sexta-feira, 17 de abril de 2009

Secretário de Estado Jorge Pedreira sempre no mesmo registo em reunião


"No decurso da reunião, mas sem que fosse oficialmente assumido e/ou devidamente esclarecido, o Secretário de Estado retomou a possibilidade de abdicar da existência de vagas, mas colocando como condições:

1. A existência de um Entendimento com os Sindicatos, aceitando estes a divisão da carreira em categorias, as quotas de avaliação, a prova de ingresso, entre outros aspectos negativos e que se rejeitam;

2. A introdução de requisitos para realização da prova de acesso a professor titular que, por si só, impediriam milhares de docentes de a realizarem, deixando-os imediatamente impedidos de acederem aos escalões de topo da carreira;

3. A elevação do grau de exigência da prova de acesso, de forma a que esta constituísse mais um instrumento apertado de selecção.

Em suma, o Ministério da Educação, em vez de permitir que todos os professores realizassem a prova de acesso, sendo titulares apenas os que obtivessem vaga, quanto muito admitiria o contrário, ou seja, condicionar o universo dos que poderiam realizar a prova, fixando requisitos que deixariam, logo à partida, muitos de fora. Assim, todos os que a realizassem com sucesso poderiam entrar na categoria, pois o número já seria reduzido, deixando de se justificar a existência de vagas.

Evidentemente que, à comunicação social, o Secretário de Estado não explicou tudo isto, pois interessa manipular a opinião pública deixando-a pensar que se está perante qualquer tipo de flexibilidade ou cedência negocial que, na verdade, não existe."

Site da Fenprof

Lembro que está agendada para sábado uma reunião no Teatro da Comuna à Praça de Espanha, pelas 15 horas sob o tema "A Luta dos professores e a defesa da Escola Pública".
É importante a presença dos professores na medida em iniciámos o terceiro período sem quaisquer estratégias e há uma grande indefinição sobre como concertar as atitudes a tomar.
Bem sei que há também o lançamento do livro do Paulo Guinote "A Educação do Meu Umbigo" às 16, 30 na Biblioteca Nacional, mas esta reunião é uma oportunidade que não deveremos desperdiçar.
Estarão presentes os representantes dos movimentos independentes de professores, assim como António Avelãs, presidente do SPGL.

1 comentário:

  1. Isto não é flexibilidade nenhuma, é simplesmente chantagem, para que, dando um rebuçadinho, os professores abdiquem da luta.

    ResponderEliminar