segunda-feira, 1 de março de 2010

Sobre a greve do dia 4 de Março


COMUNICADO DOS MOVIMENTOS INDEPENDENTES DE PROFESSORES

PORQUE NOS DEMARCAMOS DA GREVE DO DIA 4 DE MARÇO

"Os movimentos independentes de professores, APEDE, MUP e PROmova, demarcam-se da greve de professores agendada pelos sindicatos para o próximo dia 4 de Março e, por conseguinte, não farão nenhum apelo à participação dos docentes nesta jornada de luta, sem que tal opção traduza da nossa parte qualquer beliscar da justeza da greve para muitos funcionários públicos ou mesmo qualquer discordância de fundo com a maioria das razões invocadas para a justificação da mesma.

Esta posição, além de exprimir o sentimento geral de desmobilização e de falta de confiança dos professores na capacidade destas direcções sindicais para defenderem as suas reivindicações centrais, mercê da frustração e da indignação com que a maioria dos docentes recebeu o Acordo de Princípios celebrado entre sindicatos e ME, escora-se no conjunto das razões a seguir expostas:

1. ninguém compreende que escassas semanas após a celebração de um Acordo entre sindicatos e ME, que passou para a opinião pública uma mensagem de entendimento e pacificação (mesmo que ilusória), os sindicatos se venham agora envolver na forma de luta mais extrema, ao mesmo tempo que continuam a negociar com o ME, sobretudo quando, no momento oportuno para o fazerem, claudicaram na defesa das principais reivindicações dos professores, nomeadamente o fim deste modelo de avaliação e a recusa do sistema de quotas (porque o fim da divisão da carreira era uma conquista adquirida), permitindo que a negociação se confinasse a uma redefinição das progressões na carreira, por sinal penalizadora para a maioria dos professores;

2. as questões salariais nunca foram o ímpeto da mobilização dos professores e seria um mau sinal que a justíssima luta dos professores pudesse ser confundida, pela opinião pública, com reivindicações de natureza salarial, particularmente num período em que a situação económica da maioria das famílias portuguesas passa por dificuldades, em muitos casos dramáticas;

3. é de todo incompreensível que a reivindicação que mobilizou a esmagadora maioria dos professores, a saber o fim deste modelo de avaliação, a qual persiste quase intacta na filosofia e nas práticas do modelo de avaliação em vigor e dos retoques que se anunciam, tenha sido inexplicavelmente abandonada pelos sindicatos e não constitua, sequer, parte das razões da greve;

4. persiste a dificuldade em explicar aos professores a espantosa contradição entre aceitar, no precipitado e injustificado Acordo de Princípios, os bloqueios no acesso ao 5.º e 7.º escalões e vir agora invocar a contestação desses bloqueios como uma reivindicação que legitima a greve, o que constitui pura hipocrisia ou mero tacticismo sindical à custa dos interesses dos professores;

5. a marcação desta greve foi, mais uma vez, decidida pelas cúpulas sindicais e à revelia da auscultação da vontade dos professores, a que acresce a circunstância de não se vislumbrar nenhuma movimentação significativa a nível dos sindicatos nas escolas para que a greve resulte;

6. os professores sentem que os sindicatos, em sede negocial e pela segunda vez, não interpretaram e não defenderam condignamente as suas principais reivindicações, pelo que prevalece um sentimento, dificilmente superável nos próximos tempos, de que as estruturas sindicais não os representam convenientemente. A ideia que predomina nas escolas é a de que não vale a pena lutar conjuntamente com estas direcções sindicais, pois estas acabam quase sempre por desbaratar o capital de luta alcançado.

Tudo isto torna expectável uma baixíssima adesão à greve por parte dos professores, embora tal não deva ser interpretado como um sinal de apaziguamento ou de satisfação da classe pelas parcas conquistas alcançadas, pelo que se torna fundamental repensar formas, estratégias e acções de luta para o futuro que sejam verdadeiramente unitárias entre sindicatos, movimentos e professores.

Este modelo de avaliação, o sistema de quotas, o actual modelo de gestão, as situações de precariedade de muitos docentes e o desemprego de muitos milhares de outros, deverão mobilizar-nos para a definição e a dinamização de uma convergência de vontades que ausculte e debata formas de luta, antes de as impor."


APEDE, MUP, PROmova

2 comentários:

  1. Sobre a greve do dia 4 de Março

    Comentário meu:

    O que é triste não é a figura que os sindicatos de professores estão, mais uma vez a fazer, no seguimento de indicações partidárias pois claro, no tratamento que fazem das suas bases e dos professores em geral.
    O que é mesmo triste, para mim, foi a atitude tolerante que os movimentos tiveram, na maior parte dos casos em relação aos sindicatos durante os últimos dois anos, defendendo a tese de que o fundamental mesmo era a união de todos os professores custe o que custasse, em vez dos movimentos de professores serem algo de emancipador e de novo em relação justamente aos sindicatos...
    O resultado está à vista.
    E infelizmente estou convencido do seguinte: a recuperação do tempo perdido é impossível!...

    ResponderEliminar
  2. Colegas, uma vez mais, sinto tristeza, pois estamos a ser "carne para canhão" neste país de fingir, à beira-mar plantado.
    Reservo-me o direito de ir trabalhar no dia 4 de Março, pois tudo não passa de um embuste para a classe. Concordo convosco. Estou convosco desde o início e revejo-me, cada vez mais com a V. lucidez de espírito. Contem comigo, pois sou PROFESSORA de corpo e alma.Estou cansada das políticas do faz de conta e de agendas de trabalho e deliberaçõeas e legislações... feitas em cima do joelho para retrato póstumo...B A S T A!!!
    Amélia Maia (Braga)

    ResponderEliminar