segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

Em tempos antigos era assim


"Na Infância as escolas ainda não tinham fechado.
Ensinavam-nos coisas inúteis como as regras da sintaxe e da ortografia, coisas traumáticas como sujeitos, predicados e complementos directos, coisas imbecis como verbos e tabuadas.
Tinham a infeliz ideia de nos ensinar a pensar e a surpreendente mania de acreditar que isso era bom.
Não batíamos na professora, levávamos-lhe flores."


Rosa Lobato Faria

Texto enviado pela Becas

6 comentários:

  1. É, Rosa Lobato Faria, antigamente parecia que havia respeito aos mestres, educadore e professores. Mesmo com todos os problemas que, certamente, naquela época já existiam, a educação era levada mais a sério. Aqui, hoje, no Brasil, em vez de flores, os professores recebem até mesmo agressões físicas dos alunos...que tempos são esses não é mesmo?! Parabéns pelo texto, pequeno mas essencial e importante. Uma boa semana prá vocês, :)
    Suziley.

    ResponderEliminar
  2. Pois é, Rosa, eu também sou da época em que nos ensinavam "conteúdos inúteis, desnecessários", para o nosso crescimento intelectual e para a nossa formação como um todo. Mesmo assim, presenteávamos nossos professores com flores e jamais ousávamos nos dirigir a eles com desrespeito, quanto mais pensar em agressão física.
    Mas os tempos mudaram. Os meios de comunicação e todas as ferramentas tecnológicas estão à disposição das crianças e jovens, dando a entender que o saber recebido nos bancos escolares está fora de moda e que o professor é apenas uma peça de uma engrenagem arcaica, quase em desuso. Afinal, ninguém precisa mais de um mediador para esclarecer dúvidas, basta entrar num site qualquer e copiar aquilo que procura. E o pior, como os pais não dispõem de tempo para acompanhar os estudos dos filhos, fica bem mais fácil, para ambos, tal solução, inclusive para muitos "professores", que já aceitam essa prática, porque isso é ser" moderno",é estar em consonância com os novos valores que norteiam a atual sociedade.
    Eu devo ser vista como uma professora jurássica, que não quer se render a esse novo modelo de "deseducação"

    Um grande abraço

    ResponderEliminar
  3. Obrigada pelas vossas contribuições.

    Rosa Lobato Faria, se ainda estivesse entre nós, gostaria dos vossos comentários ao seu texto.

    Abraços.

    ResponderEliminar
  4. (Risos)...Oi, Lelé Batita, pensava que Rosa Lobato Faria ainda estivesse, aqui,no mundo dos vivos...mas, em todo caso, ela com certeza está em alguma "nuvem" junto ao Pai Eterno saboreando os nossos comentários. Afinal, sua mensagem continua vivíssima e atual! Ser educador (a) nos dias de hoje é um grande desafio e já capacita quem decide sê-lo ao céu!! Hehe...uma boa semana, abraços, :)
    Suziley.
    P.S.: Ainda não consegui concretizar a idéia que me sugeristes sobre as receitas da culinária brasileira. Estou com o tempo corrido pelo meu trabalho. E também estou na dieta..haha..mas vamos ver que vou conseguir..hehe!!
    Idem.

    ResponderEliminar
  5. Olá Suziley

    Veja mais abaixo no Blogue dois posts sobre o desaparecimento de Rosa Lobato Faria, grande escritora, actriz e autora de canções.

    Não há problema quanto às receitas. Estamos aí.
    Eu também estou cheia de trabalho, assim como a maior parte dos professores portugueses.

    Só de vez em quando "vou roubando" uns bocadinhos ao descanso para passar por aqui.

    Abraços.

    ResponderEliminar