domingo, 27 de junho de 2010

Johanna deu o nó


Não dizem que o exemplo vem de cima?
Então, assim que a lei do casamento homossexual foi aprovada, a primeira-ministra da Islândia, Johanna Sigurdardottir, de 67 anos, foi a primeira a casar-se. Johanna foi o primeiro chefe de governo a declarar abertamente a sua homossexualidade.
A sua companheira (na foto abaixo) chama-se Jonina Leosdottir e já tinha constituído com ela uma "união civil registada", hoje convertida em casamento.



"O parlamento de Reiquejavique adoptou por unânimidade no passado dia 12 a legalização do casamento homossexual, lei que entrou hoje em vigor."
Do Expresso.

Primeiramente Johanna foi casada com um banqueiro e mãe de dois filhos. Jonina foi casada com um especialista em Ciência Política, de quem teve um filho. Na Wikipédia o seu perfil já foi actualizado; diz assim:

"Jónína Leósdóttir é escritora, jornalista, argumentista e esposa da primeira-ministra da Islândia, Jóhanna Sigurðardóttir. Jónína Leósdóttir é autora de doze peças de teatro (várias das quais foram produzidas para televisão, rádio, e palco), cinco romances, várias poesias, duas biografias, e uma coleção de artigos que produziu especificamente para uma revista destinada ao público feminino; além disso fez várias traduções de livros de inglês para islandês. Trabalhou como editora e jornalista a tempo integral vinte e cinco anos, mas recentemente passou a ocupar todo o seu tempo como escritora."

Se isto tivesse ocorrido em Portugal, caía o governo e a Igreja restaurava a fogueira inquisitorial no Rossio. O que vale é que isto passou-se lá pelas bandas do círculo polar ártico. Nem o Sol se põe, como é que se pode esperar que as famílias sejam iguais? Sabe-se lá quando é que se acorda no dia seguinte transformado em biscoito de cinza vulcânica?...

Sem comentários:

Enviar um comentário