no ano 70 d.C., os cristãos de Jerusalém, durante a destruição da cidade pelas legiões de Tito, que afogaram em sangue uma revolução de judeus que queriam a independência.

Cumpria-se então a profecia de Jesus Cristo relativa à destruição de Jerusalém e à dispersão do povo judaico.
Segundo o "Daily Mail" os académicos, que estão convencidos da autenticidade dos livros, julgam que é uma descoberta tão importante quanto a dos rolos do Mar Morto em 1947.
Nelas, há imagens, símbolos e textos que se referem Jesus Cristo e sua paixão. 
David Elkington, especialista britânico em arqueologia e história religiosa antiga, foi um dos poucos que examinaram os livros. Para ele, tratar-se-ia de uma das maiores descobertas da história do Cristianismo.

"É uma coisa de cortar a respiração pensar que nós encontrámos estes objectos deixados pelos primeiros santos da Igreja", disse ele.
Com efeito, na época da desastrosa rebelião judaica, o bispo de Jerusalém era São Simeão, filho de Cleofás (irmão de São José) e de uma irmã de Nossa Senhora. Por isso, São Simeão era primo-irmão de Jesus Cristo e pertencia à linhagem real de David. 
Quando o apóstolo Santiago, "O Menor" (primeiro bispo de Jerusalém) foi assassinado pelos judeus que continuavam seguidores da Sinagoga os Apóstolos que ficaram, em rotura com o passado, escolheram Simeão como sucessor e ele recebeu Espírito Santo em Pentecostes.
Os primeiros católicos - naquela época não tinham aparecido heresias e todos os cristãos eram católicos - lembravam com fidelidade o anúncio feito por Jesus Cristo de que Jerusalém seria destruída e o Templo arrasado. Porém, não sabiam a data.

O santo bispo foi alertado pelo Céu da iminência do desastre e de que deveriam abandonar a cidade sem demora. São Simeão conduziu os primeiros cristãos à cidade de Pella, na actual Jordânia, como narra Eusébio de Cesárea, Padre da Igreja.

Após o arrasamento do Templo, São Simeão voltou com os cristãos que se restabeleceram sobre as ruínas. O facto favoreceu o florescimento da Igreja e a conversão de numerosos judeus pelos milagres operados pelos santos.
Assim, começou a reconstituir-se uma comunidade de judeus fiéis à plenitude do Antigo Testamento e ao messias redentor aguardado pelos patriarcas e anunciado pelos profetas.

Porém, o imperador romano Adriano mandou arrasar os escombros da cidade, e os seus sucessores pagãos, Vespasiano e Domiciano, mandaram matar a todos os descendentes de David.

São Simeão fugiu. Mas, durante a perseguição de Trajano foi crucificado e martirizado pelo governador romano Ático. São Simeão recebeu com fidalguia o martírio quando tinha 120 anos. (cf. ACI Digital)
Emociona pensar que esses heróicos católicos judeus tenham deixado para a posteridade o testemunho da sua fé inscrito em livros tão trabalhados. O facto aponta também para a unicidade da Igreja Católica.

Philip Davies, professor emérito de estudos bíblicos da Universidade de Sheffield, disse ser evidente a origem cristã dos livros que incluem um mapa da cidade de Jerusalém. No mapa é representada o que parece ser a balaustrada do templo, mencionada nas escrituras.

"Assim que eu vi fiquei estupefacto", disse. "O que me impressionou foi ver uma imagem evidentemente cristã: Há uma cruz na frente e, detrás dela, há o que deve ser o sepulcro de Jesus, quer dizer, uma pequena construção com uma abertura e, mais no fundo, ainda os muros de uma cidade".
"Noutras páginas destes livros também existem representações de muralhas que, quase de certeza, reproduzem as de Jerusalém. E há uma crucificação cristã fora dos muros da cidade", acrescentou.


Pesquisa de Tita Fan

A Filosofia vista pela UNESCO

Grafismo de (c) Luís Diferr 

DECLARAÇÃO DE PARIS EM PROL DA FILOSOFIA


Nós, participantes nas Jornadas Internacionais de Estudo «Filosofia e Democracia», organizadas pela UNESCO, que tiveram lugar em Paris, nos dias 15 e 16 de Fevereiro de 1995, constatamos que os problemas de que trata a filosofia são os problemas da vida e da existência dos homens considerados universalmente.
Entendemos que a reflexão filosófica pode e deve contribuir para a compreensão e a orientação das preocupações humanas; consideramos que a actividade filosófica, que não retira nenhuma ideia à livre discussão, que se esforça por precisar as definições exactas das noções utilizadas, verificar a validade dos raciocínios, examinar com atenção os argumentos dos outros, permite a cada um aprender a pensar por si mesmo; sublinhamos que o ensino filosófico favorece a abertura de espírito, a responsabilidade cívica, a compreensão e a tolerância entre os indivíduos e entre os grupos.
Reafirmamos que a educação filosófica, formando espíritos livres e reflexivos, capazes de resistir às diversas formas de propaganda, de fanatismo, de exclusão e de intolerância, contribui para a paz e prepara cada um para assumir as suas responsabilidades perante as grandes interrogações contemporâneas, designadamente no domínio da ética, julgamos que o desenvolvimento da reflexão filosófica, no ensino em vida cultural, contribui de forma importante para a formação de cidadãos, exercendo a sua capacidade de julgamento, elemento fundamental de toda a democracia.
Por estas razões, comprometendo-nos a fazer tudo o que estiver em nosso poder, nas nossas instituições e nos nossos países respectivos, para realizar estes objectivos.
Declaramos: Uma actividade filosófica livre deve ser garantida a todos os indivíduos, em toda a parte, sob todas as formas e em todos os lugares onde se possa exercer.
O ensino filosófico livre deve ser preservado ou alargado onde já existe, deve ser criado onde ainda não existe, e deve ser nomeado explicitamente «filosofia».
O ensino filosófico deve ser assegurado por professores competentes, especialmente formados para o efeito, e não pode ser subordinado a nenhum imperativo económico, técnico, religioso, político ou ideológico.
Permanecendo autónomo, o ensino filosófico deve ser, em toda a parte onde for possível, efectivamente associado, e não simplesmente justaposto, às formações universitárias ou profissionais, em todos os domínios.
A difusão de livros acessíveis a um grande público, tanto pela sua linguagem como pelo seu preço de venda, a criação de emissões de rádio e de televisão, de cassetes áudio ou vídeo, a utilização pedagógica de todos os meios audiovisuais e informáticos, a criação de múltiplos lugares de debates livres, e todas as iniciativas susceptíveis de fazer aceder o maior número a uma primeira compreensão das questões e dos métodos filosóficos devem ser encorajados, para constituir uma educação filosófica dos adultos.
O conhecimento das reflexões filosóficas das diferentes culturas, a comparação dos seus contributos respectivos, a análise do que as aproxima e do que as opõe devem ser perseguidos e apoiados pelas instituições de investigação e de ensino.
A actividade filosófica, como prática livre da reflexão, não pode considerar nenhuma verdade como definitivamente adquirida e incita a respeitar as convicções de cada um, mas não deve em caso algum, sob pena de se negar a ela mesma, aceitar doutrinas que neguem a liberdade de outrem, achincalhando a dignidade humana e originando a barbárie.

Todos os anos, em Novembro, a Unesco dedica um dia à Filosofia.


(Cortesia de Margarida Silva)

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Larmanjat


O Caminho de Ferro Larmanjat de Sintra foi uma via ferroviária em monocarril que ligava Lisboa (Portas do Rego) a Sintra, numa extensão total de 26 km, tendo funcionado entre 1873 e 1877.
A 2 de Julho de 1873, pelas 9 horas, foi inaugurada a linha de Sintra. Para realizar este percurso a locomotiva demorava 1 hora e 55 minutos.
A abertura ao público foi feita 3 dias depois. A linha de Sintra, com 26 km de extensão, tinha como estações: Porta do Rego, Sete Rios, Benfica, Porcalhota (Amadora), Ponte de Carenque, Queluz, Cacém, Rio de Mouro, Ranholas e Sintra.
As composições eram compostas por carruagens de 1ª e 3ª classes. Os preços eram de 550 e 400 reis respectivamente.
Os descarrilamentos constantes, as avarias sucessivas, as quedas frequentes dos passageiros e os grandes atrasos fez com que muitos voltassem a optar pelas diligências, apesar destas serem bem mais morosas.
Foram infrutíferas as tentativas para cativar passageiros (mais horários e preços mais baixos), pelo que o serviço foi suspenso a 8 de Abril de 1875. Tendo sido retomado mais tarde, sem sucesso, encerrou definitivamente, em 1877, com a falência da "Lisbon Steam Tramways company".
A designação "Larmanjat", deve-se ao seu criador o Engenheiro Mecânico francês J. Larmanjat.
Ao contrário dos tradicionais dois carris paralelos, o sistema Larmanjat baseava-se num único carril, no qual encaixavam rodas localizadas no eixo central da locomotiva a vapor e das carruagens. Para que a composição não tombasse existiam ainda rodas laterais de apoio que deveriam assentar numa superfície plana, preferencialmente passadeiras de madeira colocadas ao paralelamente ao carril em ambos do lados.
Era, por isso, um sistema mais económico pois circulava pelas estradas, não necessitando, por consequência, de caminho próprio.

Fonte: Wikipédia

Tita Fan

Louis Daguerre, o inventor da fotografia, nasceu a 18 de Novembro

"Louis-Jacques-Mandé Daguerre (November 18, 1787 – July 10, 1851) was a French artist and physicist, recognized for his invention of the daguerreotype process of photography."

Wikipédia

Em 224 anos a fotografia conheceu espantosas evoluções. Desde as camerae obscurae até ao registo digital de hoje, longo foi o caminho.
Se recordarmos os filmes do cinema mudo, por exemplo, ainda podem ser vistas cenas em que as fotos de família nos dias de festa ou nos casamentos, obrigavam a um tempo longo de pose, com várias tentativas, onde o flash era uma explosão de magnésia e o registo era feito em placas de prata e cobre, inseridas em máquinas enormes, assentes num tripé.
Hoje fazemos fotografias de modo muito fácil, podendo inseri-las no computador e trabalhá-las em programas como o Photoshop ou outros. 
O Google homenageia o pintor francês Loius Daguerre com um curioso logotipo, comemorativo do aniversário deste pioneiro do processo que viria a ser conhecido como fotografia.

quinta-feira, 17 de novembro de 2011

Dia Internacional da Filosofia 2

Escola de Atenas, Rafael Sanzio


" Apenas direi que a Filosofia, tão maltratada pelas suas multíplices adjectivações (filosofia disto e daquilo... até do futebol), tem de se recentrar novamente nas suas origens históricas, como consciência vigil de indicativos esquecidos, como atitude humilde de um 'não saber' radical capaz de se contrapor às arrogantes "sapiências" de economistas, cientistas e outros 'istas...' Sem se assumir como o fim do caminho (ou como um fim em si mesma), a filosofia pode continuar a desempenhar o seu papel inquietante que, paradoxal, surge como aquele momento de paragem - terapêutica - capaz de nos arrancar da cegueira quotidiana e nos lançar, através de um 'pórtico', para o Infinito!"


Isabel Medina

Dia Internacional da Filosofia

Sócrates afastando Alcebíades do vício de beber 
Pintura de Pedro Américo - 1867

"Uma vida não examinada não merece ser vivida"
Sócrates (470-399 a.C.)

Um abraço especial neste dia a todos os colegas do grupo disciplinar 410.

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

Lançamento da "Clarabóia" no aniversário de Saramago

Foto (c)Pérola de Cultura


A entrega das chaves da Casa dos Bicos e o lançamento do inédito "Clarabóia" tiveram lugar em Lisboa no dia em que José Saramago completaria 89 anos. Nesta casa passa a funcionar a Fundação José Saramago, dirigida pela sua viúva Pilar del Rio.

Ver a notícia aqui.

Hoje Saramago faria 89 anos

A assinalar a data do aniversário de José Saramago, 16 de Novembro, reabre a Casa dos Bicos, onde funciona a Fundação com o seu nome. 


Também em sua homenagem, será inaugurado um novo espaço dedicado ao Nobel da Literatura português na Biblioteca Municipal do Palácio das Galveias. 


