domingo, 29 de janeiro de 2012

Sobre o ensino da relojoaria em Portugal


A célebre casa dos 24 tinha registada uma “Corporação de Relojoaria”, onde era feita a aprendizagem segundo a tradição medieval.
A primeira escola institucional de relojoaria, que se conhece, funcionou adstrita à Real Fábrica dos Relógios, fundada na 2ª metade do século XVIII, uma iniciativa do Marquês de Pombal. Mestres franceses orientaram operários e aprendizes até a Real Fábrica falir.
Durante o final do século XIX funcionou uma oficina na penitenciária. Contudo, nos meados do século XIX, já a Real Casa Pia de Lisboa pagava a grandes mestres para que recebessem alguns aprendizes em regime de externato.
A partir de 1894, passa a existir uma oficina num palacete situado no nº 113 da rua de São João da Mata, alugado pela Casa Pia.
O ensino foi, depois, transferido para o Mosteiro dos Jerónimos, sendo diretor técnico da escola, Augusto Justiniano de Araújo.
O ensino prosseguiu durante meio século, embora com intermitências. Já no século XX, com a reforma do ensino de 1948, o governo contrata o mestre suíço Walter Sutter para dar início a um ensino profissional.

BIBL:DICIONÁRIO DE RELOJOARIA DE FERNANDO CORREIA OLIVEIRA

Tita Fan

1 comentário:

  1. A propósito...
    POEMA DE FERNANDO PESSOA

    “ Não sei o que é o tempo
    Não sei qual a verdadeira medida que ele tem, se tem alguma.
    A do relógio sei que é falsa, divide o tempo especialmente, por fora.
    A das emoções sei também que é falsa:
    divide não o tempo, mas a sensação dele.
    A dos sonhos é errada; neles roçamos o tempo,
    uma vez prolongadamente, outra vez depressa,
    E o que vivemos é apressado ou lento
    conforme qualquer coisa do decorrer cuja natureza ignoro.
    Julgo, às vezes, que tudo é falso,
    e que o tempo não é mais que uma moldura
    para enquadrar o que lhe é estranho.”
    Tita Fan

    ResponderEliminar