quinta-feira, 30 de junho de 2011

Mulheres sauditas presas por conduzir


As mulheres na Arábia Saudita não gozam de direitos básicos de cidadania. Não podem conduzir, não podem trabalhar, não podem viajar sem autorização dos maridos.
Diz quem já lá foi que elas são obrigadas a andar uma dúzia de passos atrás dos seus "donos" nos passeios das ruas...

Não estivessemos no século XXI mas sim a assistir a um filme de ficção passado na Idade da Pedra, talvez esperassemos ver a imagem de uma mulher a ser possuída à força na posição de gatas ou a ser arrastada pelos cabelos pelo parceiro. Mas, acontece que o mundo deu já uma infinidade de voltas ao Sol e as mulheres conquistaram a dignidade de lhes ser reconhecida a igualdade de direitos e oportunidades, como o voto, a escolha de uma carreira, a opção pelo número de filhos, etc.

Em Portugal a Assembleia da República tem neste momento uma mulher a presidir. Há várias deputadas e ministras. Há muitas professoras e médicas a exercer no nosso país. Até engenheiras agrónomas e químicas, contabilistas, geneticistas, farmacêuticas, empresárias.... e contudo, é o mesmo o mundo, só a uns milhares de quilómetros de distância da Arábia Saudita! Mas atenção, são quilómetros, não são séculos! 

A resistência das mulheres sauditas está aparentemente a organizar-se. Este blogue já aqui comentou esse facto. Por via dessa vontade de se libertarem de um jugo milenar insustentável e sem qualquer fundamento aceitável, elas estão a enfrentar a polícia e a decidir conduzir. Pode ser que a sua prisão abra os olhos do mundo.

Ler aqui.

Sem comentários:

Enviar um comentário