segunda-feira, 25 de março de 2013

Depressão arrasa professores


Depressão arrasa professores e alguns até perdem a memória 
Apesar de o Ministério da Educação não divulgar dados, são cada vez mais os professores de atestado devido a depressões e burnout (exaustão física e emocional). Dirigentes sindicais e directores de escolas mostram-se convictos de que a crise agravou esta situação que, acrescenta o Diário de Notícias, não afecta apenas os docentes contratados mas também os com décadas de carreira.
 O DN apresenta, na edição de hoje, alguns testemunhos na primeira pessoa de professores afastados da sala de aula porque a “alegria” de leccionar deu lugar ao vazio escuro da depressão.
“Sei que fiquei mais gordo, por causa dos medicamentos, mas sei porque vejo nas fotografias, não me lembro disso”, confessa ao jornal um professor com 28 anos de carreira mas que passou os últimos três em casa, de baixa. Neste caso, a mudança de escola foi dramática e foi “perdendo as forças para controlar a sala de aula”.
A psicóloga Lígia Costa, da direcção de um dos sindicatos da Federação Nacional de Educação, destaca, ao DN, que os estudos “apontam o stress como factor explicativo de 50% a 60% dos dias de trabalho perdidos e como o segundo problema de saúde relacionado com o trabalho mais frequente”.
Ainda segundo a psicóloga, muitos destes “processos acabam por assumir a forma de quadros clínicos de ansiedade e perturbações depressivas”.A crise estava evidentemente associada a esta situação. O dirigente da Fenprof, Mário Nogueira, refere que “a sobrecarga horária”, as “responsabilidades que vão muito além do que seria o papel do professor”, a “crescente hierarquização e controle”, bem como “a criação de grandes agrupamentos”, em nada contribuem para o bem-estar e trabalho dos docentes.
Um estudo europeu da Sociedade Portuguesa de Inovação, citado pelo DN e que data de 2011, indicava que os professores portugueses foram os que revelaram índices mais elevados de stress e burnout (exaustão física e emocional), de entre nove países estudados.
In  DN25 de Março de 2013 

2 comentários:

  1. Estes dados não me espantam nada. O stresse aumenta a cada ano que passa, o trabalho também, as condições de trabalho pioram a olhos vistos... de espantar seria que os professores andassem alegres e contentes.
    Beijo grande, Lelé! E votos de excelente Páscoa... apesar de tudo...

    ResponderEliminar
  2. Infelizmente, este quadro também é comum por aqui.A cada ano mais e mais professores se veem adoecidos em função das péssimas condições de trabalho, aumentadas por exigências que fogem ao seu alcance.
    Abraços aos professores portugueses e à ti, Lelé.
    Calu

    ResponderEliminar