segunda-feira, 15 de junho de 2009

A questão sensível da Ficha de Auto-Avaliação 3


O último fim de semana foi marcado pela publicação no jornal "Público" de um Documento subscrito por um grupo de professores que se demarca da obrigatoriedade de entregar a Ficha de Auto-Avaliação, que, em muitas Escolas, está calendarizada para as próximas semanas.

Cumprimento estes colegas pela coragem, frontalidade e coerência pela posição assumida e penso que, no mínimo, ela teve o mérito de nos pôr a pensar e discutir.

Muitos mais debates se seguirão ainda nas páginas da Blogosfera e fora dela, na medida em que o modelo de Avaliação Docente imposto pelo Ministério ainda só entrou agora na primeira fase, de acordo com o consignado no Estatuto da Carreira Docente em vigor.

Ao referido documento seguiu-se a publicação de um esclarecimento de Mário Machaqueiro, um dos subscritores, o qual é consistente com o primeiro.

A quem esteve por fora e ainda não o fez, sugiro a leitura dos dois documentos aqui e aqui, na medida em que ambos levantam questões importantes para uma tomada de posição consciente, responsável e crítica nesta fase do processo de Avaliação.

As posições da Fenprof e do Movimento Promova já foram divulgadas neste Blog em dias anteriores.

2 comentários:

  1. Olá amiga Lelé

    Seu blog foi indicado para o Premio Internazionale UTOPIE CALABRESI!
    Veja em: http://utopiecalabresi.blogspot.com/
    Muitos parabéns!!!

    Abraços

    ResponderEliminar
  2. Tenho que aplaudir estes colegas. Penso da mesma maneira. A coerência e a defesa dos nossos princípios devia ser levada até ao fim. As árvores morrem, mas morrem de pé. entregar a FAA é pactuar, é ser incoerente, é vergar na hora da verdade. Quem não concorda deve assumi-lo.
    terei forças?

    ResponderEliminar