sábado, 19 de junho de 2010

In Memoriam - A “metáfora” da morte em Saramago


Recebi este contributo para ajudar a perpetuar a memória de Saramago. Tal como eu, também L.A. é uma admiradora deste que agora, embora partindo, conquistou a imortalidade.
Deixo aqui o seu trabalho de compilação de textos alusivos ao momento. Que “sirva para reflexão”, como ela diz.


Aprendemos com as obras notáveis de José Saramago que a morte não é um fim, afinal é uma libertação se soubermos viver a vida…e ele soube, como diria o grande poeta Camões, libertar-se da “lei da morte”.
L.A.

“(..) filosofamos é por saber que morreremos, monsieur de Montaigne já tinha dito que filosofar é aprender a morrer.”
As Intermitências da Morte

“(...) tudo quanto é nome de homem vai aqui, tudo quanto é vida também, sobretudo se atribulada, principalmente se miserável, já que não podemos falar- lhes das vidas, por tantas serem, ao menos deixemos seus nomes escritos, é essa a nossa obrigação, só para isso escrevemos, torná-los imortais, pois aí ficam, se de nós depende(...)”
Memorial do Convento

“São onze os supliciados. A queima já vai adiantada, os rostos mal se distinguem. Naquele extremo arde um homem a quem falta a mão esquerda. Talvez por ter a barba enegrecida, prodígio cosmético da fuligem, parece mais novo. E uma nuvem fechada está no centro de seu corpo. Então Blimunda disse, Vem. Desprendeu-se a vontade de Baltasar Sete-Sóis, mas não subiu para as estrelas, se à terra pertencia e a Blimunda.”
Memorial do Convento

“Tu estavas, avó, sentada na soleira da tua porta, aberta para a noite estrelada e imensa, para o céu de que nada sabias e por onde nunca viajarias, para o silêncio dos campos e das árvores assombradas, e disseste, com a serenidade dos teus noventa anos e o fogo de uma adolescência nunca perdida: «O mundo é tão bonito e eu tenho tanta pena de morrer.» Assim mesmo. Eu estava lá.”
As Pequenas Memórias

"Então ela, a morte, levantou-se, abriu a bolsa que tinha deixado na sala e retirou a carta de cor violeta. Olhou em redor como se estivesse à procura de um lugar onde a pudesse deixar, sobre o piano, metida entre as cordas do violoncelo, ou então no próprio quarto, debaixo da almofada em que a cabeça do homem descansava. Não o fez. Saiu para a cozinha, acendeu um fósforo, um fósforo humilde, ela que poderia desfazer o papel com o olhar, reduzi-lo a uma impalpável poeira, ela que poderia pegar-lhe fogo só com o contacto dos dedos, e era um simples fósforo, o fósforo comum, o fósforo de todos os dias, que fazia arder a carta da morte, essa que só a morte podia destruir. Não ficaram cinzas. A morte voltou para a cama, abraçou-se ao homem e, sem compreender o que lhe estava a suceder, ela que nunca dormia, sentiu que o sono lhe fazia descair suavemente as pálpebras. No dia seguinte ninguém morreu."
As Intermitências da Morte

Enviado por L.A.

3 comentários:

  1. Quem ama e toca com beleza os nossos corações, certamente, jamais morrerá. Aplausos eternos a Saramago. A nossa homenagem. Bela postagem, Helena e L.A. Um bom dia, um ótimo final de semana a vocês, beijos ;)

    ResponderEliminar
  2. Apesar de não concordar com muitos dos seus ideais, reconheço a sua coragem. Não é qualquer um que defende as suas ideias como ele o fez...
    Não creio que tenha morrido zangado com Portugal, mas sim desiludido.
    O mundo ficou mais pobre...

    ResponderEliminar
  3. Hola guapa ! Siento la muerte de este maravilloso escritor .
    La cultura de todo el mundo pierde un genio.
    Un abrazo

    MARIA

    ResponderEliminar