domingo, 13 de março de 2011

Pérola de Cultura pelo Campo Pequeno


O Sol fez-se acompanhar de boa disposição e calor humano. O Campo Pequeno, embora não tenha chegado a abarrotar, encheu-se consideravelmente de professores de todo o país e de todos os graus de ensino.


No exterior, os "Homens da Luta", que se dirigiam à Avenida da Liberdade, fizeram questão de parar para cantar e saudar os professores à beira da Avenida da República, demonstrando-lhes a sua solidariedade:
"Luta, luta, camarada, luta!" - incitavam eles os muitos que acorreram entusiasmados.


Tinha prometido aos meus amigos irmos dali para a Avenida da Liberdade, cumprida que estivesse a nossa participação numa tomada de posição que à condição profissional do sector dizia respeito.


A massa humana demorou a encher o recinto e os discursos multiplicaram-se com a tónica do desemprego e precariedade que se agravará no próximo ano, a organização do ano escolar e os horários, a redução salarial, a redução do direito de organizar as férias com as famílias e, last but not least, o absurdo e as injustiças em torno do modelo de Avaliação de Desempenho Docente.


Um dos momentos altos da tarde foi a entrada dos colegas de EVT, que se organizaram em torno da sua Associação, com disfarces coloridos em tons de amarelo, em que a fantasia deixava transparecer alguma satisfação e esperança pela votação na Assembleia da República, na semana passada, da recusa do Despacho que previa a dissolução do seu par pedagógico.




Só após as 18 horas foi aprovada a Moção que encerraria o Plenário e se deu início ao desfile para o Ministério da Educação na Avenida 5 de Outubro.



Enfim, é verdade que a manifestação da Avenida da Liberdade também nos interessava enquanto exercício de democracia directa, até porque, como cidadãos, fazemos parte dos "enrascados". Apesar disso, pelo adiantado da hora, acabámos por não ir lá, embora com pena.


Ficámo-nos pelo Tim Tim, quando a chuva começou a marcar o cair da noite e sobreveio o cansaço e a desmobilização.

(Fotos de Pérola de Cultura, 12 de Março de 2011)

6 comentários:

  1. Eu era de ir a todas e reclamava contra a muita indiferença.....mas, agora, não me perguntem porquê, uma grande tristeza me invade......
    Tita Fan

    ResponderEliminar
  2. A minha tristeza decorre dos muitos erros estratégicos dos parceiros em quem habitualmente confiávamos e também da falta de consideração que os nossos governantes demonstram todos os dias pelos seus concidadãos.

    ResponderEliminar
  3. Força aí Helena.

    Bela reportagem, obrigado.

    Abraço.

    PauloPrudêncio.

    ResponderEliminar
  4. Este modelo de luta não funciona, Lelé! É muito, muito fraquinho! temos de ser mais criativos.
    Beijocas

    ResponderEliminar
  5. Pois sim, eu estou a ficar cansada de lutar e não ver resultados e muita gente acomodada, à espera que sejam os outros a fazer tudo, enquanto fica refastelada no sofá pensando somente nas suas conveniências pessoais.
    Acho mesmo que vou mudar de actuação rapidamente!
    Quando vislumbrares soluções mais criativas apita.
    Beijinhos.

    ResponderEliminar