sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

Isabel Alçada desdramatiza Acordo Ortográfico


"A ministra da Educação defende que os professores com um simples lápis devem fazer o exercício com os alunos de corrigirem a antiga grafia dos livros.

A ideia foi deixada esta tarde na sessão oficial de abertura das Correntes d’Escritas, o encontro de escritores, que decorre na Póvoa de Varzim.

Isabel Alçada, que defendeu a aplicação do Acordo Ortográfico nas escolas no ano lectivo de 2011/2012, considera que não se trata de uma tarefa complicada, terá os seus ritmos, mas os professores poderão já começar a ajudar.

Vasco Teixeira, administrador da Porto Editora e membro da Comissão do Livro Escolar, até não vê com maus olhos a ideia, mas lembra que o Acordo vai levar mais tempo a ser aplicado.

“Não é possível num único ano lectivo substituir os livros e os manuais todos que temos no país, não só pelos prejuízos que isso podia causar aos editores, mas sobretudo pelos prejuízos que causava às famílias”, argumenta.

Há que fazer um planeamento da implementação do Acordo Ortográfico em “dois ou três anos lectivos” e Portugal deve atender aos ritmos da lusofonia africana, defende
Vasco Teixeira."


Rádio Renascença, 24 de Fevereiro de 2010

Sem comentários:

Enviar um comentário