sábado, 13 de junho de 2009

Sobre a Prudência


(Do grego phronésis, do latim: prudentia)

A prudência, a maior de todas as virtudes aristotélicas, para os autores da Antiguidade ultrapassa a simples precaução contra o perigo.

Considero que no momento que estamos actualmente a viver, quer a nível nacional, quer internacional, conviria bastante interiorizar este conceito, mais pertinente e actual do que nunca, lembrando-nos das suas inúmeras vantagens.


“ A prudência determina o que é necessário escolher e o que é necessário evitar. Ora, o perigo pertence, na maioria dos casos, a esta última categoria; daí a prudência, no sentido moderno do termo (a prudência como precaução). Todavia, há riscos que é necessário correr, perigos que é preciso enfrentar; daí a prudência, no sentido antigo (a prudência como “virtude do risco e da decisão”). A primeira, longe de abolir a segunda, depende dela. A prudência não é nem o medo nem a covardia. Sem a coragem, ela seria apenas pusilânime, assim como a coragem, sem ela, seria apenas temeridade ou loucura.”

André Comte-Sponville, Pequeno Tratado das Grandes Virtudes
Ed. Martins Fontes, São Paulo, 1999

(post dedicado ao amigo Paulo Prudêncio)

1 comentário: