quinta-feira, 13 de maio de 2010

Josef Ratzinger ontem e hoje







No mínimo inquietante, isto de começar nazi e acabar santo...

9 comentários:

  1. Mas a isso é chamado Misericórdia de Deus.
    Deus acolhe todos os pecadores; o mais importante é reconhecer que se é pecador pedir perdão e recomeçar. Deus está sempre disponível a acolher quem O ama.
    Cristina

    ResponderEliminar
  2. Lelé, a história não é assim tão linear. Não nos podemos esquecer que a questão da Juventude Hitleriana não era uma opção para o jovem Ratzinger. Era obrigatória a inscrição nessa organização.

    No entanto, os tempos do terceiro Reich, fizeram mal ao senhor, de facto. Umas décadas mais tarde ele voltaria a um caminho semelhante ao entrar para a Congregação para a Doutrina da Fé. E isto sim, demonstra bem não só o verdadeiro espírito do senhor como também da própria Igreja que, depois das asneiras feitas pela Santa Inquisição e, séculos depois, ainda arranjou forças para se ver livre de vez dessa "simpática" organização.

    ResponderEliminar
  3. Que tal voltares para o Nigela "bites"...!?

    Arranja um futuro....

    ResponderEliminar
  4. Certo, Elenaro.
    A história nunca é simples nem linear.

    O jovem Josef Ratzinger foi recrutado aos 16 anos, ainda no seminário, para integrar uma unidade de combate anti-aéreo contra os Aliados. Como jovem aluno acredito que não tivesse outra escolha senão tornar-lhe artilheiro da juventude hitleriana e vestir o uniforme da Wehrmacht.

    Mas, já adulto e oficiando como sacerdote, fazer ainda a saudação nazi na missa? Hein?

    E ter excomungado Leonardo Boff e outros teólogos progressistas que defendiam a libertação de certos dogmas da Igreja?

    Para não falar na intervenção desastrosa em África, o país mais devastado pela SIDA, a apelar à rejeição do uso do preservativo!

    E chegar a Lisboa em 2010 e evocar o Cardeal Cerejeira? Será tudo por acaso?

    Tenho todas as dúvidas do mundo.

    ResponderEliminar
  5. Admiro-me de certos comentadores, em geral Anónimos (claro!), que, visivelmente não se identificam nada com a linha deste Blogue, mas insistem em cá voltar uma e outra vez!

    I wonder why...

    Se for somente por puro voyeurismo, vêm ao sítio errado; se for para fazerem o favor de aumentar o número de visitas, até dispenso, na medida em que não retiro desta actividade quaisquer proventos.

    Entendidos?

    ResponderEliminar
  6. Como eu amo os anónimos!
    Rastejam o que for preciso, qual minhoca invertebrada, vomitando o seu fel a torto e a direito, atacando sempre pela calada da noite, a coberto do anonimato!
    Adoro-os!
    Beijinho para ti, Lelé!
    Vamos em frente!

    ResponderEliminar
  7. Lelé

    Sim eu sei disso. E é como te disse, a questão não está no facto dele ter sido membro da dita juventude mas antes no que o senhor tem feito desde aí.

    Os anónimos, de facto, são uma espécie deveras interessante. You gotta love'em.

    ResponderEliminar
  8. Oh Yeah, os Anónimos, essa espécie de toupeiras...

    ResponderEliminar
  9. ai o que já me ri...Lelé, mas tu insultas as toupeiras, milhér! chama-lhes "nónis" é carinhoso e 'num' ofende os bichinhos.

    ResponderEliminar