quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Aquilo que irrita a Ana é o que me irrita a mim

Neste momento há duas atitudes em relação à greve que me estão a irritar. Uma é esta nova forma de estar contra mas.., ou seja, "eu sou a favor da greve mas não faço". De tão egocêntrica (porque hoje estou em grave na adjectivação), nem me apetece comentá-la. A segunda é um argumento-chavão que surge sempre nestas alturas e que é geralmente utilizado por quem não faz greves e a quem falta alguma cultura política e que é "Eles não querem é trabalhar".
Pergunto eu: qual é a pessoa que trabalha e que vai fazer greve, descontando UM DIA de ordenado, para poder simplesmente ficar sem fazer nada? Até porque quem diz que "eles não querem é trabalhar" são os mesmos que dizem "eles não fazem nada". Então, mais vale continuar a não fazer nada no local de trabalho pois pelo menos sempre se recebe o ordenado, não?

Agora quanto aos professores: nenhum professor no seu perfeito juízo faz greve por fazer, até porque a lei confere-nos o direito de pedir um dia de férias por mês e sai-nos bem mais barato.... Há quem não faça greve por convicção (poucos e eu já fui uma delas), há quem não faça por oportunismo (muitos, pois não querem perder um dia de ordenado, se a escola fechar têm uma borla sem custos, esperam que a luta dos outros depois lhes traga alguns benefícios também...), por indiferença e conformismo (demasiados, na minha modesta opinião). E ainda há os baldas (que continuam a existir) e que NUNCA tomam nenhuma atitude tão extrema como fazer uma greve, até porque convém-lhes não chamar a atenção enquanto vão passando "por entre os pingos da chuva").

A minha decisão de fazer greve custou-me "horrores", "engoli paletes de sapos", porque estou francamente farta dos sindicatos e de como subordinam as "lutas" às suas agendas políticas, porque não tem sentido nenhum convocar uma greve para depois da aprovação do orçamento, porque fico verde só de pensar no dinheiro que o estado vai pôr ao bolso à minha pala. Mas decidi que faço greve porque não há-de ser por mim que o virá a ouvir dizer que afinal as pessoas até concordam e aceitam estas políticas, porque quero que para os meus alunos e para os EEs fique bem patente a minha discordância e revolta com esta situação e porque quero continuar a andar de cabeça bem erguida sem ter contribuído com um pingo que seja para abalizar esta cambada de "Dantas" que se apoderou do país.

Ana Mendes da Silva, professora

4 comentários:

  1. Muito bem, Ana! Revejo-me nessas suas palavras e por isso aderi à greve... Do outro lado, os mesmos oportunistas e baldas a olharem-me de lado. Os pais e os EEs não puseram em causa esta minha convicção. Apesar do meio pobre onde trabalho, porque sofrem na pele as facadas da política deste (des)governo,pude reiniciar o trabalho de cabeça erguida. Quem trabalha, com denodo e autoridade nesta profissão, passa incólume na onda anti-ensino público que por muitos lados grassa. Rui Pina

    ResponderEliminar
  2. Rui
    Obrigada pelo comentário assertivo. Partilho.

    ResponderEliminar
  3. It is a difficult decision to strike. Each must stand by their own beliefs.

    ResponderEliminar
  4. Ao ler todos estes comentários recordo todas as minhas irritações passadas, pois sempre fiz greve. Constato que tudo está exatamente igual, infelizmente.
    Os que sim, os que não, os que nim.....e os oportunistas.
    Bj. Maria Fernanda

    ResponderEliminar