domingo, 14 de março de 2010

Síndrome de La Tourette 2


Quadro Clínico

Esta doença está classificada (...) no grupo das Perturbações Emocionais e de Comportamento com Início habitualmente na Infância e Adolescência (...) e descrita como Perturbação de tiques vocais e motores múltiplos combinados.

Sendo a descrição supracitada bastante explícita dos sinais que se podem observar, importa contudo referir que os múltiplos tiques motores e vocais, incluindo coprolalia, podem aparecer em simultâneo ou em diferentes períodos da doença. Numa primeira fase da doença, esta manifesta-se por episódios de tiques simples, normalmente faciais.

A doença manifesta-se quase sempre na infância e adolescência e tem sido observado que é mais frequente em indivíduos do sexo masculino. Os tiques podem ser simples - piscar de olhos ou pigarrear – ou complexos – movimentos faciais, dos membros, ou coprolalia. São movimentos súbitos, rápidos, estereotipados, recorrentes e não ritmados.

Os tiques fónicos iniciam-se cerca de dois anos após os sintomas motores, com características simples como grunhidos, gritos agudos e curtos. Não raramente, a criança passa a receber apelidos conforme o som que desenvolve. Por exemplo, muitas crianças passam a ser conhecidas na escola por “hic”, porque ao apresentar o tique motor, emitem este som agudo e breve.

A coprolalia enquadra aqueles indivíduos que, além de outros sintomas de Tourette, se vêm obrigados a repetir palavras obscenas e/ou insultos. Obviamente, a consequência desse tipo de comportamento traduz-se em diferentes graus de desvantagens no âmbito social. As situações que provoquem stress podem agravar os sintomas.

Esta perturbação pode ainda estar associada à Perturbação Obsessivo Compulsiva, podendo o doente apresentar ambas em simultâneo.

Hoje, sabe-se que esta síndrome tem origem genética, no entanto os cientistas não possuem certezas sobre as causas da Síndrome de Tourette. Sabe-se que é hereditária, na maioria dos casos, mas desconhece-se a forma exacta de como é herdada. Ainda não foi descoberto um gene específico da Síndrome de Tourette.

No entanto, os cientistas que se debruçam sobre o estudo desta síndrome, parecem concordar num ponto: os tiques da Síndrome resultam de anomalias no cérebro, tendo sido apontado por alguns investigadores, doenças no tálamo, gânglios da base e córtex frontal do cérebro e também disfunções nos neurotransmissores entre as células nervosas do cérebro.

Não existe cura para a Síndrome de La Tourette, mas existem várias formas de a controlar. Os tratamentos incluem terapia comportamental, medicações diárias e estimulação profunda do cérebro. A escolha do tipo de tratamento depende do quanto a Síndrome afecta a vida do paciente.

Texto de autoria de Becas.

2 comentários:

  1. Tenho andado a reler o livro de Minette Walters, The Shape of Snakes (traduzido em português pela Presença, creio), por causa dos recentes casos do Leandro Filipe e do Professor Luís Carmo. O livro trata simultaneamente do síndrome de Tourette e do bullying. É muito frequente que as crianças com tiques sejam alvo da atenção dos "bully", o que, ainda por cima, agrava o seu estado.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  2. Olá Tacci
    É absolutamente urgente que a escola, os governantes e as autoridades reflictam sobre os problemas do Bullying e todas as formas de violência escolar, antes que haja mais vítimas.
    Um abraço e obrigada pelo contributo.

    ResponderEliminar