segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Memória de dois grandes poetas

RETRATO PRÓPRIO


Magro, de olhos azuis, carão moreno,
Bem servido de pés, meão na altura,
Triste de facha, o mesmo de figura,
Nariz alto no meio, e não pequeno;

Incapaz de assistir num só terreno,
Mais propenso ao furor do que à ternura,
Bebendo em níveas mãos por taça escura
De zelos infernais letal veneno;

Devoto incensador de mil deidades
(Digo, de moças mil) num só momento,
E somente no altar amando os frades;

Eis Bocage, em quem luz algum talento;
Saíram dele mesmo estas verdades
Num dia em que se achou mais pachorrento.

Bocage (1765 - 1805)


AUTO-RETRATO


O'Neill (Alexandre), moreno português,
cabelo asa de corvo; da angústia da cara,
nariguete que sobrepuja de través
a ferida desdenhosa e não cicatrizada.
Se a visagem de tal sujeito é o que vês
(omita-se o olho triste e a testa iluminada)
o retrato moral também tem os seus quês
(aqui, uma pequena frase censurada...)
No amor? No amor crê (ou não fosse ele O'Neill!)
e tem a veleidade de o saber fazer
(pois amor não há feito) das maneiras mil
que são a semovente estátua do prazer.
Mas sofre de ternura, bebe de mais e ri-se
do que neste soneto sobre si mesmo disse...

Alexandre O'Neill (1924- 1986)

Aqui ficam dois auto-retratos de dois grandes poetas da Literatura Portuguesa: Bocage e Alexandre O’Neill. Pode-se afirmar que o segundo é um pastiche do primeiro. De qualquer forma não se trata de um mero decalque, já que, sob a aparência das semelhanças, O’Neill não deixa de evidenciar o seu próprio estilo, onde é notório o prazer do jogo literário.
L.A.

Sem comentários:

Enviar um comentário