As cinzas do escritor repousam desde o 1º aniversário da sua morte, a 18 Junho de 2010, sob uma oliveira em frente à Casa dos Bicos, perto da qual foi construído um banco para as pessoas se poderem ali sentar, à sombra, e meditar ou ler, conforme tinha sido a vontade expressa do escritor.


Foto (c) Pérola de Cultura

Próximo do tronco, pode ler-se "Mas não subiu para as estrelas se à terra pertencia", a frase da obra que lhe valeu o Prémio Nobel da Literatura "Memorial do Convento".

Foto (c) Pérola de Cultura

terça-feira, 15 de novembro de 2011

Não penses!


Não Penses"Não penses. Que raio de mania essa de estares sempre a querer pensar. Pensar é trocar uma flor por um silogismo, um vivo por um morto. Pensar é não ver. Olha apenas, vê. Está um dia enorme de sol. Talvez que de noite, acabou-se, como diz o filósofo da ave de Minerva. Mas não agora. Há alegria bastante para se não pensar, que é coisa sempre triste. Olha, escuta. Nas passagens de nível, havia um aviso de «pare, escute, olhe» com vistas ao atropelo dos comboios. É o aviso que devia haver nestes dias magníficos de sol. Olha a luz. Escuta a alegria dos pássaros. Não penses, que é sacrilégio." 

Vergílio Ferreira, in "Conta-corrente - nova série - 2

Miguel Barbosa - 85 anos

Uma breve visita

Miguel Artur de Morais e Macedo Alves Barbosa nasceu em 23 de Novembro de 1925, filho de mãe brasileira e pai português. É um criador de cultura  multifacetado: pintor, escritor (poesia, contos, novelas, romances, peças de teatro), viu a sua obra,  frequentemente, visada pela censura o que não impediu o seu reconhecimento internacional, pois  tem sido objeto de traduções em várias línguas e de teses de licenciatura.

É também autor de uma série de romances policiais assinados com o pseudónimo «Rusty Brown.»
Tem feito inúmeras exposições em vários países, e está representado em diversas  publicações biográficas, livros de arte e muito mais.

Várias das suas peças teatrais foram encenadas em Portugal, Espanha, França, Alemanha e Brasil. Recebeu imensos prémios, menções honrosas, medalhas (Portugal, França, Brasil, Suiça, etc.), incluindo o grande prémio Europeu das Artes e Letras do Concelho da Europa-1988

A 18-09-2009, foi distinguido com a  " Medalha Jorge Amado" pela União Brasileira de Escritores.
Para além da sua profícua e extensa atividade literária, e devido a um “bichinho” que  o vinha acompanhando desde criança e que, quando casou, transmitiu a sua mulher, é igualmente um paleontólogo reconhecido a nível internacional.

Nessa qualidade  e com a colaboração da mulher, reuniu, ao longo de mais de 40 anos, uma coleção de milhares de fósseis, pesquisados em Portugal, África, E.U.A., México, Brasil, à qual foi juntando peças provenientes de trocas com outros paleontólogos de toda a parte do mundo.

Quando o espaço em sua casa se esgotou, incluindo debaixo de sua própria cama e a co-habitação se tornou impraticável Miguel Barbosa doou todo o seu grande e valioso espólio à Câmara de  Sintra.

Ao fim de alguns anos de tentativas, a Câmara, por fim, criou e dedicou-lhe um interessante espaço museológico, onde se podem admirar algumas das suas mais raras peças, devendo destacar-se um fóssil de um réptil voador da espécie Braseodactylus (exemplar único), alguns dinossauros e ninhos de ovos da mesma espécie, vindos do deserto de Gobi e ainda alguns fragmentos de um meteorito de Nantan, vindo da China,   que caiu na Terra no século XVI.
O Museu de História Natural de Sintra (Coleção Miguel Barbosa),  inaugurado em 1 de Agosto de 2009, tem uma exposição de longa duração e salas de exposições temporárias e está situado  em pleno Centro Histórico da Vila.

Fontes: Wikipédia
A amizade que nos liga, os livros que nos ofereceu e a visita ao Museu.


Tita Fan

sábado, 12 de novembro de 2011

Timor: passaram 20 anos sobre o massacre de Dili...

... E nem por isso a História dos Homens fez ainda a devida justiça.



Este excerto é de um concerto comemorativo dos 25 anos do 25 de Abril. O então presidente da República, Dr. Jorge Sampaio convidou os músicos do Trovante para se juntarem especialmente para a ocasião.
Tive o prazer de estar presente com o meu irmão naquele fantástico espectáculo, a 12 de Maio de 1999, onde um coro de 15 mil pessoas entoou emocionado "Ai, Timor"!

“Fuzilaram um homem num país distante"


Em memória das vítimas do massacre do cemitério de Santa Cruz, em Timor.


Hoje proíbo as rosas de nascerem diante de mim!
Proíbo as deusas de dançarem nos olhos das crianças
proíbo os corpos das mulheres de terem outro destino que a morte!

Sim, proíbo!
E (baixinho, em sonho) aos gritos no mundo
ordeno aos homens
que venham para a rua descalços
para sentirem nos pés nus
o silêncio da terra
e o terror de viverem num planeta
onde os fuzilados não ressuscitam,
nem os malmequeres protestam com flores de luto
contra este sol que continua a fabricar primaveras mecânicas
e este cheiro tão bom a mulheres novas nas árvores com cio!

JOSÉ GOMES FERREIRA

(O autor do retrato é o escritor Mário Dionísio)

Abstém-te de comer!

Legendas e composição de Luís Diferr

sexta-feira, 11 de novembro de 2011

Seguro mas inconsistente

Este é um orçamento com "medidas violentas e profundamente injustas", diz António José Seguro, que diz ter ficado "em estado de choque" diante dos seus conteúdos - consequência: abstém-se para reforçar a respectiva base de aprovação. "Tudo farei para evitar que Portugal passe pela situação que está a viver a Grécia", clama - e, por isso, abstém-se na votação de um orçamento que traz para as nossas vidas o pior do receituário imposto à Grécia. É imperioso "que se levante esse estigma que o Governo colocou sobre os funcionários públicos", afirma -, e daí resulta que se absterá na votação de um orçamento que brutaliza a condição de funcionário público. "Compreendo que é necessário dar um sinal político forte quanto à convicção de que as principais forças políticas têm de que é necessário sair da crise", garante - pois o PS escolheu o sinal que vai dar: abstém-se.
Não fosse o ridículo trágico de tudo isto já bastante e Seguro ainda entendeu acrescentar-lhe uma pérola: a abstenção do PS será "violenta".

por JOSÉ MANUEL PUREZA
Ler o artigo completo no DN de hoje

Só me ocorre perguntar: não tinha o PS passado para a oposição?
Ou será uma espécie de "pudor" por saber que tem parte da responsabilidade da situação a que se chegou?
Não consigo distinguir "oposição colaborante" de sensação de ter o rabo preso na porta.

Curiosidade


No próximo ano haverá ainda uma data com uma destas características: 12-12-12.
Mas depois nunca mais haverá uma data igual. Pelo menos no nosso calendário.
Esta tem a particularidade de poder ser lida nos dois sentidos sem alterar o significado.

Dia de S. Martinho








(Imagens da Web; história daqui)

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

O muro de Berlim e os outros



O muro de Berlim começou a ser derrubado há 22 anos a 9 de Novembro. Desde então o mundo mudou no que se refere à tolerância às ditaduras e todas as formas de opressão e segregação de seres humanos.
Porém, e por incrível que pareça, ainda há muros deste tipo no mundo. Há que derrubá-los a todos. E para isso há que trabalhar para alertar as consciências e dar ânimo aos povos oprimidos para que não desistam de continuar a sua luta pela liberdade. 
Há organizações no terreno com essa vocação, como a Amnistia Internacional, mas cabe também a cada um de nós, levar por diante, à sua maneira e com os meios de que dispõe, essa cruzada. 
Há dois anos promovi uma exposição na minha escola em que os alunos de Artes recriaram, com o seu sentimento e através de técnicas mistas, a vida dos cidadãos antes da queda e as repercussões deste acontecimento no mundo após a mesma.


