segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

Valter Hugo Mãe sobre os professores


Os professores 
 "Achei por muito tempo que ia ser professor. Tinha pensado em livros a vida inteira, era-me imperiosa a dedicação a aprender e não guardava dúvidas acerca da importância de ensinar. Lembrava-me de alguns professores como se fossem família ou amores proibidos. Tive uma professora tão bonita e simpática que me serviu de padrão de felicidade absoluta ao menos entre os meus treze e os quinze anos de idade. A escola, como mundo completo, podia ser esse lugar perfeito
... Ver mais de liberdade intelectual, de liberdade superior, onde cada indivíduo se vota a encontrar o seu mais genuíno, honesto, caminho. Os professores são quem ainda pode, por delicado e precioso ofício, tornar-se o caminho das pedras na porcaria de mundo em que o mundo se tem vindo a tornar. Nunca tive exatamente de ensinar ninguém. Orientei uns cursos breves, a muito custo, e tento explicar umas clarividências ao cão que tenho há umas semanas. Sinto-me sempre mais afetivo do que efetivo na passagem do testemunho. Quero muito que o Freud, o meu cão, entenda que estabeleço regras para que tenhamos uma vida melhor, mas não suporto a tristeza dele quando lhe ralho ou o fecho meia hora na marquise. Sei perfeitamente que não tenho pedagogia, não estudei didática, não sou senão um tipo intuitivo e atabalhoado. Mas sei, e disso não tenho dúvida, que há quem saiba transmitir conhecimentos e que transmitir conhecimentos é como criar de novo aquele que os recebe. Os alunos nascem diante dos professores, uma e outra vez. Surgem de dentro de si mesmos a partir do entusiasmo e das palavras dos professores que os transformam em melhores versões. Quantas vezes me senti outro depois de uma aula brilhante. Punha-me a caminho de casa como se tivesse crescido um palmo inteiro durante cinquenta minutos. Como se fosse muito mais gente. Cheio de um orgulho comovido por haver tantos assuntos incríveis para se discutir e por merecer que alguém os discutisse comigo. Houve um dia, numa aula de história do sétimo ano, em que falámos das estátuas da Roma antiga. Respondi à professora, uma gorduchinha toda contente e que me deixava contente também, que eram os olhos que induziam a sensação de vida às figuras de pedra. A senhora regozijou. Disse que eu estava muito certo. Iluminei-me todo, não por ter sido o mais rápido a descortinar aquela solução, mas porque tínhamos visto imagens das estátuas mais deslumbrantes do mundo e eu estava esmagado de beleza. Quando me elogiou a resposta, a minha professora contente apenas me premiou a maravilha que era, na verdade, a capacidade de induzir maravilha que ela própria tinha. Estávamos, naquela sala de aula, ao menos nós os dois, felizes. Profundamente felizes. Talvez estas coisas só tenham uma importância nostálgica do tempo da meninice, mas é verdade que quando estive em Florença me doíam os olhos diante das estátuas que vira em reproduções no sétimo ano da escola. E o meu coração galopava como se estivesse a cumprir uma sedução antiga, um amor que começara muito antigamente, se não inteiramente criado por uma professora, sem dúvida que potenciado e acarinhado por uma professora. Todo o amor que nos oferecem ou potenciam é a mais preciosa dádiva possível. Dá -me isto agora porque me ando a convencer de que temos um governo que odeia o seu próprio povo. E porque me parece que perseguir e tomar os
professores como má gente é destruir a nossa própria casa. Os professores são extensões óbvias dos pais, dos encarregados pela educação de algum miúdo, e massacrá-los é como pedir que não sejam capazes de cuidar da maravilha que é a meninice dos nossos miúdos. É como pedir que abdiquem de melhorar os nossos miúdos, que é pior do que nos arrancarem telhas da casa, é pior do que perder a casa, é pior do que comer apenas sopa todos os dias. Estragar os nossos miúdos é o fim do mundo. Estragar os professores, e as escolas, que são fundamentais para melhorarem os nossos miúdos, é o fim do mundo. Nas escolas reside a esperança toda de que, um dia, o mundo seja um condomínio de gente bem formada, apaziguada com a sua condição mortal mas esforçada para se transcender no alcance da felicidade. E a felicidade, disso já sabemos todos, não é individual. É obrigatoriamente uma conquista para um coletivo. Porque sozinhos por natureza andam os destituídos de afeto. As escolas não podem ser transformadas em lugares de guerra. Os professores não podem ser reduzidos a burocratas e não são elásticos. Não é indiferente ensinar vinte ou trinta pessoas ao mesmo tempo. Os alunos não podem abdicar da maravilha nem do entusiasmo do conhecimento. E um país que forma os seus cidadãos e depois os exporta sem piedade e por qualquer preço é um país que enlouqueceu. Um país que não se ocupa com a delicada tarefa de educar, não serve para nada. Está a suicidar-se. Odeia e odeia-se."
Texto de Valter Hugo Mãe 

19 comentários:

  1. Inspirador, promissor,construtivo, afetivo, libertador,... Obrigado pelo reconhecimento da importância da escola na vida de cada um de nós!

