domingo, 3 de julho de 2011

Introdução breve e resumida à história do Iémen antigo

Sabá

O berço da civilização da Arábia do sul, um dos mais antigos centros da civilização do próximo oriente, a sua mítica história surpreendente e fascinante, só a partir dos anos 50 começou a emergir através de trabalhos de arqueólogos vindos da América ou da Europa, sem a continuidade que seria desejável. Vários reinos existiram desde há três mil anos, sendo o de “Sábá” um dos mais importantes - séc. VIII A.C. a séc. VI D.C.

Sabe-se que foi fundado por um povo semita, (a sua língua era do ramo semita), que entrou na Arábia pelo norte. Cerca de 680 A.C. o seu rei empreendeu oito campanhas e o seu domínio estendeu-se até à Abissínia, podendo ter chegado a incluir o actual Iémen e a Etiópia. Esse seu rei tomou o título de “federador” e impôs soberania aos outros reinos.

Os trabalhos arqueológicos descobriram vestígios de diques, palácios, templos, estatuária e centenas de inscrições alfabéticas em todas as regiões habitadas, algumas simplesmente com nomes, outras, verdadeiros documentos históricos.

Durante séculos os sabeus souberam utilizar as águas das chuvas que corriam das montanhas para o aprazível oásis de Mar’ib (Mareb).

Não sendo os diques já suficientes, foi construída uma barragem, impressionante obra de engenharia primitiva, da qual se podem ainda ver as duas comportas. São ainda visíveis espantosos alinhamentos de gigantescas pedras, datadas de 3000 anos, testemunhos das primeiras instalações hidráulicas.

Na estação das chuvas a barragem sustinha as águas, que passavam pelas comportas e depois um complexo sistema as redistribuía para os campos situados no nível inferior. Os antigos Iémenitas levaram até ao apogeu as técnicas de irrigação, proporcionando florestação, beleza e prosperidade, um verdadeiro oásis. Mar’ib (Mareb) era a cidade mais populosa, o centro económico e cultural da Arábia Feliz - Arábia Felix, como ficou conhecida a partir do que dela escreveu “Plíneo o Velho”.

Era um povo de mercadores bem sucedidos, tendo tido mesmo o monopólio do comércio sobre bens exóticos.

O declínio dos sabeus deu-se quando os “Plotomeus” do Egipto passaram a utilizar a nova rota pelo mar vermelho, que ligava diretamente Alexandria ao Egipto. Os reinos do Sul da Arábia enfraqueceram. Himyar, situado nas terras altas, longe das rotas das especiarias e do ouro, conhecido, entre os gregos e os romanos, como o reino Homerite, conquista a independência em 110 AC. e entre 115 AC. e 300 DC., conquista os reinos vizinhos, fazendo Zafar (hoje a  moderna Sanaa), sua capital. Pela primeira vez o sul da arábia foi unificado, sendo a religião de alguns dos seus reis monoteísta.

Após um breve período de domínio persa o Iémen torna-se parte do império muçulmano.

Ainda hoje os iémenitas estão profundamente convictos de que a lendária rainha de Sabá existiu e que efectivamente reinou em Sabá,  mas isso é outra história......

(Texto inspirado em séries televisivas.
Consultas: História do antigo Iémen- Wikipédia)

Tita Fan

(NOTA: A editora responsável deste Blogue está sem tempo nenhum.
Mas os colaboradores apostam em não deixar este espaço desaparecer ou cair no esquecimento. Mil obrigadas, Tita Fan!)

2 comentários:

  1. Uma bela passagem da História guarda esse reino.Conhecimentos e descobertas são fundamentos importantes no caminhar da humanidade.
    Gostei do que aprendi aqui hoje. Obrigada!
    Bjkas,
    Calu

    ResponderEliminar
  2. Não tem que agradecer, amiga, é com muito gosto que me intrometo no seu Blogue. O problema é não a isentar de trabalho.
    Bj
    Tita Fan

    ResponderEliminar