segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Definitivamente tenho alma helénica



Até no nome, por decisão acertada da minha mãe. Ainda eu estava na sua barriga e já a estética e os nomes gregos a tinham conquistado. Parecia que adivinhava ela que eu me iria apaixonar por um país, uma paisagem, uma cultura, um berço civilizacional. 
Está-me a vir ao de cima um sentimento que não sei se é somente de preocupação com a Grécia, ou com todos os países europeus, que, sendo periféricos, se arriscam a desaparecer do mapa por domínio dos mais fortes. 
Hoje sinto-me grega. Não sei fazer cocktails Molotov, só fazia o pudim e mal. 
Não aprovo violência nem destruição, mas ia à luta, se preciso fosse, em caso de... 
Que ao menos deixassem os gregos encontrar o seu caminho, sem lhes retirar a soberania. 
E já agora, se não for pedir muito, a nós também.

Sem comentários:

Enviar um comentário