    ResponderEliminar
  2. Lindíssimo! Senti imenso orgulho de ser professora. Obrigada Valter Hugo Mãe

    ResponderEliminar
  3. Obrigado, Margarida. São os alunos que me tornaram professor...conseguir contagiar o nosso entusiasmo, ajudar os outros a serem eles mesmos... ajudar a aprender...é tão gratificante.

    ResponderEliminar
  4. Valter Hugo Mãe, "O Filho de Mil Homens", contra a "Desumanização"... Obrigada, por varejares este poder cego e incapaz de discernir, porque perdeu o deslumbramento, e por partilhares de forma invulgarmente bela, o caminho para não transformarem este país n"A Máquina de fazer Portugueses".
    No FREUD terás, em breve, o espelho mais fiel da tua humanidade. Que possam vogar sempre felizes e companheiros
    acima do lodo! ÉS LINDO, UMA ESCOLA DA VIDA!

    ResponderEliminar
  5. “Quantas vezes me senti outro depois de uma aula brilhante. Punha-me a caminho de casa como se tivesse crescido um palmo inteiro durante cinquenta minutos.”

    ResponderEliminar
  6. Como pai e avô deixo aqui a minha homenagem sincera ao autor deste texto. Bem haja.

    ResponderEliminar
  7. Certeiro e inspirado,sim. E já agora convém reparar na data em que foi escrito...

    ResponderEliminar
  8. Obrigada por não desistir de dizer, de lembrar, de acordar...

    ResponderEliminar
  9. Parece-me que também cresci agora um palmo! Belíssimo texto.Haja alguem que dê valor aos professores.









    ResponderEliminar
  10. Fico impactada com seu texto e muito emocionada. Porque em meu país Brasi,atualmente, ou quase sempre os governos tratam mal a Educação e os professores. No México professores foram mortos ao defenderem a Educação. Seu texto é muito humano e cheio de sabedoria. Obrigada

    ResponderEliminar
  11. Lindo, especialmente o trecho sobre sentir-se outro e crescido, depois de uma aula brilhante!
    Entretanto, quem é da área reconhece que há professores que não poderiam continuar exercendo a profissão, tal o mal que fazem aos miúdos... Infelizmente. E como é difícil consertar os estragos...

    ResponderEliminar
  12. Lindo, maravilhoso, sentido. Faz todo o sentido. Obrigada Valter Hugo Mãe

    ResponderEliminar
  13. Esse texto estabelece sinapse com os meus 'neurónios-espelho'. Senti total representação... Bem haja Valter Hugo Mãe

    ResponderEliminar
  14. Estou tão grata pelo que escreveu sobre nós!
    Lamento que a sociedade não entenda que os professores são a base de construção de um país!
    Muito grata!

    ResponderEliminar
  15. Adorei. Obrigada pela sua gratidão a este "grupo" cada vez mais maltrado. Estas suas palavras deveriam ecoar até que alguém percebesse o que é realmente importante valorizar. OBRIGADA

    ResponderEliminar
  16. ... gostaria de fazer uma entrevista ao Válter...acerca de um amigo comum... diretor da Bienal D'Arte Gaia ... o pintor Agostinho Santos... no âmbito de um filme que tentamos realizar sobre a sua arte e o seu pensamento ... uma aproximação etnológica ao homem e ao pintor... carloseirol@gmail.com é o meu endereço de email ... seria uma grande honra para mim ... um serviço à cultura ... e sem duvida seria também um ato de justiça à obra do pintor Agostinho Santos... Agradeço ... Com grande estima - Carlos Miguel

    ResponderEliminar
  17. Obrigada por proporcionar a lembrança de momentos tão incríveis de realização plena que só quem já os viveu como professor pode avaliar.Minha maior conquista, minha maior fortuna foram os momentos junto aos meus alunos , saber ter sido o veículo que os propulsionava rumo à conquistas brilhantes, não só de suas mentes como de seus coracoes e de suas almas...Obrigada por ter o dom de partilhar conosco estes momentos e usar as palavras que nos levam até eles...Aos meus mestres e alunos maravilhosos, a minha eterna gratidão...Somos todos ricos e felizes de uma riqueza impossível de descrever, mas possível de partilhar..Minha querida mãe que me inspirou neste caminho já dizia: o magistério e um caminho bom para si mesmo, útil aos homens e agradável aos olhos de Deus...Que nosso mérito possa ser reconhecido e valorizado também no mundo dos homens...Obrigada Valter Hugo Mãe!

    ResponderEliminar