quinta-feira, 2 de julho de 2009

Tourada na Assembleia


Inacreditável, seria o termo apropriado para qualificar o gesto. Porém, são muitas vezes as palavras aquilo que mais ofende.

Não é na sua essência muitíssimo mais grave que o ministro Manuel Pinho faça cornos com os dedos para o deputado Bernardino Soares no Plenário, do que Jorge Pedreira (ou Valter Lemos, já não sei qual deles o fez) tenha chamado "professorzecos" aos docentes deste país, ou Margarida Moreira da DREN "cobardes" que "partem como esparguete".

A continuar a dar rebuçados destes aos partidos da oposição, não me parece que o governo tenha outra coisa a fazer senão preparar-se para ir para casa descansar durante quatro anos, apesar da saída airosa de José Sócrates.

Para a opinião pública isto é talvez tão notório como o gesto obsceno com o dedo médio feito por Berlusconi, mas o que efectivamente está em causa é a falta de boa educação e formação cívica, que seria, no mínimo um requisito básico para quem ocupa cargos governativos.

A falta do respeito que devia ser inerente à boa convivência democrática é uma atitude indigna entre pessoas que deveriam, pelo seu estatuto, ser exemplares e que foram eleitos pelo povo para o representar nos órgãos de soberania.

Perdoem-me a petulância, mas razão tinha Platão quando dizia que só os filósofos deviam ser reis e com nunca menos de 50 anos!


Imagem: Guernica-Picasso

4 comentários:

  1. Concordo. O mais triste é ver pouca responsabilidade que quem devia dar o exemplo. Dar, dá, mas cada vez menos do "bom". Portam-se pior que miúdos (se bem os miúdos têm desculpa...)

    ResponderEliminar
  2. Subscrevo a tua indignação, Helena.
    Mas que lamentável vindo de alguém com aquelas responsabilidades!

    ResponderEliminar
  3. Estive por aqui em visita ao seu blog! Vim aqui aprender um pouco com você!! Abraços Ademar!!

    ResponderEliminar