quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Paulo Guinote versus Maria de Lurdes Rodrigues


Paulo Guinote, o editor do Blogue mais lido da esfera docente, A Educação do Meu Umbigo, foi alvo de um processo por parte de um jornalista da Visão. Em causa está um artigo sobre os aumentos salariais dos professores que é uma perfeita mistificação. Os dados, suponho eu, que não conheço os pormenores do processo, devem ter sido fornecidos pelo próprio ministério da Educação, liderado em 2006 por Maria de Lurdes Rodrigues.

Não me espanta por aí além que um jornalista processe Paulo Guinote, alguém que não teme as palavras e não evita pôr às escâncaras a verdade quando é caso disso. Ministros, políticos ou diretores têm passado nem sempre incólumes pela sua pena implacável. O que me espanta é que o ministério público ou os tribunais portugueses não tenham mais com que se ocupar, por exemplo, caçar os criminosos que puseram este país de pantanas, e, em vez disso, se deem ao trabalho de constituir arguido um professor de História, cujo único crime é fazer um Blogue.

Não conheço o jornalista em questão, mas sei de que massa é feito Paulo Guinote: é pessoa honesta, feita de simplicidade e lisura. Incómodo, mas vertical. Cobardia é coisa que nunca lhe conheci e não será por ser alvo de um processo ridículo que perderá a sua paz de espírito. É, em conjunto com outros professores da blogosfera docente, das pessoas que mais tem feito pela dignidade dos professores portugueses. E não se pode falar de dignidade sem repor a verdade. Por isso me solidarizei com ele desde a primeira hora.



Atrevo-me a dizer que espero que este processo não chegue à fase de julgamento; mas se chegar, gostaria de ver a cara de Maria de Lurdes Rodrigues, que se prestou ao triste papel de ser testemunha, a favor da acusação e contra o Paulo.

A ex-ministra, por sua vez, é arguida num processo, "acusada do crime de prevaricação de titular de cargo político pelo DIAP de Lisboa". Em causa estão mais de 300 mil euros de um contrato com "um amigo"...

Não sei qual é a credibilidade de uma testemunha que tem o rabo preso num processo destes. Pelos vistos não está suficientemente ocupada com o tacho da presidência da Fundação que Sócrates lhe ofereceu de bandeja quando deixou o ministério da educação. Então, vai gastar o seu tempo a testemunhar em tribunal contra um "zeco"! Se lá puser os seus excelsos pezinhos!

4 comentários:

  1. A ideia, que não convém desvendar muito, é mesmo (re)virar o processo contra quem o colocou, aproveitando para denunciar os atropelos à verdade dos factos.

    Sou assinante da Visão, tenho muito para encontrar.

    Obrigado pelo apoio.

    ResponderEliminar
  2. A minha boca abriu-se e levei tempo a fechá-la....de espanto, embora me espante como ainda me espanto com estas coisas. Francamente....o jornalista se não tinha mais nada com que se preocupar é porque está muito pouco atento!!!
    Tita Fan

    ResponderEliminar