domingo, 14 de fevereiro de 2016

Indignação



Indignaram-me as condecorações de Maria de Lurdes Rodrigues e Nuno Crato, antigos ministros de Educação, pelo presidente cessante. Para mim, Cavaco termina o mandato com mais esta nódoa: a de agraciar com medalhas de honra por bons serviços prestados ao país duas das pessoas que mais mal conseguiram fazer à Escola pública e aos professores.
Há quem tente hoje em dia relativizar os "males" que MLR impôs aos docentes e à escola comparando-os com os de Nuno Crato, eventualmente ainda piores. Mas, não nos esqueçamos de que, por muito mau que Nuno Crato tenha sido, isso não pode de modo algum isentar Maria de Lurdes Rodrigues de todos os males que fez à escola pública e sobretudo aos professores. Acrescento: nunca tinham existido tantos suicídios de professores como no tempo negro que essa senhora nos fez passar. Nunca me poderei esquecer disso, nem do seu ar de freira, de discurso auto-vitimizador, do sarcasmo, do desprezo e da grosseria com que os seus secretários de estado zurziram publica e sistematicamente a classe docente, começando pela infame campanha de descredibilização da sua imagem junto da opinião pública e dos media.
O pior modelo de avaliação de desempenho docente alguma vez imposto foi o da vigência de MLR. A ideia dos professores titulares e do respetivo e absurdo concurso, idem. Foi ela quem quis estratificar os professores numa cadeia hierárquica dentro da escola, comparando-os a generais e soldados, como na tropa, e como se a escola fosse um quartel. Foi ela quem instituiu o modelo de gestão concentrando poderes numa só pessoa, como se da administração de uma empresa se tratasse. Foi ela que começou por fechar escolas. Isabel Alçada continuou. Foi ela quem começou a falar em agrupamentos. Isabel Alçada continuou. Foi ela que começou por tentar esvaziar, em suma, toda a democraticidade interna das escolas. Quando chega Nuno Crato encontra já o terreno todo minado. Transforma os agrupamentos em mega-agrupamentos, aumenta o número de alunos por turma, congela para sempre as progressões na carreira, que as suas antecessoras tinham iniciado, e lança no desemprego milhares de professores.
Manobras escusas como a requalificação, reintegração ou rescisão "amigável" não são mais do que formas de despedir pessoas, reduzindo ao mínimo os quadros e passando todos a "contratados sem termo fixo".
Enfim, poderia continuar aqui a desfiar um rosário de males que estas pessoas vieram impondo ao ensino público e aos professores, sempre em nome de supostas "melhorias", aumento da qualidade na docência, diminuição do abandono escolar ou outras patranhas do género.
Não sabe Cavaco quantas doenças profissionais estas pessoas causaram aos professores, desde depressões até suicídios, como nunca antes se tinham registado? 
Não sabe Cavaco que foi a partir do tremendo desrespeito com que Lurdes Rodrigues e seus acólitos trataram os docentes que aumentaram do forma exponencial agressões de alunos e pais a professores, de uma forma nunca vista neste país? 
Não sabe Cavaco que, mais do que nunca houve uma avaliação absurda e até inconstitucional, (como se veio a provar, sobre professores contratados, por exemplo), assim como despedimentos, erros concursais, atropelos e processos mais do que turvos na contratação de docentes, como nunca dantes se tinha visto? 
Não sabe Cavaco que foi durante a vigência de Lurdes e Crato, os seus medalhados, que mais professores tiveram de abandonar as suas famílias e as suas casas, para irem dar aulas a 200, 300 ou 400 km da sua residência? 
Não sabe Cavaco quantos casais Crato e Rodrigues ajudaram a separar ou divorciar, ou quantas crianças retiraram do colo das suas mães? 
Não sabe porventura Cavaco que durante a vigência de Crato e Rodrigues a indisciplina nas Escolas atingiu números e gravidade nunca dantes vistos em Portugal?
Quantas pessoas Crato e Rodrigues obrigaram a ter de pagar para trabalhar, colocados de modo a que tivessem de pagar duas rendas, fazer face a consumos de gasolina e portagens impossíveis de aguentar?
Não sabe Cavaco que muitos professores, não tendo emprego no sistema público, tiveram de entregar-se nas mãos de máfias de alguns colégios privados, onde são objeto de quase escravatura, desde abusos nos horários, até situações de assédio moral e chantagens de todo o tipo?
Não há dúvidas sobre os méritos que estes dois medalhados tiveram na vida das escolas e dos professores. 
Cavaco termina o seu mandato da pior maneira possível: legitimando e prestando honrarias à incompetência e à maldade. 
Parabéns ao Cavaco! Estas condecorações são bem o retrato de quem as atribuiu.

5 comentários:

  1. assino por baixo. Foi graças à sinistra que me vi obrigada a pedir reforma antecipada - e bem penalizada. Para não morrer.

    ResponderEliminar
  2. adenda: graças à sinistra e ao não ter visto jeitos de que, com os seus sucessores IA e NC, alguma coisa fosse ser revertida, melhorada .... a perspectiva do inferno ad aeternum ...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tens razão, Ana. Nada mudou, ou antes, tudo continuou na mesma rota de destruição iniciada por MLR e continuada pelo Crato.

      Eliminar
  3. Por alto, e para sempre, Lurdes Rodrigues e Nuno Crato representam um golpe destrutivo e irremediável na qualidade do ensino em Portugal. Pensaram que iam passar para a História, e passaram, mas apenas pela negativa. O seu problema não é político, mas patológico. Nuno Crato sofre da doença formalista, em Matemática, a de que o fundamental é debitar, em exames, a linguagem simbólica, e os seus encadeamentos, como os papagaios. Deveria voltar a sentar-se no banco dos alunos, para aprender a teoria dos modelos e sistemas, explicada por pequenos esquemas auxiliares e as frases certas, em Português. Infelizmente do desconhecimento do grande público ficou a discussão entre a minha amiga Priscila e Lurdes Rodrigues, durante as aulas da mesma. A Priscila queria elaborar um trabalho de mestrado sobre profissões, e dentro das profissões, sobre a de bombeiro. A criatura, a ex anarquista, não quis, e acabou por confessar que não queria por que, para ela, só havia duas profissões, a de engenheiro e a de médico (!) Como engenheiro, dou-lhe total razão, e acho que ela fracassou como "professora", pelo que deveria frequentar uma oficina de reabilitação, que lhe explicasse que uma professora falhada nunca deveria ter sonhado ser ministra, ou, talvez mais elementar, inscrever-se numa oficina de aprendizagem dos rudimentos mínimos de humanidade

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "200% de acordo, Luís. Humanidade é conceito que não cabe no léxico dessa gente, burocrata e de um total primarismo intelectual. Mas o que dizer da mediocridade de quem manteve, contra 200 mil, Maria de Lurdes, à força, no poder até ao fim e de quem, a posteriori, os condecora??? Tsssss!!! É lamentável!...
      Abraço grande para ti e obrigada pelo teu oportuno contributo, querido amigo.

      Eliminar