sexta-feira, 29 de junho de 2012

Crepes, a magia da culinária



Considero os crepes, uma invenção de origem francesa, uma das ideias mais geniais para fazer render a comida e também um prodígio de versatilidade. Quando tenho alguma paciência e inspiração, gosto do exercício de tecer aquela finura, qual tecido, que depois enrolo com carinho, dobro em quatro ou franzo, tentando fazer habilidades culinárias.
Hoje tive a ideia de fazer crepes e aproveitá-los para "desenrascar" um jantar e um lanche.
Para a massa usei apenas 150 gr de farinha, 1 ovo, 1 chávena de leite, 1 colher de sopa de azeite e 1 pitada (mínima) de sal de cozinha. Deu para fazer 10 crepes finos, numa frigideira pequena. É necessário que o fundo seja mesmo anti-aderente. 
O resto vem de acordo com a inspiração do momento e os ingredientes que na altura existirem em casa. Deixo aqui as "fases" do procedimento, que não pode ser mais simples; até uma criança faz.



Uma parte dos crepes foi recheada com queijo creme com ervas e 200 gr de salmão fumado em fatias finas, que temperei previamente com sumo de limão e endro. 


Deu para enrolar 7 crepes, o que rende uma boa refeição para três pessoas.


Cobri com molho bechamel e levei ao forno a gratinar um pouco (10 minutos). 
É importante não juntar sal ao molho porque o salmão fumado e o queijo creme já têm sal mais do que suficiente. Senão corre-se o risco de que o prato resulte salgado, o que não faz nada bem à saúde. Para acompanhar preparei entretanto uma salada de alface, pepino e tomate, com coentros. 


O sumo de laranja ou a limonada combinam muito bem com este prato. Mas quem preferir, pode acompanhar com vinho branco ou rosé, cerveja ou até sangria.


Aos crepes que sobraram juntei morangos cortados em quartos e gelado caseiro de banana, maçã e kiwi sem açúcar (foto do topo).
Fotos (c) Pérola de Cultura 

Sem comentários:

Enviar um comentário