sábado, 3 de novembro de 2012

A refundação do Estado português

A fundação do reino de Portugal foi feita por D. Afonso Henriques lá para as bandas de 1143, depois de ter andado à pancada com a mãe e o primo, rei de Castela. 
Pode dizer-se que a vontade de fundar uma nação devia ser mesmo grande para justificar tais demandas, pelo que o seu cognome é "O Fundador".
Depois, ainda veio por aí abaixo à espadeirada, contra tudo o que cheirava a mouro, justificando o seu segundo cognome "O Conquistador".
Agora estamos a assistir estupefactos à segunda fundação, ou seja, à "refundação".
Passados quase 900 anos, refunda-se Portugal pela mão de estrangeiros, vindos de sabe-se lá onde e por que espúrios motivos e extravagantes vontades!
Ainda por cima pessoas com nomes estranhos, como Selassie...
Podia ser Joaquim, Silva ou Pires. Mas não, é Selassie; podia ser Kroger ou Ruffer . Mas não, é Selassie. Podia ser Costa, Ferreira ou até Barroso, mas não: é Selassie! 
Portanto, em 1143 tivemos o Fundador, D. Afonso Henriques, filho do Conde D. Henrique de Borgonha e de D. Teresa de Leão, nascido em Viseu (embora as versões oficiais digam que foi em Guimarães). Em 2012 temos o Refundador, de nome Abebe Aemro Selassie, nascido na Etiópia, que não deixa o caminho criar erva, como chefe da troyka, a dar sentenças sobre o que é melhor para "salvar o estado português". Ora esta!
Este nome só pode ser de ascendência moura. Ai, se D. Afonso Henriques o apanhasse a jeito aqui em Lisboa, não escaparia por certo aos presumíveis 60 Kg da sua espada! 

2 comentários:

  1. Nem mais, Lelé! :(
    Que farsa palhacenta inventaram agora?
    Dar cabo do Estado Social? E continuar a cobra-nos impostos altos? Para quê então?
    E fazê-lo pelas receitas já mais que testadas e falhadas de um bando de estrangeiros?
    Isto é que é uma nova invasão bárbara! Deveriamos renegar este anti-patriotas e esta ingerência estrangeira. Uma coisa é serem credores (e mesmo assim, à má-fila, especulativos, agiotas..) outra é deixarem que ditem tudo o que fazemos. Por isso estes meninos se diziam "preparados" para governar... já sabiam que iam ligar o piloto automático e deixar a tarefa entregue a outros.
    Quanto ao "Sei-lá-se-é" (havia um ditador canibal com esse nome não havia, se bem me membro?) já houve quem me dissesse que representa o revanchismo contra os países ex-colonialistas. Daí parecer mais cruel e insensível que o outro nórdico que foi tratar de outros devedores...
    E a merkelina hoje a dizer que a UE deve ter austeridade mais... CINCO anos! e... para dar boa impressão "aos mercados", pois claro. Outra que se fia na bondade dos mercados.
    Isto é uma vergonha nacional e europeia!
    Bom fim-de-semana
    Bjinho

    ResponderEliminar
  2. Parabéns pelo oportuno texto, gostei muito. Bj

    ResponderEliminar