sábado, 2 de abril de 2011

Dia Internacional do Livro Infanto-Juvenil - Hans Christian Andersen


O dia internacional do livro infanto-juvenil é comemorado desde 1967, por iniciativa da International Board on Books for Young People - IBBY, em homenagem ao criador dinamarquês Hans Christian Andersen, nascido a 2 de Abril de 1805, sendo atribuído, de dois em dois anos, a escritores e ilustradores vivos, o mais prestigiado prémio literário internacional da literatura infanto juvenil - A Medalha Hans Christian Andersen.

Andersen nasceu em Odense-Dinamarca, numa família muito modesta, seu pai contava-lhe histórias que ele adorava e muito novo aprendeu a ler. Contudo, foi obrigado a deixar a escola aos 11 anos, aquando da sua morte. Felizmente, a sua aptidão para o teatro e literatura já tinha nascido.

Aos 14 anos, já em Copenhaga, foi-lhe dada a oportunidade, pelo diretor do Teatro Real, de estudar, trabalhar como ator e bailarino e de escrever algumas peças. Em 1828, depois de ter publicado alguns livros, entrou para a Universidade .

Deixou uma extensa obra literária: ensaios, canções, peças de teatro, histórias, contos de fadas com os quais se tornou mundialmente conhecido e que fazem parte do imaginário da maioria das crianças do mundo, desde a sua publicação até hoje.

Cantava, desenhava, fazia colagens e recortes de papel, que nos conduzem aos seus contos e ao seu universo imaginário, poético e fantástico. Os recortes são verdadeiras obras de arte que muitas vezes ele criava enquanto contava as suas histórias.



(Recortes em papel de Hans Christian Andersen)

Gostava muito de viajar e curiosamente visitou Portugal. Escreveu a respeito "Uma visita a Portugal em 1866", que é um relato muito curioso, interessante e pormenorizado de toda a sua estadia, com descrições e observações dos passeios, das visitas, a sua visão do país na época, as suas queixas do calor.

(Estátua de Hans Christian Andersen no Central Park em New York)

Foi sua anfitriã a família O'Neill, amigos de longa data, sobre quem faz muitas referências, e descreve, sobretudo, as suas estadas em Lisboa - Quinta do Pinheiro; em Setúbal -Quinta dos Bonecos; em Sintra, onde se encontra assinalada a casa em que se hospedou e ainda passagens rápidas por Aveiro e Coimbra. Em Portugal, sentiu-se inspirado e escreveu alguns poemas, que inclui no memorial da sua passagem pelo país. Hans Christian Andersen foi um criador com uma enorme e talentosa imaginação.

Texto de Tita Fan.
Imagens enviadas por José Ruy, a quem agradeço a colaboração.

A casa de Hans Christian Andersen em Sintra:



Hans Christian Andersen - o filme "My life is a fairy tale"



Nota da editora: ver mais sobre Hans Christian Andersen aqui, aqui e aqui.  

Sem comentários:

Enviar um comentário