domingo, 22 de maio de 2011

Ainda as Novas Oportunidades


"(...) Um destes dias, o líder do PSD sugeriu que o programa Novas Oportunidades "certifica a ignorância" e foi trucidado. O eng. Sócrates, a voz embargada e a hipocrisia solta, acusou-o de "de insultar os 500 mil portugueses que obtiveram com o seu esforço e coragem uma melhoria das suas habilitações". O isento presidente de uma Agência Nacional para a Qualificação (ANQ), o penduricalho institucional que gere o programa, acusou-o de "desconhecimento" e "irresponsabilidade". A sra. ministra da Educação acusou-o de "desfasamento da realidade". A imprensa gritou "escândalo".

Removido o simulado chinfrim, um pedestre aproveitamento eleitoral, toda a gente sabe que as Novas Oportunidades constituem a maior fraude de um sistema educativo repleto de fraudes. Ninguém ensina nada, ninguém aprende nada, os formadores arranjam um emprego deprimente e os formandos contam "histórias de vida" e adquirem um papel cuja única utilidade é a de manter empregadores à distância.

Dadas as peculiaridades do seu próprio percurso académico, supõe-se que o eng. Sócrates seja sincero quando chama esforçados e corajosos aos frequentadores das Novas Oportunidades, os quais, na impossibilidade de enviar as "histórias de vida" por fax, têm de se arrastar até uma sala melancólica. Mas aí deveria terminar a tolerância e começar o autêntico escândalo.

Escandalosa é a simpatia, ou no mínimo a indiferença, dedicada a um logro que envolve centenas de milhares de criaturas. Escandalosa é a exploração das criaturas para embelezar as estatísticas e servir a propaganda. Escandalosas são as lágrimas (lágrimas, santo Deus) do eng. Sócrates quando evoca as criaturas. Escandaloso é o recurso a meios públicos para arregimentar criaturas a fim de testemunharem nos comícios do PS (aconteceu pelo menos em Vila Franca de Xira). Escandaloso é o país que admite isto, não as afirmações do dr. Passos Coelho, que por uma vez acertou em cheio. Se compararmos com a concorrência, acertar uma vez já não é mau. As dores da concorrência provam-no."

Alberto Gonçalves, DN

1 comentário: