quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

Greenpeace protesta na Torre de Belém





Por altura da Cimeira Ibero-Americana em Lisboa, a Greenpeace aproveitou, como sempre, a presença de mais de 20 chefes de Estado para chamar a atenção para os perigos reais das alterações climáticas e a responsabilidade que os governos dos países terão de assumir na travagem deste processo, cujos efeitos mais imediatos já se fazem sentir, por exemplo, no aquecimento global.

As faixas que a Greenpeace colocou na Torre de Belém diziam: "O nosso clima - a vossa decisão".

Como se pode ver nestas imagens, há pedaços dos glaciares da Antárctida que se quebraram e estão à deriva nos mares do Pacífico sul, dirigindo-se às costas da Nova Zelândia.

Prevê-se que na Cimeira de Copenhaga a começar dentro de 5 dias, a Greenpeace proceda a novas intervenções.

2 comentários:

  1. Sem querer ser muito mau, mas será que a todos os membros (ou pelo menos os dirigentes) da Greenpeace andam em carros eléctricos ou de baixo consumo? Será que andam todos de transportes públicos? Será que todos fazem a reciclagem? Será que todos se preocupam em reduzir o consumo de água por razões que não de economia monetária?

    Desculpa a provocação Lelé! ;) Estás melhor?

    ResponderEliminar
  2. Elenáro

    Não sei, não os conheço a todos pessoalmente.

    Falei com alguns dirigentes no barco que esteve ancorado na Expo 98 e a partir daí fiquei mais atenta às suas intervenções.

    Considero que a maior parte delas são pertinentes e oportunas, embora por vezes irreverentes, mas essa é a sua forma de estar, a sua imagem de marca, tipo pedra no charco!...

    Não agradam a toda a gente, mas se calhar é mesmo para incomodar que a sua presença se justifica.

    A Greenpeace tem tido um importante papel na denúncia de situações calamitosas como a pesca ilegal e a consequente ameaça de extinção de várias espécies; a desflorestação criminosa da floresta amazónica; o desrespeito pelos compromissos de redução das emissões de CO2 e tantas tantas outras causas.

    Mas, Elenáro, quanto às tuas questões: provavelmente a resposta é sim. Devem fazer reciclagem dos lixos, andar em veículos menos poluentes.... certamente não se deslocaram a Lisboa em jactos privados extremamente poluentes, como fez o Al Gore.

    Se bem que para vir do Canadá até aqui, não poderiam vir de veleiro... não sei, digo eu!

    Abraços.

    PS: estou convalescente, a cuidar das sequelas de uma gripe que não sei se foi A, B ou C. :-)

    ResponderEliminar