quinta-feira, 22 de outubro de 2009

Inicia-se a era Isabelina


A pasta da Educação foi entregue a uma professora-escritora, não a uma professora-socióloga-do-trabalho, como a anterior.

Isabel Alçada tem a vantagem de ser um bom bocado mais agradável no trato e parecer mais moderna.

A desvantagem é ter afirmado na campanha eleitoral do PS o seu incondicional apoio às políticas educativas implementadas pelo Ministério da Educação (as célebres 7 medidas), o que faz prever que as quererá PROSSEGUIR E DESENVOLVER, que era o lema de campanha do PS.

Não há que esperar milagres da nova ministra, pois se não apoiasse as linhas de orientação para a Educação do governo, não teria certamente sido escolhida para o cargo.

Vamos ficar numa postura expectante a ver se a nova ministra tem capacidade de ouvir, compreender e alterar aquilo que tem de ser alterado desde já: o modelo de Avaliação dos Docentes e a divisão da Carreira em duas categorias, titulares e não titulares, duas das situações mais graves impostas pelo ministério de Maria de Lurdes Rodrigues de má memória.

É bom recordar aqui as 7 medidas educativas enunciadas por Isabel Alçada na Campanha do PS e às quais declara o seu inteiro apoio por considerar "importante a PROSSECUÇÃO E APROFUNDAMENTO do trabalho que tem vindo a ser realizado".



3 comentários:

  1. Estou como tu, Lelé, na expectativa.
    A ver vamos, com uma certeza - pior não será!
    Beijoca

    ResponderEliminar
  2. Anabela
    Tens razão.
    Pior seria impossível, já que foi surreal!
    Abraço.

    ResponderEliminar
  3. Eu ouvi mal ou a futura ministra vê tudo com oculos côr de rosa???

    ResponderEliminar