terça-feira, 7 de junho de 2011

Abaixo os Professores

"Abaixo os professores porque é deles a culpa do estado do país. Quando se esperam anos por uma justiça ineficaz, não é do legislador a culpa de não mexer num sistema que não funciona. É dos professores que não conseguiram incutir nos seus alunos a correcta noção da legalidade.

Quando grassa corrupção, é culpa dos professores porque falhou o ensino da ética. Se há desemprego é porque os professores não desenvolveram o espírito de iniciativa nos estudantes. Se há fome é culpa dos professores não terem ensinado a pescar. Se está escuro, é culpa dos professores não terem ensinado a fazer luz. Quando há problemas, é culpa dos professores não aparecerem soluções.


Tivemos a “paixão pela educação” de Guterres e a carnificina da avaliação docente com Sócrates. Vamos em mais de 10 anos de políticas para resolver os problemas do país mexendo na educação. Melhorámos? Basta olhar para as parangonas para se ler a resposta.

Em todas estas décadas, pese embora tantas “mudanças”, há uma aldeia de irredutíveis gauleses onde as fundações continuam inabaláveis: o sistema judicial. Um país onde a justiça seja incapaz de responder em tempo útil nunca poderá ter níveis de desenvolvimento aceitáveis. Se se perde um concurso devido a truques, de nada vale, passados anos, esgrimir argumentos em tribunal. Incumprimentos contratuais precisam de ser resolvidos na hora, não é num futuro incerto. Direitos violados assim continuarão até que, tantas vezes tarde demais, seja possível obrigar à reparação de danos. A incerteza quanto ao tempo necessário para que se faça justiça é um campo fértil para quem se disponha à ilegalidade.

Os governos têm passado e a justiça fica. Em contrapartida, a mensagem “abaixo os professores” trazida pela enxurrada de reformas após reformas tem sido uma constante, como se isso resolvesse os problemas do país. É mais do que tempo de parar com o faz de conta. Quando é que se reforma a justiça, começado pelas bases processuais?"

Publicado por Fliscorno em 15 de Fevereiro de 2011

Não resisti a republicar este texto, de novo tão oportuno. Obrigada, Jorge!

2 comentários:

  1. Só concordo com a parte em que se fala da justiça. Ando há que tempos a dizer aos professores: DEIXEM DE SE ARMAR EM VÍTIMAS!
    E olhe que eu fui, até ao ano passado, professora por 40 anos!

    ResponderEliminar
  2. De facto eu não posso concordar que os males do país comecem e acabem nos Professores. Nem tão acho correcto que se diga que a fonte de todos os males do país está na classe docente.

    No estado que o país está, há culpa suficiente para todos e poucos estão livres de dizer que são inocentes. Os Professores têm a culpa que têm tal como os Juízes, Polícias, Médicos, Comerciantes, Industriais, Operários Fabris, etc... Isto sem sequer chegar aos políticos e politiqueiros deste país...

    Mas, de facto, penso que a constante vitimização e noção de perseguição dos Professores que às vezes passa é, no mínimo, exagerada. Admita-se a culpa que há em cada um, seja qual for a profissão, por forma a se poder corrigir os erros.

    ResponderEliminar