sábado, 28 de fevereiro de 2009

XVI Congresso do PS


António Costa classificou hoje, em Espinho, o Bloco de Esquerda de “parasita”, ao justificar a necessidade do PS de pedir a maioria absoluta para governar com estabilidade na próxima legislatura, na apresentação da moção de estratégia ao XVI Congresso do PS cujo primeiro subscritor é José Sócrates, intitulada “A Força da Mudança”.

Usando como exemplo o caso da Câmara de Lisboa, a que preside, Costa lembrou a ruptura do acordo que o PS tinha com o BE, para demonstrar como o PS não pode “ter ilusões” sobre a viabilidade de futuros acordos pós-eleitorais.

Fazendo um balanço da gestão governativa do PS, António Costa garantiu que a direcção socialista quer a maioria absoluta para “prosseguir a modernização do país”, e apontou alguns objectivos para a próxima legislatura, como o de “acabar com a diferença de salários entre homens e mulheres”, o de combater a violência doméstica e o de reconhecer o direito ao casamento entre pessoas do mesmo sexo.

Depois de António Costa, Fonseca Ferreira apresentou a sua moção, “Mudar o PS para Mudar Portugal”, abordando a necessidade de “uma nova ordem mundial democraticamente sufragada”, para deixar a tribuna a Edmundo Pedro, histórico fundador do PS, que é também subscritor do texto estratégico.

Edmundo Pedro, que se destacou no processo de preparação do Congresso por ter considerado que no PS e em Portugal havia medo, subiu à tribuna para começar por elogiar José Sócrates e afirmar: “Estou contigo.”

O histórico socialista garantiu que o Governo liderado por José Sócrates tem “uma preocupação social” e que “fez o que ninguém mais fez”, não podendo ir mais longe devido à crise.
São José Almeida Público.pt 28.02.2009 - 13h24

Sem comentários:

Enviar um comentário