segunda-feira, 22 de junho de 2009

Milagre - deliciosa ironia


Milagre

"Esta coisa da humildade está a dar resultado. (…)

Sócrates teve agora a sua epifania. Foi preciso o pior resultado eleitoral na história do PS para a revelar, mas aí está. Morreu o Animal Feroz, viva o Animal Domesticado. Aleluia, que nasceu o novo homem, doce, cordato, simpático, sereno. "Hossana" grita o país em coro, maravilhado com o testemunho de humildade franciscana que agora transborda das suas comunicações e que, qual aura de beatitude, se está a alastrar, comunicando-se a fiéis e a infiéis, a jornalistas e políticos. (…)

"É tão humilde, não é?". (…)

"Bem-aventurados os mansos pois herdarão a terra" ouve-se em coro quando o povo sobressaltado vê que o Animal Feroz partiu e em seu lugar serpenteia a mansidão dialogante. Estava tudo previsto. Foi inspiração súbita que levou os técnicos da assessoria de imagem a ter o ímpeto de correr para o Antigo Testamento e parar, siderados, em Isaías 65:25 onde se lê claramente: "E o lobo e o cordeiro pastarão juntos (…) e o leão comerá palha como o jumento e (…) não haverá mais cenas embaraçosas". (…)

De facto, a diferença é tão abissal que já nem precisamos de eleições. Já mudámos de governante. Ou melhor ainda. O governante mudou-se a si mesmo. Acabou-se o vociferante Orlando Furioso de Ariosto, destruído em autocombustão purificadora entre frémitos coléricos no Parlamento e estertores catárticos em estúdios de TV. Ficou-nos o Orlando Enamorato de Boiardo, suave, sério, intenso e sempre, sempre, terno. (…)

Os vendilhões já foram escorraçados do templo. Fica-nos a nova era e a nova imagem que vai ser construída por santos profetas milagreiros (…).

(…) Sempre houve crentes e crédulos."

Mário Crespo in JN-Online (22/06/2009)

3 comentários:

  1. Maravilhosa desconstrução do absurdo. Parabens.

    ResponderEliminar
  2. O melhor indicador do comportamento futuro é o seu comportamento passado.
    Não acreditem em Sócrates.
    É um Mentiroso compulsivo um Falso

    ResponderEliminar
  3. Bom texto.

    Abraço.

    Paulo Prudêncio

    ResponderEliminar