terça-feira, 27 de setembro de 2011

Raio de equinócio de outono


Nunca lidei bem com o outono. Nem no tempo em que ainda se escrevia com maiúscula.
O outono é a estação do ano em que todas as maleitas, escapando disfarçadas sob a alegria do verão, se manifestam agora com toda a sua crueldade.

Desta vez, na própria manhãzinha do equinócio de setembro, ainda antes do raiar do dia, apercebi-me de uma dor brutal num joelho, que, contra tudo o que seria conveniente e oportuno, se recusa a cooperar com os meus deveres profissionais e necessidades pessoais.

Como se de dobradiça de porta velha se tratasse, daquelas enferrujadas por muitas chuvas, o dito entrou em greve e faz questão de infernizar os meus dias, como se eu fosse algum faquir, daqueles que estão habituados a conviver com a dor e fazem dela sua companheira de eleição.

Só que a minha vocação não é essa e estou aqui que nem posso, de revolta e tristeza.
Literalmente emplastrada, aqui me quedo parada, vendo os dias murchar e escurecer. 

Nos intervalos deste miserável retiro forçado tenho interessantes encontros privados com médicos bem parecidos e da minha idade, de bata branca, a minha tão branca quanto a deles.

Em gabinetes à média-luz e com voz suave, enquanto mordisco os lábios antes mesmo de me tocarem, sugerem: "vamos então tirar as calças?"
E, continuando naquele doce sussurro: "então, vamos lá deitar aqui?"
E por fim: "está confortável?"
E eu a tudo que sim, claro.

A história não evolui como vocês têm a tendência de imaginar, mas com um grito que se me escapa furtivo e me deixa os olhos marejados de lágrimas.
E eles: "ah, pois! É aqui!". 
E eu "|!"#$%&/()=?»"!!!!!

Aos amigos (ou nem por isso) que frequentam este Blogue, lanço uma pergunta. Digam-me, por favor: se envelhecer é uma arte, onde se pode encontrar a sua beleza???

Ilustração Emmy Cicierega, The Art of Animation

4 comentários:

  1. Amiga blogger, calma! Há dias bons e outros menos bons. E o outono, como diz e muito bem, é terrivelmente antipático. Especialmente agora que foi despromovido a letra minúscula...
    Mas há sempre o amigo antidepressivo. É meu amigo há mais de vinte anos. E ajuda muito...
    Cheer up!

    ResponderEliminar
  2. Obrigada, Carol.
    Em vez de anti-depressivos, antes recorrer ao poder do pensamento positivo. Mas há dias e dias, claro.
    Não se preocupe, eu costumo ser conhecida como a "sobrevivente"!

    ResponderEliminar
  3. E também temos que ver que este é de facto um outono atípico que mais parece verão. Julgava que este ano já estava safo dos problemas que o calor me gera, mas não é bem assim. Devo dizer que enquanto estou a escrever estas palavras, sinto o suor a querer vir para a base da nuca. Por isso, olha, o tempo é que está maluco. mas quero crer que melhores dias hão-de vir. Pelo menos são esses os meus votos. Bjs.

    ResponderEliminar
  4. Até o tempo entrou em crise existencial...
    Quanto aoenvelhecer bem, só há um segredo - manter a saúde física e intelectual. Eu sei, por vezes ambas escapam ao nosso controlo.
    Quanto aos antidepressivos... longe com eles, como bem sabes, Lelé!
    Espero que estejas melhor...

    ResponderEliminar