Aqui um artigo sobre o significado do derrube do muro de Berlim

Retomemos Camões



"Tirar Inês ao mundo determina
Por lhe tirar o filho que tem preso,
Crendo co'o sangue só da morte indina
Matar do firme amor o fogo aceso.
Que furor consentiu que a espada fina,
Que pôde sustentar o grande peso
Do furor Mauro, fosse alevantada
Contra uma fraca dama delicada?"


Os Lusíadas, Canto III, 123


(via Claque dos Autores)
(Pintura cujo autor não foi possível identificar)

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

Ele teria gostado de ver o asteróide


Carl Edward Sagan (Nova Iorque9 de novembro de 1934 — Seattle20 de dezembro de1996). In Wikipédia


Graças a ele li de fio a pavio as excelentes obras  "Cosmos" e "O Contacto". Vi religiosamente todos os episódios da versão televisiva do "Cosmos" e ainda no tempo das cassettes Betamax, gravei-os para passar alguns deles nas aulas do 10º ano. 


Embevecida, como sempre fico perante a mestria humilde e despretensiosa, tinha um prazer imenso ao presentear os alunos com frases do género "We are the sons of the stars" proferidas por aquele mestre eloquente e senhor de um enorme saber, quer na Astrofísica, quer na História da Ciência ou da Filosofia!


As diferenças entre conceitos simultaneamente tão próximos e tão distintos como Cosmogonia e Cosmologia, nas palavras de Carl Sagan, revestiam-se de uma clareza cristalina.


Também pela mão de Carl Sagan, as subtis diferenças entre Natureza e Cultura na História do  Homem, penetravam com doçura nas mentes daqueles jovens, onde até o endiabrado Rui Unas, que aos 16 anos ensurdecia a escola toda nos intervalos com a secção de rádio da Associação de Estudantes, exclamava entusiasta: "Eh pá, que fixe!"


Mais tarde, vi e revi o filme "O Contacto" um romance de ficção com Jodie Foster no papel de uma cientista que experimentava uma viagem astronáutica, desafiando os poderes instituídos, tentando  ir mais além nos conceitos tradicionais e encontrar seres noutras dimensões espacio-temporais.


Hoje faz sentido recordar Carl Sagan: é o dia em que faria 77 anos. Se fosse vivo, já nos tinha dado uma emissão especial a partir da NASA por causa do asteróide que cruzou esta noite a órbita da Lua, evitando assim um desastre de proporções incalculáveis na Terra.


Tal como todos nós, que seremos um dia poalha estelar, este filho do Cosmos estará a fazê-lo brilhar hoje um pouco mais, com 77 pontinhos de luz. Que ela seja eterna na memória da Humanidade. À tua, Carl!





"Imagination will carry us to worlds that never were, without it we would go nowhere." 
Carl Sagan

terça-feira, 8 de novembro de 2011

Desfaçatez



Um aluno do 5º ano, com 10 anos de idade é apanhado a copiar num teste via sms.
Do outro lado do telemóvel estava... a mãe da criança!

É caso para dizer: quem será a mãe da criança, que ainda nem sequer compareceu no agrupamento!

O petiz, a continuar assim, instruído por tão zelosa educadora, tem assegurado um belo futuro no mundo das fraudes académicas e vai, quem sabe, licenciar-se a um domingo.

E depois dizem que a Escola é que não educa!!??

Ver aqui a notícia.

Café Filosófico em Lisboa



Palácio de Fronteira, dia 12 de Novembro, às 17 horas.
Largo de São Domingos de Benfica, 1
Lisboa

Organizado por Tomás Magalhães Carneiro

Inscrição prévia limitada a 30 participantes
Contactos: 21 778 08 35 ou amigosfcfa@vodafone.pt

É doce morrer no mar

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Marie Curie, 144 anos


O Google assinala hoje desta forma o 144º aniversário de uma das mais notáveis mulheres da História da Ciência. Nasceu em Varsóvia como Maria Skłodowska e adquiriu o nome Marie Curie por casamento com o físico francês Pierre Curie
Marie Curie foi premiada duas vezes com o Nobel: em 1903, da Física e em 1911 da Química, pela descoberta dos elementos rádio e polónio.


Pode saber mais sobre a obra de Marie Curie lendo este texto notável do Blogue De Rerum Natura.