sexta-feira, 3 de abril de 2009

Professores de Santo Onofre acusados de não cumprirem dever de cidadania


Ainda a procissão vai no adro.
Hoje mesmo foi feito o seguinte Despacho:


“Comunico e determino a cessação do mandato do actual Conselho Executivo com efeitos a partir de hoje, 2 de Abril de 2009.
O Director Regional de Educação
José Joaquim Leitão
09.04.02”


Reza assim o Despacho que exonerou hoje o Conselho Executivo do Agrupamento de Escolas de Santo Onofre, Caldas da Rainha.
Começou a guerra aberta e a prepotência atinge agora uma Escola cheia de mérito.
Faltava mais um ano lectivo para este órgão de gestão terminar o seu mandato, para o qual foi democraticamente eleito.

Segundo a resposta que a ministra deu hoje na Assembleia da República a Ana Drago, “isto aconteceu porque o cumprimento da lei não é facultativo, é obrigatório e esta Escola recusou-se a participar”.


“Os professores não quiseram participar na governação das suas escolas e não cumpriram um dever de cidadania: o de apresentar uma ou mais listas ao Conselho Transitório”. “Choca-me que não tirem partido desse direito, mas se é assim que querem muito bem: a escola é pública e o Estado tem a obrigação de assegurar a sua governação nos termos da lei”, são as declarações de Valter Lemos ao Público de ontem.

Esta é a versão oficial, mas… acresce que os 180 docentes do Agrupamento se recusaram a entregar os seus objectivos individuais no processo de avaliação… e aprovaram uma moção de repúdio a esta medida. A presidente destituída tenciona recorrer desta decisão.

De qualquer maneira quero deixar aqui expresso o meu apoio e solidariedade para com os colegas de Santo Onofre pela coragem que têm vindo a assumir perante este procedimento, a todos os títulos condenável, do Ministério da Educação.

Outras demissões, certamente, se lhe seguirão. Há muitos mais focos de resistência.

1 comentário:

  1. Ao passar por aqui não poderia, desta vez, abster-me a comentar.
    Assim, registo o meu total apoio e solidariedade para com os colegas da escola em causa.

    ResponderEliminar