domingo, 13 de fevereiro de 2011

Maria Schneider, 1952 - 2011


A actriz francesa Maria Schneider, nascida a 27 de Março de 1952, ficou conhecida desde o filme O último tango em Paris de Bernardo Bertolucci, onde protagonizava uma jovem que vivia uma relação com um homem mais velho. Este papel foi interpretado em 1972 por Marlon Brando, de quem Maria se tornaria uma amiga para toda a vida. 


Bertolucci, que queria em primeiro lugar a actriz Dominique Sanda para o papel de Jeanne no Último Tango em Paris, teve de abdicar dela, já que as cenas de sexo previstas com Marlon Brando eram inviáveis por a actriz se encontrar grávida.


Bertolucci terá acabado por pedir desculpa a Maria por "lhe ter roubado a inocência", dado que esta tinha apenas 20 anos quando a célebre cena de sexo anal com Brando a marcou profundamente, colando-se-lhe como um rótulo que acabou por prejudicá-la na carreira.


Maria confessou que, embora Brando não estivesse a fazer nada real, as suas lágrimas eram de real sofrimento por se ter sentido violada, pois na verdade, nem o seu partner nem o director a tinham avisado previamente da cena que lhe iria ser exigida. Brando não lhe pediu desculpa, tendo-lhe apenas dito "don't worry, Maria, it's just a movie!" 


Após esse que foi, para bem e para o mal, o seu mais célebre filme, as suas participações mais destacadas no cinema foram em Jane Eyre, de Franco Zeffirelli, em 1996 e em O Passageiro de Michelangelo Antonioni, em 1975.


Maria Schneider recebeu a medalha do Cavaleiro da Ordem das Artes e das Letras do Ministério da Cultura em Paris em 2010 e morreu a 3 de Fevereiro de 2011, vítima de cancro.

3 comentários:

  1. Lembro muito bem da grande novidade que foi este filme, apelidado de escandoso na época e da corrida a vê-lo quando após o 25 de Abril foi permitida a exibição em Portugal. Grande Marlon Brando que nos brindou com tão belíssimos trabalhos. Quanto à
    Maria sofreu na pele o ser "mulher". Naquela altura ainda deve ter tido influência.
    TitaFan

    ResponderEliminar
  2. Sim, claro que teve. Este filme foi para Maria Schneider aquilo que de melhor e de pior aconteceu na sua carreira. De melhor, porque a lançou para a fama, de pior, porque o papel acabou por estigmatizá-la, numa sociedade onde a hipocrisia e os preconceitos ainda eram (e já não serão?) muito fortes.
    Quanto a Marlon Brando... a Lelé não simpatiza com ele, diz que ele é um canastrão ;-)

    ResponderEliminar
  3. Na verdade os gostos não se descutem, mas quando ele era novo era muito giro ou seria o gosto do tempo..., e participou em filmes bons. Depois ficou tão irreconhecível que até me fez pena......
    As melhoras da Lelé e que seja rápido!
    Bj aos dois
    Tita Fan

    ResponderEliminar