terça-feira, 5 de outubro de 2010

Centenário da República

Foto: (c)Pérola de Cultura

Num dia único como este, não poderia deixar de assinalar o sentimento singular de estar a viver uma comemoração irrepetível na minha vida.
Faz hoje 100 anos que um grupo de homens do Partido Republicano derrubou a monarquia para instaurar um regime mais democrático, o primeiro passo de uma série de avanços e recuos que nos trouxeram até aqui.
Na primeira República, tal como hoje, o que existe é uma democracia imperfeita, dirão alguns; é verdade, mas antes democracia do que oligarquia ou ditadura.
Hoje os meus alunos perguntavam-me se essa tinha sido a primeira revolução dos cravos...
Cravos não creio que tenha havido, mas vontade de mudar o estado da nação, sem dúvida.
Sobre o que falhou, deixo a palavra aos historiadores. Mas talvez todos nós ainda estejamos a aprender a democracia e é útil conhecer os erros do passado para não os repetir no presente. 

5 comentários:

  1. Atenção que monarquia e democracia também jogam muito bem... basta olhar os exemplos da Europa do Norte.
    E é certo que muitos erros foram cometidos, e muitos continuam a cometer-se... esperemos que as trajectórias sejam corrigidas ou isto pode acabar mal...
    A ver vamos.

    ResponderEliminar
  2. Amiga
    Pois pelas recentes notícias de fontes próximas, sou levada a conjecturar que a fórmula escandinava está a falhar, também ela. Na Suécia acaba de ganhar um partido de extrema-direita que vai retirar direitos fundamentais de cidadania, se conseguir formar um governo minoritário.
    A Espanha está um caos e na Holanda já dizem que há medidas de tipo fascista, racista e xenófobo como nunca se viu.
    Será que as monarquias europeias estão com os dias contados???

    ResponderEliminar
  3. Olhem...eu estou que nem posso! nem quero falar dos meus feelings.
    beijo às 2.

    ResponderEliminar
  4. Acho que está a confundir República com Democracia... São coisas diferentes. Até 1910 vivíamos numa Monarquia Constitucional, que é um regime democrático. Não estou a defender a monarquia, mas é certo que um Rei daria uma estabilidade a este país que ele necessita urgentemente...

    ResponderEliminar
  5. Não confundo nada República com Democracia e sei muito bem que são coisas diferentes. Há monarquias democráticas e há repúblicas que são ditaduras.
    Vivi na República salazarista que foi uma tristeza: não tolero ditaduras, seja de que cor política forem.
    Pelo contrário, conheço as monarquias da Escandinávia, que são democracias (ou eram até há duas semanas, altura em que ganhou as eleições um partido de extrema direita na Suécia e pode acabar com a democracia naquele país) e onde os cidadãos têm uma participação muito directa e empenhada na vida do país.
    Já o caso da Espanha, é complicado, pois é uma monarquia democrática, mas que está ainda pior do que nós em termos de desemprego, violência e endividamento das famílias.

    Quanto a voltar a ter aqui um rei, estou totalmente em desacordo. Depois de nos habituarmos a eleger um presidente da República, não estou a ver os portugueses a aceitarem ser representados por alguém como o D. Duarte Pio de Bragança, que, francamente, vocação política não tem nenhuma e para tomar o poder só poderia evocar a linhagem e o direito ao trono por via hereditária. Por eleições nunca irá para o poder, por golpe de estado monárquico, tenho muito sérias dúvidas.

    ResponderEliminar