quarta-feira, 31 de março de 2010

Suicidou-se mais um professor

Para ler aqui a crónica realista de Santana Castilho.

Em sua homenagem e porque a hora é de silêncio e consternação, privo-me de palavras e deixo fluir a tristeza que sinto ao som do Notturno de Grieg, como se de um requiem se tratasse.




Cortesia de Luís Alves da Costa

7 comentários:

  1. Já está a ser demasiado pesado...
    Sinto tristeza pela nossa condição...

    ResponderEliminar
  2. Thanks for sharing another Norwegian national treasure!

    ResponderEliminar
  3. Que tristeza....os meus sentimentos...
    Abraço..

    ResponderEliminar
  4. Em@!
    É, sem dúvida nenhuma um momento de luto da educação portuguesa! E uma crueldade a vários níveis, o que está a acontecer. Muitas pessoas continuam a pensar que tudo isto é "fantasia" nossa mas para quem ama a profissão, para quem gosta de ser professor, para quem se importa com a pessoa que são os alunos, sabe muito bem que é possível entrar em descompensação por todos esses motivos! E é irónico que assim seja porque são professores que amam a sua profissão, que desistem! Nem todos, graças a Deus, mas tal pode acontecer! Mas Portugal deixa-se comprar por Magalhães, por e-escolas, por novas oportunidades, rendimentos mínimos e afins, que, ao invés de serem uma forma de ajudar a sociedade a desenvolver-se, estimulam o parasistismo e a desumanização das sociedades! Não me conformo!

    ResponderEliminar
  5. Lelé!
    É, sem dúvida nenhuma um momento de luto da educação portuguesa! E uma crueldade a vários níveis, o que está a acontecer. Muitas pessoas continuam a pensar que tudo isto é "fantasia" nossa mas para quem ama a profissão, para quem gosta de ser professor, para quem se importa com a pessoa que são os alunos, sabe muito bem que é possível entrar em descompensação por todos esses motivos! E é irónico que assim seja porque são professores que amam a sua profissão, que desistem! Nem todos, graças a Deus, mas tal pode acontecer! Mas Portugal deixa-se comprar por Magalhães, por e-escolas, por novas oportunidades, rendimentos mínimos e afins, que, ao invés de serem uma forma de ajudar a sociedade a desenvolver-se, estimulam o parasistismo e a desumanização das sociedades! Não me conformo!

    ResponderEliminar
  6. É verdade, Anabela!
    Tudo isto é uma realidade demasiado pesada!

    ResponderEliminar