domingo, 13 de dezembro de 2009

Hypatia de Alexandria no cinema




Alejandro Amenábar, o realizador de "Mar Adentro" apresenta "Ágora", um filme que retrata a Alexandria do Século IV, dominada pelos Romanos, onde a crescente influência dos cristãos deu origem a ondas de grande violência contra todos aqueles que representavam os valores da Cultura Clássica.

Apelidados de pagãos, eram apedrejados, queimados ou trucidados, como aconteceu a Hypatia, filósofa, matemática e astrónoma brilhante, com a desvantagem de ser mulher numa sociedade dominda por poderes masculinos.

Filha de Theon, Hypatia estudou na Academia de Alexandria, onde se interessava por todas as formas do conhecimento herdado de Platão, Aristóteles, Ptolomeu, Plotino e outros. A matemática, a astronomia, a filosofia, a religião, a poesia e as artes, assim como a oratória e a retórica foram algumas das suas áreas de estudo que fizeram dela uma professora respeitada.

A sua obra enriqueceu a Biblioteca de Alexandria, a cuja destruição selvagem Hypatia assistiu horrorizada, tendo, apesar de tudo, conseguido salvar alguns livros de referência da cultura clássica.

Vale a pena ver a cuidadosa reconstituição de Alexandria e a brilhante prestação de Rachel Weisz neste filme magnífico.

Veja aqui o trailer do filme.

9 comentários:

  1. Olá Lelé
    Ontem fomos ver este filme e também estou a preparar um post sobre o mesmo. Chegaste a ver a visita de estudo a Miróbriga? Tens de lá ir, aquilo é maravilhoso.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  2. Vi sim, Olinda.
    Lá mais para o Verão vou lá dar um salto.
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  3. Um filme a ver por quem gosta de cultura clássica. Bem lembrado.

    ResponderEliminar
  4. É mesmo assim, Ramiro.
    Diria mesmo, indispensável aos amantes da Filosofia e da História, como nós.
    Já consegui que alguns alunos fossem vê-lo.
    Mais tarde, quando sair do circuito de exibição vou adquiri-lo em DVD para usar na Escola.

    ResponderEliminar
  5. Há uma peça de teatro que escrevi, publicada em livro em 2004 (Porto: Campo das Letras) que traz para a cena a tragédia da filósofa de Alexandria. Chama-se A última lição de Hipátia. É a única das minhas peças publicadas que nunca foi encenada. A segunda parte, que dá o nome à obra, consiste na dramatização das últimas horas de vida de Hipátia. Leiam e confrontem ambas as reinvenções ficcionais em torno desta figura demasiado esquecida.
    Boas leituras e Bom Ano Novo
    Armando Nascimento Rosa

    ResponderEliminar
  6. Obrigada, Armando.
    Assim que possível, irei procurar.

    ResponderEliminar
  7. Trata-se de um filme a ver obrigatoriamente por todos os que acham que o fanatismo é um dos piores males ao longo da história humana.
    Queimar livros..!
    Condenar alguém por ter ideias diferentes..!

    ResponderEliminar
  8. Fiquei fascinada!!
    Sem dúvida podemos tirar muitas ilações o pensamento humano e as atitudes divergem....

    ResponderEliminar
  9. Ao assistir a esse filme, mais uma vez chego a conclusão que nossa terra foi habitada por seres tão superiores aprisionado em corpos humanos tão primitivos principalmente em um corpo feminino em uma época que a mulher não valia nada...., mas vieram trazer seus conhecimentos para evoluçãpo da nossa espécie. É o que acredito.

    ResponderEliminar