domingo, 11 de julho de 2010

Até que enfim, um pouco de bom senso?

REDUÇÃO DAS TAREFAS ADMINISTRATIVAS


Artigo 6-A Redução das tarefas administrativas

«1 — A marcação e realização das reuniões previstas no n.º 2 do artigo 2.º do presente despacho e da alínea c) do n.º 3 do artigo 82.º do ECD deve, para o reforço da sua eficácia, eficiência e garantia do necessário tempo para o trabalho dos docentes a nível individual, ser precedida:

a) Da ponderação da efectiva necessidade da sua realização e da possibilidade de atingir os mesmos objectivos através de outros meios, desde que não se trate de matérias que careçam legalmente de deliberação do órgão em causa;

b) De uma planificação prévia da reunião, estabelecendo as horas de início e do fim e com ordens de trabalho exequíveis dentro desse período;

c) Da atribuição aos seus membros trabalho que possa ser previamente realizado e que permita agilizar o funcionamento dessas reuniões;

d) Do estabelecimento de um sistema de rigoroso controlo na gestão do tempo de forma a cumprir a planificação.

2 — Os órgãos dos agrupamentos de escolas e escolas não agrupadas, e bem assim as respectivas estruturas de coordenação educativa e supervisão pedagógica, devem:

a) Evitar a exigência ao pessoal docente de documentos que não estejam legal ou regulamentarmente previstos;

b) Contribuir para que os documentos exigidos aos docentes ou produzidos na escola tenham uma extensão o mais reduzida possível;

c) Assegurar que a escola só se envolve em projectos que se articulem com o respectivo projecto educativo.»


Despacho 11120-B/2010 sobre a organização do ano lectivo

O que é preciso é ver quantas Direcções vão cumprir e se isto vai ser entendido como apenas recomendável ou a título indicativo, como se ouve muitas vezes dizer!

Sempre que vejo a frase "Cabe às Direcções Executivas" tudo pode acontecer! Sempre que a tutela faz este jogo de lava-mãos, livra-se do peso da culpa se as coisas derem para o torto. É que isto da autonomia convém às vezes, mas noutras nem tanto.

Bom senso? Um rasgo de lucidez?
Não sei, seria bom que eu ainda acreditasse em histórias da carochinha.
Vamos ver quem irá fazer caso desta recomendação de aparente bom senso e diminuição da burocracia, assim como dos excessos de carga horária...

Pode ler-se o comentário do Paulo Guinote, com mais optimismo e humor que eu, aqui.


Ilustração: Albrecht Dürer, A Coruja

4 comentários:

  1. Não acho que se trate de um jogo de lava-mãos. Se a tutela fizer mais do que recomendar não leva em conta a diversidade de situações nas escolas e é acusada de centralismo impositivo.
    Uma coisa é certa: a Carochinha não era a Milú Rodrigues nem o Shreck era o Valter Lemos.
    A questão é saber se a Carochinha e o Schreck estão agora por aí, sob o comando do Capitão Gancho...

    ResponderEliminar
  2. Ai, estão, estão!
    Estão sob a "Alçada" do capitão Gancho, sim!

    ResponderEliminar
  3. Um burocrata, num gabinete em Lisboa, consegue ver o que centenas de Directores nunca quiseram admitir.
    Irão admitir agora?
    Viva a Burocracia?!

    ResponderEliminar
  4. «Pode ler-se o comentário do Paulo Guinote, com mais optimismo e humor que eu, aqui.»

    O Paulo é um optimista por natureza. Mas eu estou mais com o Reitor. Isto é só fumarada para os olhos do pessoalzinho. Os professores parecem baratas tontas a correr atrás do prejuízo e nem dão conta que este governo até já mudou o nome do local onde dantes se aprendia e ensinava: escola. Agora chama-se Unidade não sei de quê. Deve ser o únco país do mundo onde os maiores inimigos das pessoas estão no Poder.

    ResponderEliminar