sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Sobre o Sagrado


As primeiras teorias sobre o sagrado foram elaboradas no domínio da etnologia, da sociologia e da história das religiões. Estas revelam a presença indubitável do sagrado em todos os povos e culturas como uma categoria central de interpretação e de compreensão na visão do mundo e como um universal da espécie homo Sapiens.

Como fenómeno universal, o sagrado apresenta-se, portanto, investido de um valor inatingível e inviolável e parece ter emergido da necessidade que o ser humano sempre experimentou de conciliar a natureza e vencer a morte, mergulhando na atribuição de significados e de valores, onde se transcende o quotidiano e se acede a uma outra esfera de sentido, de alteridade, num outro diferente.

Assim, com base no sagrado o homem constrói um mundo habitável, seguro, orientado e aberto para um futuro.

Numa perspectiva antropológica, o sagrado designa uma ordem de realidades, cuja natureza e valor superam radicalmente a natureza e o valor das coisas do mundo em que vivemos. De acordo com Durkheim, sempre existiu uma oposição, fundamental e irredutível, entre o sagrado e o profano, concebida pelo espírito humano como dois mundos absolutamente incomunicáveis e intransponíveis.

Sob a tensão entre o sagrado e o profano articulam-se e desenvolvem-se as diversas concepções do mundo e uma imensa criação de mitos e ritos que a fenomenologia encontra desde as religiões primitivas e arcaicas até às grandes religiões reveladas.

Becas

Sem comentários:

Enviar um comentário